Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano X

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano X

A opção por pulverizar as vendas protege as indústrias do polo de moda de Ubá, cidade da Zona da Mata de Minas Gerais, da concorrência dos produtos chineses. O principal mercado das confecções mineiras são as lojas pequenas e médias do interior do Rio de Janeiro, Minas, Espírito Santo e Bahia, enquanto os chineses têm como alvo os grandes varejistas.

"A venda pulverizada, feita principalmente por representantes das indústrias de móveis e sacoleiras, garantiu o desenvolvimento do polo, aliado à questão da qualidade e exclusividade da moda casual", diz a analista do Sebrae-MG e gestora do polo, Eliane Rosignoli de Oliveira. A expectativa é que as 545 empresas instaladas nos 12 municípios do polo tenham um faturamento superior ao alcançado em 2010, de R$ 60 milhões. Elas oferecem 5,3 mil empregos diretos e 5 mil indiretos.

Os empresários Matheus Brasileiro e Rafael Mosqueira entraram no negócio em função de questões ambientais. "A ideologia foi o que mais pesou quando resolvemos abrir a Orgânica Eco ", diz Brasileiro. Ele deixou, no ano passado, um emprego de designer gráfico para produzir cerca de 500 camisetas masculinas por mês, com mensagens sobre o meio ambiente, entre outras. O tecido é fabricado com 50% de algodão e 50% de poliéster feito com garrafas PET recicladas.

A receita mensal da Orgânica Eco gira em torno de R$ 15 mil. "Investimos R$ 20 mil", afirma o empresário. "Fazemos mostruário e atendemos os pedidos por meio das sacoleiras que atuam na Zona da Mata mineira", acrescenta. Como a maioria das confecções da região, a produção é pelo sistema de facção, com os empregados trabalhando em suas residências.

Cristiano Motta abandonou um curso técnico para abrir a empresa de silk-screen em Tocantins. "Aprendi estamparia em casa, com a tia Rosana. Resolvi abrir a Dynamic Designer com tia Helena, que tem boas noções de estamparia", diz. A Dynamic Designer desenvolve e confecciona as estampas de acordo com os pedidos dos clientes. "Ofereço também estampas únicas, personalizadas e exclusivas", afirma.

A Dynamic produz cerca de 1,5 mil metros lineares com estampas diversas e mantém a estamparia com silk-screen para roupas prontas. Este ano, fez um empréstimo de R$ 200 mil no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para comprar equipamentos que vai possibilitar o uso de tecido sintético. Com isso, o número de empregados cresceu, passando de 12 para 19 pessoas. "Vamos dobrar nosso faturamento anual que, em 2011, deve ficar em torno de R$ 500 mil.

A professora de português Eunice Romanholi Menezes deixou a profissão no início da década. Procurou o Sebrae-MG e, após quatro planos de negócios, optou pela confecção. "Em sociedade com meu marido, João Paulo Romanholi, abrirmos a Tilabela em 2006, de moda feminina casual." O casal investiu aproximadamente R$ 60 mil e começou a produzir com um empregado - hoje tem 22 empregados diretos e 30 indiretos, pelo sistema de facção.

Nos últimos dois anos, o crescimento da Tilabela foi superior ao planejado para cinco anos. Em 2010, foram produzidas 10 mil peças. Este ano, até julho, a produção alcançou 12 mil peças. Atendendo lojas do interior do Rio de Janeiro, Espírito Santo e Bahia, além de Minas Gerais, a Tilabela teve receita de R$ 400 mil no ano passado. Para 2011, a expectativa é de pelo menos triplicar esse valor.

Antônio Celso de Freitas, da Soutache Guimarães Confecções, era representante da indústrias de móveis. "Como minha esposa trabalhava com confecção, começamos a produzir itens de mesa, cama e banho. Trabalhamos um ano na informalidade e, em 1999, entramos no mercado formal", afirma. Com 12 empregados que fabricam cerca de 300 itens, duas lojas próprias em Ubá e dezenas de sacoleiras que vendem os produtos no Sul de Minas Gerais, a expectativa da Soutache Guimarães é de faturar R$ 2 milhões este ano.

Fonte:|http://www.valor.com.br/impresso/empresas/sacoleira-arma-contra-chi...

Exibições: 591

Responder esta

Respostas a este tópico

A grande maioria das sacoleiras compram indiretamente da China.

As que vao para o Paraguai, em sua totalidade o fazem. SdM

Estou contigo e não abro Sam um grande abraço

Jota

O Jota Guimares bate pano e faz confeccao em Santa Catarina. E um amigo, brasileiro patriota e, junto com a sua esposa Heloisa, engajados no Brasil - desde universitarios em Sao Paulo.  Eu sei que as coisas nao estao favoraveis no momento em suas firmas. E nao ha sacoleiras comprando por la... Como disse, a maioria deles, compra mesmo e na NOTA DOIS ou sem a mesma - e o dumping Chines e embativel. Que tem olhos que veja. Quem tem ouviod que ouca. Que tem discernimento que pense, analize e clame por todos nos. SdM
NAO SOU CONTRA A SACOLAGEM: Mas que seje a sacolagem de NOSSOS  produtos. A proposito, em outro vies, grando falo de "Cachorro Grande" nas Minas, na Politica, no "Pudeh" e no Petrolio, as bocas de fecham. Dou nomes "aos bois" tranquilo. Hoje as tres da madrugada (records telefonicos irao substanciar o dito) recebi uma outra chamadinha de voz "cavernosa". Mandei a voz a "pqp" e pedi ao portador dela: "Se tu fores macho mesmo, va em frente e acabes com esse sofrimento de vendas pelo qual venho passando. Do contrario enfie a sua arma num lugar onde a luz solar nunca chega (falei o nomo del chiquito) e acabe com a SUA  miseria". E querem saber? Deixe o bambu gemer. Quem tem medo de vistar a latrina, que nao coma! SdM 
Mais notícias sobre FACÇÃO. Polos industriais, facções "em casa". Quando nossa justiça deixará de ser hipócrita e admitir este tipo de fonte de renda? Esta é a realidade do trabalho de confecção hoje. Com certeza, nestes trabalhos, há jovens adolescentes ajudando seus familiares. Isto não é e nunca foi uma violência contra crianças, tanpouco trabalho escravo, por não existir salário determinado. São famílias lutando para obter um ganho maior que o salário mínimo, sem des contos de tributos que vão direto para os bolsos de políticos desonestos. (desculpem o pleonasmo).

Responder à discussão

RSS

© 2017   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço