Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI

Ede Villanassi, diretor-geral e proprietário da Sandra Têxtil, empresa que tenta sobreviver à concorrência de importados com a diversificação de clientes

Há 20 anos a Stenville faz beneficiamento de tecidos. George Tomic, sócio-diretor da empresa, conta que recebe os tecidos dos clientes e os prepara para tingimento ou impermeabilização. Instalada em Jundiaí, interior de São Paulo, a empresa usava, até o primeiro trimestre de 2011, pelo menos 80% da capacidade. "Mas desde abril do ano passado deixamos de receber encomendas e a produção caiu", conta o empresário.

Atualmente, diz Tomic, a empresa trabalha com 50% da capacidade. Em janeiro, ele faturou 40% menos na comparação com o mesmo período de 2011 e as perspectivas para este ano não são boas. "As encomendas não voltaram e se continuarmos assim fecharemos a fábrica até julho porque não conseguimos mais pagar os custos fixos." No começo de 2011, a Stenville tinha 130 funcionários. Hoje são 75.

Tomic credita a dificuldade da empresa à importação. Ele conta que seus clientes são fabricantes de vestuário, de roupas de cama e mesa e de calçados. "As encomendas caíram porque as importações não são apenas de tecidos, mas de roupas já prontas."

A queixa de Tomic faz sentido. No ano passado, o volume importado em roupas e acessórios aumentou 40,3% em relação a 2010. A variação é, de forma disparada, a maior entre todos os 25 segmentos de atividade em que o volume de desembarques é calculado pela Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex). Depois do vestuário, o setor com maior aumento no volume importado foi o de veículos, com elevação de 21,5%.

O volume de importação cresceu, mas a produção física de vestuário em 2011 teve queda de 4,4% na comparação com o ano anterior, segundo dados da pesquisa industrial mensal do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O faturamento real do segmento contudo, resistiu no ano passado, com alta de 2,9% em relação a 2010, pela pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

"A indústria de confecção também passou a importar não só matéria-prima têxtil, para reduzir o custo de produção, mas também o vestuário pronto", diz Edgard Pereira, professor da Unicamp e sócio de uma consultoria que leva seu nome. A importação de roupas já prontas foi a reação da indústria de vestuário à concorrência externa, e foi o que propiciou o aumento de faturamento, apesar da redução de produção doméstica. "O problema é quem está atrás: o setor têxtil, prejudicado não só pela importação da indústria quanto dos varejista", acrescenta Pereira.

A C&A e a Renner, as duas maiores redes de lojas de departamento de vestuário do país, aumentaram as importações em ritmo acelerado. A C&A trazia do exterior entre US$ 50 milhões e US$ 100 milhões em 2008. Desde 2010 desembarca acima de US$ 100 milhões ao ano. A Renner, em 2010, ainda estava na faixa dos que importavam entre US$ 10 milhões e US$ 50 milhões. No ano passado, porém, comprou de fora mais de US$ 100 milhões. Tanto a C&A quanto a Renner desembarcaram mais de US$ 50 milhões da China no ano passado, sempre de acordo com estatísticas oficiais de comércio exterior. Procuradas, as duas varejistas não comentaram o assunto.

"A importação não acontece mais somente por preço ou sobra de mercado. Há uma mudança estrutural", diz Pereira. A Stenville, a beneficiadora de tecidos de Jundiaí, é apenas uma das que contribuíram com a queda de 14,9% da produção brasileira de têxteis registrada pelo IBGE no ano passado. Além da queda de produção, o segmento amargou 9,2% de perda de faturamento real em 2011. Foi o maior recuo entre os segmentos da indústria de transformação, segundo o levantamento da CNI.

A importação começa a desestruturar a cadeia do vestuário, atingindo principalmente os têxteis, diz José Augusto de Castro, presidente em exercício da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB). "São números que já indicam ligeira desindustrialização. O importado está tomando efetivamente o lugar do produto nacional." Há os que, dentro do próprio setor, já protagonizam essa substituição.

É o caso da Maxim, que em 2010 produzia, por mês, 120 toneladas de um fio para a fabricação de esfregões de limpeza e tingia outras 60 toneladas do produto. Um ano depois a produção caiu para 14 toneladas mensais do fio e quatro toneladas de tingimento. "O fio chinês chega aqui mais barato do que o custo da minha matéria-prima", diz Adalberto Oliveira Martins Filho, dono da empresa.

A perda de clientes elevou a dívida, que chegou perto de R$ 600 mil em janeiro. "Somos uma fiação pequena. Eu tinha 34 pessoas trabalhando em janeiro de 2011. Agora tenho 12 e semana que vem vou demitir mais seis", afirma o empresário. A solução, diz, foi passar a importar o produto que antes produzia. Se antes ele gerava cerca de 120 empregos diretos e indiretos na região mineira de Alfenas, agora precisa de alguns funcionários com pouco treinamento para receber as caixas, colocá-las no depósito e depois enviá-las para os compradores. "Se eu vender duas toneladas por mês do fio importado, consigo tirar R$ 50 mil. Produzindo, ganhava R$ 10 mil ao mês."

O caso da Maxim, diz Pereira, mostra que a alta da importação não é mais resultado do senso de oportunidade de um agente que percebeu a demanda e um câmbio favorável. "É mais uma capitulação", diz, referindo-se a empresários que investiram seu capital em produção por muito tempo e agora desistiram. Em cadeia, esse fenômeno, diz ele, gera a perda de uma cultura industrial difícil de recuperar. "Ficaremos sem a qualificação da mão de obra e do empresário e sem as rotinas de trabalho industrial. Isso não é refeito de uma hora para outra."

A perda de dinamismo dos segmentos de têxteis e confecções refletiu na ocupação. Enquanto o emprego industrial total cresceu 1% em 2011, na comparação com o ano anterior (segundo a pesquisa de emprego industrial do IBGE), na indústria têxtil e de vestuário houve redução de 1,08% e 3,23%, respectivamente.

Os dados da balança comercial Brasil-China mostram outro lado perverso da desestruturação do setor no país: parte das roupas importadas pelo Brasil pode estar sendo produzida com algodão verde-amarelo. A China mais que triplicou as compras do algodão brasileiro no ano passado em relação a 2010, quando passaram de US$ 140 milhões para US$ 569 milhões. Os números não são decorrentes apenas da alta no preço da commodity. O volume registrado foi 325% maior do que o verificado em 2010. Com o salto, os chineses deixaram de ser o terceiro destino do produto nacional para serem os primeiros, passando à frente de coreanos e indonésios, absorvendo 31% do total da exportação brasileira dessa commodity.

"Metade da cadeia têxtil vai desaparecer", estima Luiz Carlos Sandim, diretor da Sanfios, fabricante de chenille, um fio em tecido especial usado principalmente em sofás. Ele conta que no ano passado seu faturamento caiu um terço em relação a 2010.

Instalada em Americana, polo têxtil do interior paulista, a empresa beneficia um fio que vai para outra fiação para só depois virar tecido. Por isso, é difícil diversificar a produção. Em função do número menor de encomendas, a empresa também demitiu um terço dos funcionários.

Para alguns, mesmo a diversificação não tem sido suficiente. Em Santa Bárbara do Oeste, a Sandra Têxtil produz tecidos planos. Em 2008, conta o dono, Ede Villanassi, 40% de sua produção de tecidos era destinada a vestuário. Hoje apenas 15% dos tecidos que fabrica se transformam em roupas.

A empresa tentou compensar a perda de parte da clientela produzindo mais para outros setores. A indústria de calçados, por exemplo, que há menos de cinco anos representava 45% de suas vendas, hoje responde por 70% do faturamento. A maior dependência do setor calçadista, porém, começa a preocupar Villanassi. "A indústria de sapatos também está começando a sentir a concorrência dos importados", diz o empresário.

A Sandra Têxtil passou a produzir para fabricantes de bolsas, segmento que não atendia antes e que significa 5% do faturamento da empresa. Outros 10% da sua produção vão para móveis. "Estamos fazendo de tudo." Ele lembra, porém, que o fornecimento para indústrias como calçados, bolsas e móveis tende a oscilar mais. "O uso de tecido para esses clientes muda muito conforme a moda."

Por isso, mesmo diversificando, a empresa não é exceção no setor têxtil. Villanassi conta que até 2010 mantinha ocupada cerca de 80% da capacidade de produção. No primeiro semestre a ocupação caiu para 60%. "Atualmente estamos produzindo com 37%." O número de trabalhadores caiu de 18 em 2010 para dez hoje.

A diminuição da produção têxtil no país no ano passado foi sentida também por quem está no começo de toda a cadeia de algodão. A trading InterAgrícola compra algodão em pluma dos produtores e o vende a indústrias no mercado.

Enquanto em 2010 60% das saídas do produto destinavam-se ao mercado interno e 40% ao externo, a proporção se inverteu no ano passado. Como o algodão é uma commodity, não há diferença para a trading em vender para fora ou abastecer a demanda brasileira, de acordo com o diretor da empresa e vice-presidente da Associação Nacional dos Exportadores de Algodão (Anea), Marco Antonio Aluísio. "É até um pouco mais vantajoso vender aqui em razão do custo do frete", diz. Mas as vendas ao mercado externo se aqueceram com o apetite internacional. A China, que aumentou suas vendas de têxteis e vestuário ao país no ano passado, é o maior compradora da companhia, que contabilizou aumento de 20% no volume de vendas.

Fonte:|http://www.valor.com.br/brasil/2531100/importacao-em-alta-desestrut...

Exibições: 1912

Responder esta

Respostas a este tópico

Me desculpem, mas eu ri alto quando eu li: "Vc manda um tecido para acabar na tnturaria e eles de fato ACABAM COM O TECIDO".

Não é uma regra, conheço tinturarias competentes aqui em SP e com excelentes profissionais...Mas, isso já aconteceu uma vez com um material que nós terceirizamos...Tingiram com a temperatura e o corante errado...Na verdade, entraram com o nosso material na máquina, achando que era de outro cliente...Mas, erros infantis acontecem ás vezes, isso não significa incompetência, na maioria delas é falta de atenção...Eu já errei bastante também...

Eu sou sério, jamais quero rebaixar o trabalho das pessoas ou condenar o processo das empresas, mas foi engraçado do jeito que o Sr. Alberto respondeu...


Alberto Chiavoloni Junior disse:

Totalmente verticalizadas de fato não, mas que estão bem melhor de muitas daqui que ficam na mão de muitas tinturarias sem a minima qualidade e respeito pelo cliente estão, ou não?

Aqui no Brasil Vc manda um tecido para acabar na tnturaria e eles de fato ACABAM COM O TECIDO.

 

Olha sr. Alberto,

É muito fácil apontar o dedo para os outros e dizer: Vc é chorão e incompetente!

É muito fácil, por interesse próprio obviamente, "vender" a China, o Afeganistão (estou pasmo!), o Paquistão e etc., como os países das maravilhas, algo que todos sabemos que não são. 

A China já está sendo duramente questionada por vários países, e se ainda não foi aceita como economia de mercado pela OMC é porque realmente não pratica regras de mercado. Não sei se o senhor tem conhecimento, mas um critério que poderá ser incluso como regra na OMC é o regime cambial, que na China é vergonhosamente manipulado.

A China apenas tem sido conveniência para muitos países, mas até quando será???

Lá há uma ditadura comunista que dita o que e como deve ser feito e todo mundo enfia o rabo no meio das pernas e faz. O senhor até pode achar que é melhor assim. Eu não acho.

Se os custos começam a crescer na China é porque algo já começa a mudar. Se já tem empresa começando a repatriar sua produção para os EUA é porque algo diferente já está acontecendo.

Aguarde. Nada como um dia após o outro.

Uma coisa é certa: a forma como a China está conduzindo sua economia é insustentável. Não há como manter isso ao longo do tempo. Não há regime, muito menos o comunista, que consiga manipular a economia sem que a conta um dia chegue. Chegará, esteja certo disso.

Vivemos num regime muito diferente. Não somos o país das maravilhas, estamos muito longe disso, mas aqui as liberdades são outras e, inclusive, o custo disso é diferente.

Quem são os empresários da China? De onde vieram? A quem obedecem? Sob quais regras estão?

Temos as mesmas condições que eles? 

Não dá para comparar alhos com bugalhos.

O exemplo que citei do Walmart é apenas um para demonstrar que aqui estamos sob regras muito diferentes.

Nenhum empresário competitivo quer que o Brasil se feche para a concorrência internacional. Reconhecemos a importância da concorrência para aprimorarmos nosso mercado. O que questionamos é a isonomia dessa competição.

Acredite: Não há comodismo maior do que, ao primeiro sinal de dificuldades, encerrar tudo aqui e buscar em outros países mais baratos. É muito cômodo, virar um mercador de bugigangas, sem se preocupar com o que uma sociedade digna deve ser. Tenho certeza absoluta que os países aos quais o senhor se refere tratam os seus cidadãos com muito menos dignidade que o nosso, ainda que o nosso precise melhorar muito.

Temos muito o que melhorar, mas ainda estamos sob regras econômicas extremamente hostis de competição, e não é preciso ser nenhuma "cabeça pensante" para saber disso.

Apesar de tudo, prefiro lutar pelo meu país pois é aqui que vivo com minha família e é aqui que desejo que meus filhos formem suas famílias.

Minha visão é muito diferente da sua, essencialmente, por uma questão principal: Não faço negócio só por negócio!

Quero que o meu país cresça e avance, que supere todas as mazelas pelas quais passamos para sobreviver, e etc.

Não tenho a menor pretensão de "vender minha alma" para a China ou qualquer outro país.

Não sou chorão, muito menos incompetente. Apenas sou mais um que pensa muito diferente do senhor. E luto por dias melhores no meu país.

Sr. Alberto,

De fato, nenhum brasileiro está feliz com o fechamento das empresas e as reduções dos postos de trabalho...

Mas, já que estamos se aprofundando no assunto eu esqueci de mencionar um grande detalhe. Inclusive, o Sr. citou no post anterior que respondeu para o Sr. Antonio Silverio...

Respeito pelo Cliente e Principalmente Atendimento de Qualidade.

Vou contar de forma rápido um caso simples:

Em meados de 2002, a empresa que eu trabalhava beneficiava tecidos no interior de SP.

Então, eu ligava para os donos das empresas cobrando os prazos de entrega, qualidade, etc...Na maioria das vezes eu era bem atendido, mas, alguns casos o tratamento era um absurdo...

Por questões éticas, eu não vou citar a cidade, nome da empresa e muito menos o empresário...

Quem bate esquece, mas quem apanha não esquece nunca...

Até hoje, eu lembro a empresa, nome do responsável e telefone.

Teve um caso que eu combinei de enviar um material na sexta, mas, por questão de otimização do frete e redução do custo de transporte, eu tive que autorizar a entrega com 1 dia de antecedência, ou seja, na quinta...Infelizmente, eu não avisei o dono da empresa antes do caminhão chegar, até pensei em ligar, mas, o dia estava corrido e acabei deixando para mais tarde, nesse intervalo a transportadora já estava na empresa do beneficiador para entregar o material...Eu recebi a ligação dessa empresa e o cidadão foi completamente ignorante, não deixava eu falar e explicar, soltou os cachorros para cima de mim, chegou até me chamar de moleque mimado e incompetente...Concordo que errei, mas não era para tanto, a minha posição era de CLIENTE, isso, não significa que podemos fazer tudo que quisermos...

Enfim, muitos podem achar que foi um caso isolado, mas, não foi...Esse foi apenas 01 caso de várias discussões que já participei com empresários do mercado têxtil nacional...

Não quero condenar os empresários brasileiros, isso não é justo por que a maioria deles são transparentes, competentes, ou seja, são excelentes pessoas...

A minha crítica é construtiva, ou seja, apenas para reflexão...

Outros técnicos que trabalhavam comigo, quando eram tratados dessa forma, criavam um espirito de "vingança" e "ódio"...Este é o pior sentimento que um fornecedor pode despertar em um cliente...Mas, eu sempre fui profissional e isso pouco importava na hora de escolher os fornecedores...

Na minha concepção, com a entrada dos importados eu acredito que muito comprador ou analista de produto achou um caminho alternativo para se "vingar" dos produtos nacionais...Inclusive, alguns amigos que estudaram comigo, falavam a seguinte frase: "Eu não vou sossegar, enquanto aquele FDP (Desculpem-me o termo) não fechar as portas"...Não foi só uma questão de preço, realmente temos que admitir :"tinha muita gente metida a "bravão" nesse mercado".

Hoje eu já não tenho conhecimento deste tipo de atitude...

Infelizmente essa foi uma época chata, ou pior, ainda pode ser uma realidade...Eu condenava este tipo de atitude, nunca levei essas questões para o lado pessoal, sempre procurei uma forma pacíficade resolver para ficar tudo calmo e tranquilo com a pessoa responsável pelas empresas...

Mas, nem todo mundo é assim...È triste saber que em certos momentos criou uma rivalidade entre compradores e empresários, sendo, que na verdade eles deveriam estar unidos...

Enfim, atendimento e respeito pelo cliente é um detalhe fundamental, ninguém gosta de ser tratado como lixo...

Não sou "puxa-saco" dos importados, mas, nunca recebi um e-mail mal educado ou uma ligação grosseira de nenhum estrangeiro...

Não estou aqui para defender os importados, nem defamar a indústria têxtil nacional, mas estou expondo a minha experiência no mercado, eu acredito estar ligada também a causa raiz dos problemas atuais...

 

Abraços!!!


Alberto Chiavoloni Junior disse:

Paulo,

concordo plenamente contigo.

Vc acha que me faz feliz ver empresarios brasileiros quebrando?

Mas fazer o que, todo negocio tem o seu risco e seus percalços.

 

To por aqui

Fico a sua disposiçção

Abraços



Paulo Cesar Alexandre Freire disse:

Prezado Sr. Alberto,

Agradeço aos elogios. Concordo com o Sr. na questão mão de obra,  realmente eu não estou totalmente informado em relação ao operacional Asiatico e na qualidade de vida das pessoas...De fato, eu nunca fui a China para verificar com os meus próprios olhos a situação dos trabalhadores e da sociedade...Na verdade, tenho amigos que já foram para China há alguns anos e todos eles relataram situações precárias no ambiente de trabalho e nas moradias, são pessoas confiáveis...Sinceramente, esta é a primeira vez que leio algo positivo sobre a mão de obra na China...Uma coisa é você conhecer o lugar e ver pessoalmente as instalações para tirar suas próprias conclusões...Acredito, que ás vezes o pessoal especula demais e as coisas não são nada daquilo que você escuta pelo mercado. Eu não dúvido que as coisas na China sejam dessa forma por que eu comecei a trabalhar com importados em 2005 e eles evoluiram muito com o passar dos anos, mas, também não dúvido que os trabalhadores ganham pouco e são explorados...Enfim, é preciso filtrar e verificar as informações para não tirar conclusões precipitadas...

Se existem tecelagens com 3 mil teares (Jato de Ar ou àgua que produz acima de 1000 RPM), então, estamos fritos!!!

Não sou especialista em Economia, mas, acredito que para melhorar a situação têxtil nacional o problema e a responsabilidade não é somente do governo...Para melhorar o governo deve incentivar, cobrar menos impostos, facilitar o acesso e liberar mais crédito, aumentar a fiscalização dos importados para evitar fraudes, etc... Mas o empresário também tem papel fundamental...Ele precisa modernizar seus parques indústriais, fazer investimentos em máquinas (ou seja, arriscar), achar alternativas mais baratas para os seus processos, reduzir a mão de obra, reduzir custos em geral, etc... Para isso, será necessário uma mudança radical...Uma série de ações conjuntas para incentivar a produção interna...

Enfim, para sermos competitivos só depende de nós brasileiros (Empresários, políticos, etc...).

 

Sou brasileiro e torço pela indústria têxtil nacional...Mas, do jeito que estão as coisas, acho díficil um "fusca" disputar corrida com uma "ferrari"....Sou otimista, eu não jogo a toalha,  ainda acredito que com pessoas sérias e competentes no comando do navio nós chegaremos lá...O dificil é colocar as pessoas sérias e competentes no lugar que realmente elas deveriam estar...

Eu acho que este país só vai para frente quando pararmos de nos preocupar (de forma global, ou seja, em todas as esferas da nossa sociedade) somente com os nossos interesses...

Enfim, esta é a humilde opinião de um técnico têxtil...

Peço desculpas a todos se falei alguma bobagem...

Sr. Alberto, em nenhum momento o Sr. foi mal educado, muito pelo contrário...

Abraço a Todos!


Alberto Chiavoloni Junior disse:

Sr Paulo Cesar

Até que enfim apareceu uma cabeça pensante nessa discussão, por todos esses problemas que o Sr. passou e passa com fornecedores, eu infelizmente já passei e por tudo isso acabei indo trabalhar para o lado de lá, se tivesse até hj esperando as amostras dos empresários brasileiros, e respostas de emails dos mesmos, eu ja estaria ajudando os empresários a fechar as portas aqui no Brasil.

Represento hj 50 tecelagens da China, 25 do Pakistão, 50 da India, isso só de tecidos, fios e toalhas, fora as centenas de convites que tenho diariamente dos fabricantes de confecções e cama e mesa que estão loucos para vender aqui no Brasil e tenho recusado.

De todos os seus brilhantes argumentos, somente um o Sr. não está totalmente bem informado: acabei de chegar da China e visitei algumas das mlhares de tecelagens que o meu tempo me permitiu e o que eu vi foi o seguinte:

Fabricas super modernas, totalmente informatizadas, com teares de ultima geração, funcionários todos uniformizados e felizes.

No tocante a qualidade, todas as fabricas me apresentaram Engenheiros Texteis, para falar sobre os produtos e processos de produção.

Todas as fabricas desde as pequenas(300 teares) até as bem grandes(1500 teares) tinham o seu depto de exportação com no minimo 3  pessoas falando com o mundo todo.

Em todas as fabricas elas estavam totalmente verticalizadas desde a tecelagem até os acabamentos finais dos tecidos e com orgulho me mostravam os tratamentos de agua e residuos.

Com relação a salários, os tecelões lá tem que entender de informatica, pois os teares e toda a produção estão todas informatizadas e eles ganham em torno de U$D 300 por mes, mas pagam U$D 50 do seu carro zero e com muito orgulho mais U$D 100 de universidade com o que sobra ou seja 150 vivem muito confortavelmente e felizes.

Os funcionarios do escalão de cima ou seja Engenheiros Texteis e de exportação, ganham em torno de 500 por mes e da mesma forma tem os mesmo gastos, pois muitos ainda estão pagando ao governo os estudos.

Qdo da proxima vez Vc ter a possibilidade de ir visitar a China, não perca, pois Vc vai ver que infelizmente aqui no Brasil esse setor está ha mais ou menos 1 seculo atrazado.

Qdo me falaram que na China tinha tecelagens com 3 mil teares eu não acreditei, mas tem...

Outra coisa lá os empresarios são unidos na hora de reinvidicar as coisas do governo...

Desculpe pela minha falta de educação...se precisar de alguma coisa estou as ordens

Abraços

Alberto

 

 

 

 

 

Na verdade, estamos numa guerra.

As perspectivas é que são diferentes.

De um lado há soldados que, no campo de batalha, pensam apenas em matar o seus opositores, não importa como. Para estes quanto mais inimigos mortos, melhor.

De outro há a Cruz Vermelha que pensa o tempo todo em salvar mais uma vida. Para esta, quanto mais vidas salvas, melhor.

A guerra é a mesma, as ações de cada um é que são diferentes.

pessoal....é tão simples : 

a) comom podemos ter 2 pesos e 2 medidas??? NAO É JUSTO!!!!

b) como se importa ( e passa pela RF ..) 1 kg de fio quase o mesmo preço de 1 kg de confecção??? simples ....é um equilibrio que a china faz, para manter empregos!!!! e em toda a fase de produção!!!! há incentivos qdo se exporta!!!! ja falamos nisto em comentarios anteriores.....

d) o custo, por exemplo,  para cortar cana utilizando somente mao de obra humana é muito superior ao custo de quem faz colheita mecanizada....

e) da mesma forma a china, como tem carga tributaria total de 20% .......é obvio que nao podemos concorrer!!!!! e se exportam esta carga cai 16 pontos!!!! caramba!!! é tão dificil????

f) na era Collor , qdo liberou as importaçoes, foi objetivando melhorar o pais, mas esta deveria ter controles, como impostos na época......e que se acabaram!!!!

g) Americana nao está tão atrasada asim Alberto!!!!! vc está redondamente enganado!!!! tem pessoas com Dornier 2008 jacquard ( que eu vendi, que etão paradas!!!!!pelo excesso de importaçoes com custo mais baixo!!!!( 2 pesos e 2 medidas...)

i) nao conheço a China, mas tenho um amigo do setor, que mora na china, e conversamos de 2 a 3 vezes por semana via skype......e me diz que a china nos ultimos 45 anos é que realmente fez progresso ....realmente estão utilizando maquinas de ultima geração ...em torno de até 10 anos, somente fabricas mais novas, mas tem tb inumeras fabricas que tem teares com 20 a 30 anos!!! e fiação??? tem de tudo!!!!!

vcs sabiam que a China nao utiliza maquina de chenille com disco de corte????? até HOJE somente com gilete!!!! e isto é para gerar empregos!!!!! portanto Alberto....nao é tanta tecnologia assim!!!! vc conhece as maquinas de fios fantasias da china??? É LIXO !!!!!!!  simplesmenete INCOMPARAVEIS COM AS MAQUINAS ITALIANAS/ALEMÃS!!!! ´PE A PIOR SUCATA QUE TEM NO MUNDO!!! ASSIM COM AS DA TURQUIA!!! 

somente para seu cionhecimento, um empresario de nossa região IA cvomprar uma maquina de chenille chinesa.....na faixa de 14.000 usd.....e optou em compra um conjunto dde maquinas usadas italianas na faixa de 60.000 usd......( ja faz alguns anos....)  

outro cliente comprou maquina de chenille chinesa....quebrou a cara literalmente!!!! nunca conseguiu funcionar de acordo!!!! e hoje utiliza maquinas usadas que adquiriu , todas italianas!!!!

- Alberto...o que temos na China, são 3 tipos de empresas :

a) as top de linha que prezam por sua qualidade e extremamente bem equipadas... similares ás nossas...

b) as que tem o mesmo equipamento e nao se preocupam muito com a qualidade, pois já que vedndem para o mundo todo, cada país tem sua exigencia de qualidade!!!!

c) e tem as fabricas lixo.....que nao tem equipamentos , sendo que algumas conseguem boa qualidade e outras não!!! mas conseguem colocar o produto no mercado!!!

e) o que muda é a estrutura que a china possui!!!! tem fabricas gigantescas...com 2500 teares, fazendo tecido de lã, tecidos tecnicos, e tb produzindo porcariada!!! tudo tem seu mercado!!!!

Alberto estou lhe passando informaçoes de quem vive lá...um brasileiro!!!!! e atua em trading textil!!!!! e o mesmo diz, que se o governo brasileiro nao tomar uma atitude de imediata ( pois ja esta atrasado...) o Brasil vai quebrar com todo o parque fabril!!!!

na china, qdo vc pergunta a uma empresa ....fulano vc  fabrica este artigo??? eles simplesmente te reponde : nao...mas podemos faze-lo !!!! e em 15 dias está desenvolvido!!!! e sabe por qual motivo conseguem esta velocidade??/ simplesmente por saberem que se nao o fizer, outro ( chines ) o fará!!!!

qdo estive na Italia, ( 8 anos atrás...) solicitei amostra de um determinado fio fantasia......um chines que estava no hotel, simplesmente fotografou e recebi inumeras amostras antes mesmo das italianas!!! eles realemnete tem velocidade!!! são rapidos!!! 

o governo chines, controla a TV,( é estatal...)  e constantemente são anunciados os projetos a cuto, medio e longo prazo!!! o governo ""convoca"" o povo para participar, faz retorspectivas da epoca que começaram a revolução industrial, e isto tudo é feito em todos os canais de comunicação!!!! é uma lavagem cerebral....conclusão: todos veem as metas do governo, suas realizaçoes conseguidas, e o proximo passo como será .....é assim  qeu o governo chines faz!!!! 

aqui é quase igual, nao achas????o estimulo que temos do governo é MANTER AS IMPORTAÇOES pois são mais baratas....vai facilitar para que todos tenham o minimo de conforto possivel etc...etc.....mas CONTINUA A MATAR AS EMPRESAS!!!! a China está criando empresas, e a deixam fechadas....enquanto que o Brasil.....NADA FAZ!!!!

este é nosso governo....sem metas, sem objetividades, imaturo!!!! deixa o barco correr à deriva!!!!somente se cogita...mas NAO TOMA ATITUDE!!!!!!!

a china hokje é o pesadelo de todos os paises!!!!! sabias que na Italia, os chineses estão empregando os italianos????? como tb em Portugal, França, Alemanha, Espanha...etc..etc...(.ja postei este comentario....)

voltando a vaca fria, nao podemos NUNCA nos igualar à China, que tem estrutura economica/social DIFERENTE do resto do mundo!!!! Não é simples Alberto????

Hoje a economia brasileira funciona mais ou menos assim (corrijam-me se estiver errado):

Pelo lado do governo: por enquanto não me parece tão preocupados com questão da iminente desindustrialização que está sobrevindo ao país, pois todos os anos, assim como os bancos batem recordes de lucratividade em nosso país (haja visto que os bancos de outros países são loucos para entrarem aqui no Brasil devido as altas taxas de juros que temos), o nosso governo bate recorde de arrecadação (impostos). E em se tratando de importação, é ele (o governo) quem recebe primeiro.

Pelo lado dos importadores: estão nadando de braçada, pois dominaram todo (ou quase todo. ainda restam algumas empresas nacionais que estão agonizando com a concorrência desleal já posta em todos os assuntos tecidos neste blog à este respeito) o mercado têxtil. Não importa se é produto acabado ou semi-acabado, o importante é vender (tenho um conhecido que tem uma estrutura muito grande em determinada região do nosso país, e que quintuplicou - se não mais do que isso - seu negócio quando montou uma estrutura na china. Hoje ele não fala mais em trazer somente tecidos, mas está vislumbrando um negócio muito maior, pois conheceu muitos outros produtores chineses de bicicletas - com pedal e motorizadas -, móveis para escritório e residências, produtos de papelaria, pneus - bicicletas, motos, carros, caminhões, tratores, empilhadeiras - entre outros). Resumindo a questão dos importadores, os mesmos estão dispostos a trazer tudo aquilo que encontre comprador. Não importa o setor, o que importa é vender e gerar riquezas para o seu próprio bolso.

Pelo lado dos representantes (esta é a minha praia - ou era - acho que desaprendi a fazer isso): quanto a questão dos representantes, a coisa é mais ou menos parecida com os importadores, principalmente quanto à minha última frase no quesito anterior (o importante é vender e ficar rico). E hoje, tenho certeza, Sr. Alberto, que o senhor nunca vendeu tanto tecido em sua vida. Meus sinceros parabéns (sem ironia alguma da minha parte)....

 

Hoje o consumo ainda está aquecido, porém superficialmente, ou seja, as grandes redes de varejos, aliados aos bancos, vendem seus produtos (não tão baratos assim em relação ao preços que compram lá fora), e financiam aos conumidores com prazos bastante elásticos, porém com juros embutidos nestes preços - sem contar que o governo está ganhando uma graninha a mais com o IOF desses financiamentos (as pequenas lojas de bairro, ou mesmo de centro, estão se acabando, pois as grandes redes estão esmagando-as). Assim como bancos de todos os países, muitas redes de varejos de outros países não pensam em outra coisa do que entrar aqui no Brasil, vislumbradas por esse consumo, o que já não está acontecendo na Europa e EUA (o $$$$ lá, em muitos lugares já acabou, como os Sr's mesmos podem ver; em outros estão por acabar).

 

Diante deste cenário que vivemos, temos 2 correntes:

1) tanto os bancos quantos as grandes redes de varejo continuarão a financiar o consumo e o cidadão brasileiro continuará saldando seus compromissos advindos desse consumo e tudo correrá perfeitamente as mil maravilhas (o povo contente por poder comprar; o varejo contente por poder vender, os bancos contentes por aumentarem seus lucros e, por conseguinte, o governo contente mais ainda por poder bater recordes de arrecadação como o tem feito);

2) fato é que, com a entrada macissa de produtos advindos da Ásia (não somente têxtil), a industria nacional já está agonizando em certos setores (se é por incompetência, por má administração, pelo fato de não tratarem bem o seu mais precioso bem - o cliente - isso não importa neste momento) e outras estão por entrar nessa situação. Nesse caso devemos ter em mente onde alocar todo o material humano (se é mão de obra qualificada ou não, isso também não importa nesse momento), pois as industrias de muitos setores irão desempregar em massa. Será que o comércio conseguirá alocar (ou absorver) toda esta massa advinda da indústria? Não tenho tanta certeza assim. Poderá ser que, em alguns poucos casos, alguns conseguirão alocar-se na construção civil, caso o nosso governo comece a barrar a entrada de haitianos que estão entrando em massa no Brasil (os bolivianos já são uma realidade), caso contrário, até a construção civil irá desempregar por consequência de uma mão de obra barata, igualmente importada de outros países.

 

Conclusão: tomara que essa minha visão seja bastante pessimista e, neste momento, esteja delirando (pode ser possível), caso contrário, meus amados e queridos amigos deste tão importante blog, toda essa conta terá seu efeito contrário, pois se não tiver emprego, não terá renda; se não tiver renda, não terá consumo (sem dizer que não conseguirão saldar seus débitos de financiamentos sobre compras passadas); se não tive consumo, não se terá arrecadação e, muito menos, riquezas.

 

Os EUA não estão voltando a industrializar o seu país pq não é mais interessante se produzir na China Sr. Alberto (e permita-me discordar mais uma vez da sua visão), mas sim pq, visto o estado em que se encontra a Europa, e a recessão que os assolam neste momento (EUA), perceberam o grande tiro no pé que deram, e entenderam que a industria é muito importante como geradora de emprego e renda (talvez a mais importante). E ainda bem que conseguiram enxergar a tempo, para que se não chegasse ao nível da situação caótica em que se encontra a Europa. Permita-me  excluir a Alemanha dessa situação pois, esses sim, são modelos à serem seguidos (tirando a cagada do Hitler, é claro - rsrsrs).

 

Sendo só para o momento, ofereço à todos um grande e forte abraço, e um ótimo final de semana!!!

 

Edson Machado

EDSON MACHADO


parabéns ...com tranquilidade vc simplesmente acertou na mosca ao descrever a real situação!!!! realmente os importadores ( viva Jonatan de abitex ....dentre MIL outros ) pressionam o governo alegando que teremos inflação, que o consumidor terá produtos mais caros..etc...etc....mas NUNCA PENSAM E NAO ESTÃO PREOCUPADOS COM O FUTURO DO BRASIL!!!! OU SEJA: NAO EXISTE COMPROMETIMENTO SOCIAL E TB NAO HÁ PREOCUPAÇÃO EM CONTINUIDADE POIS JÁ ENCHERAM O BOLSO!!!!     NA REALIDADE SÃO NOCIVOS , É UM CANGRO QUE RECEBE ESTIMULO DO GOVERNO COM TOTAL ANUENCIA!!!!!!!!!  


É DESTA FORMA QUE O PAÍS  AFUNDA A CADA DIA!!!! SÃO IMORAIS!!!!!DESAFORADOS E DESCLASSIFICADOS!!!E OLHAM APENAS PARA O PROPRIO UMBIGO!!! LUCROS E + LUICROS DE IMEDIATO....E O GOVERNO SOMENTE OLHA O QUE RECOLHE!!!!! MAIS NADA!!!! CORJA DE INCOMPETENTES ....E VAMOS ( JA ESTAMOS ) PAGANDO UM ALTO PREÇO POR ISTO!!!!  QUE VAO TODOS PENTEAR MACACOS!!!!!! e na china!!!!....nao posso falar o que realmente desejo, pois tenho que manter disciplina para que nosso amigo Erivaldo nao me corte..r.s.rs...)


-importamos hoje em todos os setores!!! 


- em Fortaleza foi construido 2 shopping com tudo importado da china ( exceto pedra e cimento ...) desde louças sanitarias, fiação, conduites, tubulaçao , metais...etc...etc...

- iluminação....todos os tipos feito na china e importamos

- exportamos marmores e granito para a china, e eles exportam para o brasil!!!! nao dá para entender!!!

- importamos moveis da china!!!! todos os tipos!! escritorio, para casa...etc...etc..

- importamos tudo que é buxigancas!!! tudo ...tudo!!!!! em nome de consumidor ter produtos mais baratos..etc...etc.... e daí???

eu prefero inflação, povo trabalhando e consumindo....gerar renda, empregos etc...etc....do que nos tornar um pais sem nada!!! sem empresas!!! caramba todos sabem , e é histórico, que qualquer país em qualquer parte do mundo somente desenvolveu apos criação de empresas!!!! aprendemos isto no grupo escolar!!! cacete!!!! estamos sem oxigenio, e a cada dia nos tiram mais e mais!!!! temos que ter equidade!!!!!!!!!!!11para concorremos



Infelizmente a coisa tá mais feia do que eu pensava, pois do jeito e forma que os Membros do Forum estão tresloucados e desesperados, com agressões proximas do baixo calão.....a coisa tá feia mesma!!!

Mas não se preocupem não o Mantega e a Dilma estão achando é muita graça com tudo isso, pois enquanto muitos e tudo tá indo para o fundo do poço, eles estão comemorando os recordes de recolhimento dos impostos. Pois para eles não importa se os impostos vem da Industria ou do Comercio, o que importam é que venham.

O que eu também não entendo é que a região de Americana, elegeu Deputados Federal e Estadual(pai e filho) e ninguem, pelo que eu sei até agora, foram até eles reinvidicar alguma coisa ou será que eles também ja absorveram a idéia que não tem mais nada a se fazer....

Outra coisa que eu também estou começando a observar, que eu devo ser ou sou o unico representante internacional que existe no Brasil, que teve coragem de mostrar as falhas do setor textil ou talvez não tenha outros representantes, motivo pelo qual eu esteja tendo algum sucesso nos meus negocios internacionais.

Agora se as falhas que eu apontei não são de fatos verdadeiras, quem tem a verdade então? Os empresarios texteis brasileiros que estão sucumbindo ou os Empresarios do Pakistão, da India, do Egito, da China e alguns outros paisinhos da Asia que com muitas adversidades regionais estão com suas maquinas ocupadas pelos proximos 6o dias????

Para muitos que acham que os tecidos desembarcam aqui muito mais baratos, estão redondamente enganados, as diferenças existem sim, mas não são tudo isso que fazem parte dessa diferença, as diferenças estão nos seguintes critérios: EXCELENTE ATENDIMENTO POR PARTE DO FORNECEDOR NA PRÉ E PÓS VENDA, QUALIDADE, BOM GOSTO NAS PADRONAGENS, HONESTIDADE E TRANSPARENCIA DAS CONSTRUÇÕES DOS TECIDOS, EMBALAGENS, ETC...ETC....ETC..... e olha que eles estão do outro lado do mundo, com diferenças de fuso-horarios e mais algumas outras coisitas....

Se muita gente  continua importando, foi porque não encontrou e não esta encontrando isso aqui dentro do Brasil, que era o minimo que eles queriam.

O meu Avô ja falava, só existe traição no casamento, quando um dos dois é muito ruim de cama.......

 

Abraços a todos e esfriem a cabeça no Carnaval

Alberto.....vamos lá.....

Os membros deste blog, acredito que uma boa parte , nãos estão loucos desta forma como descreve...acredito sim  que estão todos ansiosos, ( talvez até desesperados...como eu por exemplo ) pois não se vê ATITUDES com sensatez, desde  governo, de associações...etc...etc... e nem de membros  deste próprio blog, como vc....que simplesmente por estarem levando vantagem financeira com a situação, não tem preocupação com NADA....pimenta nos olhos dos outros é refresco!!!!

Dizendo por mim...estou enraivado, por ver tanta desgraça que assola este país, e como brasileiro  é meu dever cívico e moral fazer algo!!! Assim como os demais brasileiros!!! Assim como vc tb !!!!

Alberto, não se pode pensar como político, e sim como cidadão, que deslumbra um futuro para o país!!! Todos nós somos responsáveis por “” FAZER A DIFERENÇA”””” ....não podemos passar nesta vida, simplesmente passando....e NÃO FAZER NADA para o próximo, para a sociedade..etc...etc....é um dever CIVICO E MORAL de todo ser humano!!! O que estamos deixando para nossos filhos/netos??? Eu gostaria que fossemos lembrados como a geração que fez algo em prol da nação que vivemos, e não como a geração que nada fez e contribuiu para acabar com as empresas no Brasil!!! Alberfto....nós temos que preparar o futuro para nossos filhos/netos...temos que brigar, lutar e atingir ideais e objetivos!!! Temos que ter metas...sermos estrategistas......da mesma forma que foram nossos antepassados....e evoluir sempre!!!!

- realmente Dilma e restante do governo....nao conseguem resolver nada!!! Não existe competência para isto, apesar de seguramente terem conhecimento dos problemas, pois estão apenas pensando no presente e NUNCA no futuro de 10 ou 20 anos!!!! os records de recolhimento de impostos acontecem apenas devido aos importados, porem lembre-se : o custo disto é muito caro e sobrará para as próximas gerações!!!! Portanto é pura irresponsabilidade da nossa parte nos eximirmos de nossos compromissos, não achas??? !!!

 

- a região de Americana realmente elegeu políticos que participam da Frente Parlamentar Textil Jose de Alencar; aliás neste blog temos Tb o deputado Zeca Dirceu !!!!  Porem nada diz....é pura promoção política...apenas marcar o nome para a próxima eleição!!! Vc sabe disto!!!não acredito em real interesse!!! .

Não vejo que estes políticos não acreditam que não resta mais nada a fazer....como eu e muitos aqui, no momento estamos apenas brigando para que  algo aconteça o mais urgente possível....como sou um pouco mais radical eu opto em PARAR O BRASIL...etc..etc...o resto vc conhece!!!

 

- vc não é o único representante internacional que existe no Brasil...etc...etc.....etc..etc...procure as falhas e graves em nosso sistema de governo o qual apoiou incondicionalmente a ganância de inúmeros empresários que optaram em fechar empresas e importar indiscriminadamente!!! Sem ponderação alguma!!!sem freios!!! Sem limites!!!( é logico que temos tb empresas que diminuem a cada dia sua produção e aumentam suas importaçoes...( é um porcesso  danoso para o futuro!!!)

Importar, desempregar  e gerando custo para a maquina governamental, QUE NÓS PAGAMOS POR ISTO!!!

- veja que vc e poucos estão ganhando $$$$$; sendo que as empresas estão perdendo tudo!!!! Vc consegue dimensionar o tamanho do problema que teremos dentro de pouco tempo??? A comoção social???A caca esta feita ...se não limparmos IMEDIATAMENTE vamos deixar que a rotação dos ventiladores aumente...e esparramar .........desempregados nao consomem....nao pagam tributos....aumenta a inadinplencia...caí a qualidade de vida....etc...etc....etc....

 

- acredito que sua preocupação seja perder o que está ganhando, assim como Jonatas da ABITEX, tradings, etc...etc........e outros empresários que direcionaram suas metas exclusivamente para importações...é uma forma fácil de ganhar $$$ sem muito esforço!!!e muitas ainda utilizando BNDS como capital de giro...etc..etc.... Mas até qdo???? E às custas de desemprego e mais desemprego???? Caramba....falta-lhe bom senso!!!!o que quer para o Brasil afinal????

 

- os países que se refere ...que estão com produção para os próximos 60 dias.....nao é realidade  eles não tem o que fazer!!!! Veja que com a crise internacional da Europa + USA......eles apenas miram no Brasil que ainda tem um potencial de compra para produtos com preços mais baixos!!!! E nós trouxas ainda compramos produtos asiáticos !!!!e achamos que estamos levando grandes vantagens!!!! Que tolice!!! Que burrice!!!que futuro temos?????

- com relação a preços, vou colocar novamente o que já foi postado em blogs anteriores:

A) um fio de chenille , independente de titulo, cru ou colorido, e conforme matéria prima varia de 4usd a 6 usd....somente para fazer o chenille de poliéster, o filamento custa em torno de R$ 11,00 !!!!! esta é apenas uma  diferença!!!!! .

B) um metro de chenille  de 200 g/m , custa importado ( jacquard ) entre 0,90 usd a 1,30 usd ( independente de materia prima...

Isto significa 1,30usd  x R$ 1,80 x 80% para importar( que é muito..)   que significa  o total de R$ 4,21 que tirando 18% de ICMS ( real dará em torno de 11% ) temos R$ 3,74 de custo final para ser vendido na base média  de R$ 6,00/metro, com um lucro de 30% sobre valor liquido de entrada.

c) se considerarmos que 1 kg de fio nos dará 5 mts de tecido, e que este fio entre a 6,00 usd , significa que teremos ao redor de no MAXIMO 1,2 usd/metro que multiplicado por R$ 1,80 e multiplicado por 60% de importação  e tirado 11% de ICMS , vamos ter o custo de fio na faixa de R$ 3,07/metro ( se for de viscose tinto e titulo Nm 6 ...)  a diferença de fio e produtos tinto e cru são centavos de usd....

te falo novamente : esta é apenas uma  diferença!!!!! .

 

d) um kg de fio Ne 2/2; 2/4 ; 2/8  até 2/24 custa nacionalizado já com desconto de ICMS  na faixa de R$ 3,80/kg....Sendo que o custo do algodão na china é o mesmo que do Brasil, apesar da china importar algodão do Brasil!!!! Não me pergunte como !!!!!mas acredito que vc deva ter a resposta!!!!DESCULPE MAS EU SOU BURRO!!!!!!

daí eles fazem um produto que leva 340 gramas deste fio...e vende para o Brasil, tal produto, na faixa de R$ 0,30 !!!!! cacete!!!!!   E se for de poliéster entra na faixa de o,5 usd já nacionalizado e descontado o ICMS.....ISTO É MILAGRE!!!!!

te falo novamente : esta é apenas uma  diferença!!!!!

 

- um porcelanato, custa em torno de ATÉ 2 usd/m quadrado...nao sei a nacionalização... esta é apenas uma  diferença!!!!!

- lâmpadas entram por míseros centavos.... esta é apenas uma  diferença!!!!!

- saiba que temos tradings no Brasil, que somente fazem importação com laudo da SGS e outras entidades, como Tb mantém um brasileiro morando na china, simplesmente para fazer inspeção e garantir o que vem para o Brasil!!!!e como tem que garantir o emprego acabam desenvolvendo normas de qualidade etc..etc...e mantém um fed back com a matriz no Brasil!!!!

Da mesma forma , tirando poucas  exceções, vejo todas as empresas MUITO PREOCUPADAS  em :

 

a)    com excelente atendimento ao cliente!!!tanto no pré e pós venda!!!!

b)   Com qualidade e  bom gosto na padronagem!!!

c)    Com excelente embalagem!!!!! Papel betuminado e sacaria plástica adequada!!!!

d)   Honestidade ...caramba vc nos chama de desonesto na cara dura????por favor...tenha a santa paciência!!!!vc não tem empresa ??? ou é apenas um representante bem sucedido??? ou será que todos os empresarios cresceram na base da desonestidade?????por favor.....nao diga abobrinhas!!!!

e)    e acima de tudo : CRIATIVIDADE!!!!! E MUITA!!!! Aliás não penas em criação, mas em custos!!!! Alberto não estamos neste país que vc está imaginando!!!! isto é lenda...estoria para boi dormir!!!! seja realista por favor!!!

E) lembra-se que antigamente se falava : “” fiz um negocio da china””????  pois é ......significa nada mais que fazer um negocio com excelente custo para auferir altos ganhos!!!por isto vc é um representante internacional bem sucedido, graças aos “”””negócios da china!!!”””””  

f) se muita gente importa é pela facilidade de ganhar $$$ rapidamente, porem não são empreendedores...não são empresários de verdade....SÃO APENAS MEROS OPORTUNISTAS!!!! IMPRESTAVEIS AO BRASIL!!!!!!!!! POIS QDO APERTAR SIMPLESMENTE CAEM FORA DO RAMO, ALIÁS ...MUITOS JÁ ESTÃO FAZENDO ISTO!!!!

 

Alberto....o que seu avô falava....pense bem....denota o caráter deformado e a pura ignorância da época....onde as mulheres não tinham “”direitos””.....somente os “”homens””....e a a titulo de curiosidade : estes são seus valores de criação???? É isto que ensina para seus filhos, filhas e netos????é este o exemplo a ser seguido???

 

Alberto, meu objetivo não é ofender e Tb não quero distorcer o assunto, ....mas a escala de valores de moral, ética, família, civismo, patriotismo, preocupação com o bem estar do próximo, e com a NAÇAO...etc,....etc....enfim..a escala de qualidade necessárias que norteiam uma sociedade é literalmente bíblico !!!!! e se por ventura fores ateu....é necessário  respeitar e seguir tal escala de valores.... onde a conduta e retidão é exigida pela nossa sociedade, não sendo privilegio em enaltecer quem as siga...!!!!

Alberto...faça sua parte...ajude a SALVAR ESTE BRASIL!!!!!

 adalberto

19 9764 7960

e-mail maxim_imp@terra.com.br

Verdade Sr Alberto. Os membros do fórum estão tresloucados e desesperados. São todos chorões e incompetentes.

Só há um membro risonho e feliz: Alberto Chiavoloni Jr, o rei da importação... da China e do Afeganistão!

Faz parte!

Este site já tem vasto material e conteúdo para quem quer entender um mínimo sobre a situação da cadeia têxtil, mas se ainda assim prefere ignorar tudo, paciência. A vida segue.

Isso já virou discussão de "sexo dos anjos" e não vale a pena.

Quanto aos deputados de Americana, mais uma vez o senhor está desinformado. Eles estiveram no lançamento do importômetro na ABIT e têm conhecimento da situação. Se não agem não é por desconhecimento.

Ocorre que vivemos em democracia e nesse regime às vezes a distância torna-se longa demais entre discussão e decisão. Por essa razão o governo autoritário da China foi classificado pelo Sergio Habib, presidente da JAC Motors do Brasil, como uma "vantagem competitiva", ou seja, um general do Partido Comunista manda e todo mundo sai voando para obedecer (e ai se não obedecer... vai pra guilhotina!).

O Adalberto postou mais um dos zilhões de vídeos que expõem um pouquinho da "exuberante economia chinesa". Um belo exemplo da "saúde e qualidade" de como o PIB chinês está sendo construído. Aproveite o carnaval e doe 15 minutos de sua vida para vê-lo. Segue o link: http://textileindustry.ning.com/profiles/blogs/a-bolha-chinesa

Oxalá o senhor encontre nele algum dos felizes chineses que entrevistou. Vê-se no vídeo que estão todos felizes! Impressiona a liberdade de expressão que têm.

Não esqueça do que mencionei anteriormente: Nada como um dia após o outro. Veremos se a economia chinesa da forma como está sendo conduzida é sustentável ao longo do tempo.

Em tempo: O vídeo não foi feito por brasileiros, muito menos americanense. Talvez por algum australiano incompetente e chorão.

Bom feriado a todos!

Sr. Alberto, mais uma matéria interessante para o senhor aproveitar o carnaval e ler:

Segue aqui apenas uma pequena parte de um texto fresquinho:

"De alguns anos para cá, as campanhas eleitorais nos Estados Unidos têm reverberado com uma série de slogans antichineses. A China é acusada de ter tirado milhões de empregos dos americanos e de ser, sob todos os pontos de vista, uma concorrente desleal. Citada por Fareed Zakaria na “Time” (28 de novembro de 2011), uma pesquisa recente da Pew indica que “mais da metade dos americanos veem o crescimento da China como uma coisa ruim para os Estados Unidos”.

Mas desta vez há um elemento novo: “Os meios empresariais, que costumam pedir por boas relações com a China, estão mudando de lado”. Zakaria escreve: “Depois do estado de deslumbramento em relação à China, os empresários americanos passaram para um estado de preocupação diante da política conduzida por Pequim- firmas chinesas privilegiadas em detrimento de outras, mercados públicos herméticos, recusa em respeitar a propriedade intelectual, dúvidas sobre a proteção dos investimentos estrangeiros, etc."

Veja a matéria completa no link: http://noticias.uol.com.br/midiaglobal/lemonde/2012/02/18/os-estado...

É... pelo jeito muitos deslumbrados americanos começaram a perder o deslumbramento com a China... ou será que a economia mais dinâmica e eficiente do planeta também é feita de chorões e incompetentes???

Mais uma dúvida: Quanto tempo durará o deslumbramento do sr. Alberto???

ALBERTO


mais uma bela matéria colocada por BARON !!!!  te passo mais informaçoes :

a) tenho um amigo americana, que vende maquinas chinesas....alias vivei na china por mais de 20 anos....e retornou para carolina do Norte, há cerca de 10 anos....sempre defendeu a china, seus preços etc...etc...

atualmente ele diz: me arrependo de ter contribuido para a destruição de meu país!!! apesar de vender maquinas chinesas pelo mundo inteiro, inclusive no Brasil, continuando diz :  vejo que a falta de informaçoes e o descaso do governo, fez com que as industrias se acabassem!!!! mas vamos mudar isto!!!! ( e realmente estão mudando a custos altissimos!!! saiba Alberto que de tudo que os USA importam, em torno de 40% vem da china???? me corrija Sam se estiver errado!!!! 

tenho um amigo que trabalha em uma trading brasileira , e mora na china....ele me disse em janeiro de 2011 : """ se o Brasil não tiver politica para importação, dentre outras .....simplesmente o Brasil está quebrado ...e ninguem sabe disto ainda""" ele ficou sem ir para a china por 5 anos!!! e qdo retornou em 2011 encontrou uma china totalmente diferente!!!!! evoluida...crescida....com investimentos pesados em construção civil e empresas!!!! nao se sabe o milagre chines!!! e nem até onde vai!!!! lembre-se do video postado recentemente....

ainda me diz, que mudou-se para um conjunto home work....com 600 apartamentos, predio de 6 andares, com garagens,  etc..etc....estes conjuntos é destinado a tradings !!!!  vc mora no apartamento e existe uma porta que serve de passagem para um escritorio de trabalho....e assim como estes, tem inumeros em construção!!!! e o governo vende ou pode loca-lo  e se for o caso, apenas vc utiliza para fazer negocios!!! oui seja para captar e exportar!!!!  ISTO É UMA DIFERENÇA!!!!!OU NÃO???????????


Alberto...qdo vem um turista no Brasil, mostramos apenas coisas bonitas...nunca vamos lhe mostrar favelas!!!! qualquer estrangeiro quer morar no Brasil...pois considera a terra das oportuni9dades!!!! é a terra onde se pode ficar RICO !!!!!!!!!!!!!!!1portanto...acho que vc viu apenas este lado que lhe foi mostrado na china!!!!  este amigo que está morando na china, me fala da miséria que lá existe!!! e que é simplesmente INCOMPARAVEL COM A DO BRASIL!!!

diz também...que o chines sem trabalho, seja qual for, literalmente fica louco, pois o governo NAO O SUSTENTA

COM BOLSA FAMILIA, BOLSA LEITE, BOLSA GÁS, BOLSA ESCOLA, BOLSA S E MAIS BOLSAS....


VC SABE QUE A MAIOR PREOCUPAÇÃO DO GOVERNO CHINES É MANTER O POVO SATISFEITO, OU SEJA : ALIMENTAÇÃO, ESCOLA E SAUDE!!!!! É DESTA FORMA QUE PODE PERMANECER O PODERR DO COMUNISMO!!!! PORTANTO FAZEM VERDADEIROS MILAGRES!!! VIVEM UMA SITUAÇÃO IRREAL!!!!


Alberto....pesquise, converse e indague chineses que estão no Brasil há pouco tempo....e vais ouvir : aqui se trabalha menos e se ganha mais.....nao vai longe, veja em americana o ZOW , chines que veio para acompanhar as operaçoes da FAMA, como trading....acabou ficando no Brasil, naturalizou-se, mora no final da av Brasil em um excelente apartamento, etc..etc... e diz que para a China nao mais voltará, pois aqui conseguiu o que lá nunca conseguiria em toda a sua vida!!!! muitos aqui o conhecem!!! alias é um grande picareta!!!! e ganha muito $$$$$$ assim como vc está ganhando!!!! às custas da degradação e sucateamenteo das empresas brasileiras, com a diminuição de postos de trabalho...etc...etc....isto NAO É JUSTIÇA SOCIAL!!!!!!

vc opta por isto....desculpe mas é irresponsavel!!!sua contribuição para este país é somente esta!!!!!$$$ no bolso seu...o resto que se dane!!!!

te informo quie nao precisamos de ""falsos brasileiros"" aqui neste país , que pensam e agemm desta forma!!!!! e com a anuência do governo!!! agora Alberto ...faça a sua parte e diga NAO PARA IMPORTAÇOES!!!!! SEJA BRASILEIRO DE FATO!!!!!!!!!!!!!!1 OU VÁ PENTEAR MACACOS NA CHINA!!!!


ADALBERTO

MAXIM_IMP@TERRA.COM.BR

TEL 19 9764 7960

Responder à discussão

RSS

© 2022   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço