Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Por Julia Picoli
Docente no curso de Moda da Feevale e consultora de produto de Moda


Nós, criadores, devemos estar sempre nos reinventando. Devemos sempre nos cercar de recursos que possam nos auxiliar na construção de produtos diferenciados. A utilização dos princípios do design pode nos auxiliar neste processo, possibilitando ter ideias diferentes e pensar que efeitos queremos nas nossas peças e como queremos que o consumidor enxergue as mesmas.

O design possui alguns princípios utilizados para comunicar uma mensagem. A maneira como usamos estes princípios define a estrutura do nosso trabalho e direciona o olhar do consumidor, além de ajudar a transmitir a mensagem que estamos tentando comunicar. Todos os princípios do design podem ser aplicados a qualquer projeto, inclusive em projetos de moda, para criação de roupas, bolsas e acessórios. Não existe uma maneira correta de aplicar cada princípio, devemos explorá-los ao máximo. Abaixo vou explicar o que são esses princípios e mostrar alguns exemplos de utilização deles no vestuário.

1. Repetição: A repetição pode ser regular ou irregular, pode estar presente no look em detalhes, nas estampas, aviamentos, nos elementos de estilo. Nas imagens A e B percebemos na gola o detalhe de repetição regular, na imagem C a repetição é irregular. Nos exemplos D e F os babados aumentam de maneira regular, assim como as flores aplicadas no vestido na imagem E.

Fonte: Reprodução


2. Ritmo: A repetição em padrão elaborado, deve ser regular, na estrutura do look ou na estampa. Na figura A o padrão de repetição são listras de diferentes formas, na B a textura que são favos repetidos uniformemente. A imagem C nos mostra a repetição na estampa, na D os botões fazem a repetição uniforme.

Fonte: Reprodução


3. Gradação: Um padrão que aumenta ou diminui em relação ao anterior sequencialmente. Pode ser visto em detalhes, aviamentos, estampas e bordados. Na imagem A e B os detalhes (padrão) são dispostos do maior para o menor e a imagem C as pétalas da flor também aumentam de tamanho. As saias do exemplo D apresentam babados que vão do menor para o maior, assim como o detalhe da manga da imagem E.

Fonte: Reprodução


4. Radiação: Uso de linhas que saem de um eixo ou ponto central para direções diferentes. Nos modelos abaixo notamos diferentes tipos de drapeados e franzidos que são exemplos de radiação.

Fonte: Reprodução


5. Contraste: Um dos mais úteis princípios de criação. Faz com que o olhar humano reavalie a importância de uma área focal em relação a outra. Pode ser extremo ou sútil, em tecido (textura, opacidade) ou cores. No exemplo conseguimos perceber o contraste de cores e materiais. Na imagens A e B temos contraste de texturas e matérias primas, assim como o contrate de cores.

Fonte: Reprodução


6. Harmonia: Diz respeito à disposição formal bem harmoniosa no todo ou entre partes de um todo. Pela similaridade ou semelhança. Todo conjunto deve ter formas, cores e texturas que se relacionam e se interagem como justaposição, ton-sur-ton, texturas parecidas. Na imagem A percebe-se a harmonia nas formas e cores das peças. Na B ton-sur-ton de diferentes tipos.

Fonte: Reprodução


7. Equilíbrio: É a distribuição do peso e importância visual dos elementos do design, resultando em equilíbrio visual, simetria, espelhamento. Equilíbrio é um sentido de igualdade visual numa forma, figura, valor, cor, etc. O equilíbrio pode ser simétrico ou uniformemente equilibrado ou assimétrico ou não uniformemente equilibrado. Objetos, valores, cores, texturas, formas, figuras, etc., podem ser usados para criar um equilíbrio numa composição. No exemplo A percebe-se a igualdade das formas usando a simetria e no B a assimetria, o desequilíbrio do uso de diferentes materiais.


Fonte: Reprodução


8. Proporção: Diz respeito a maneira como comparamos cada uma das partes em relação ao todo no design de uma peça. Ex.: os aviamentos em relação ao look. A proporção descreve o tamanho, posição ou quantidade de uma coisa comparada a outra. Na imagem A conseguimos perceber o uso de tamanhos exagerados, ou seja, a desproporção nas peças, já na B as pecas são proporcionais.


Fonte: Reprodução


9. Sensação corporal: A roupa não é uma experiência apenas visual, mas também tátil, sensorial. No exemplo A termos diferentes texturas, com fios e tramas e no B os tecidos são trabalhos formando texturas.


Fonte: Reprodução


Bacana, né? Agora é só explorar os princípios do design e aplicá-los em nossos projetos visando sempre a criação de produtos bacanas e diferenciados.

 Por Julia Picoli
Docente no curso de Moda da Feevale e consultora de produto de Moda

Exibições: 1245

Responder esta

Respostas a este tópico

   Muito bom.

 Valeu a aula . Grata Re

Oito dicas claras, simples, directas e fáceis de apreender. Um post muito útil para quem está na criação de moda. Parabéns Júlia, muito bom.

ótimas dicas que devem ser exploradas!!!!

   Bacana, né? Agora é só explorar os princípios do design e aplicá-los em nossos projetos visando sempre a criação de produtos bacanas e diferenciados.

Responder à discussão

RSS

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço