Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI

ABIT Discute Influência da China no Setor Têxtil Brasileiro

Combate a importações irregulares e redução de tributos melhorariam competitividade nacional

Uma das maiores potências mundiais quando se fala em exportações, a China representa uma forte concorrente, sobretudo para as empresas brasileiras do setor têxtil. Uma das palestras mais aguardadas da Expoboné trouxe informações precisas sobre a influência da China sobre o setor têxtil brasileiro. Proferida pelo consultor da Associação Brasileira de Indústria Têxtil (ABIT), Renato Jardim, a apresentação traçou o perfil do potencial da China, como grande exportadora do setor têxtil no mundo, e mostrou quais medidas poderiam ser adotadas para fortalecer a indústria têxtil nacional.

Segundo Renato Jardim, a China vem aumentando de forma consistente suas vendas para o Brasil, o que tem provocado grande impacto sobre a atividade do setor e também sobre a geração de empregos. Para Renato Jardim, além da mão de obra barata, outros fatores implicam na superioridade chinesa no setor têxtil sobre o resto do mundo. É o caso do câmbio, mantido desvalorizado pelo governo para manter as empresas competitivas no mercado externo e os subsídios do governo chinês concedidos às empresas daquele país. Segundo o consultor da ABIT, a China encara a indústria têxtil e de confecção como estratégica para a geração de emprego e renda naquele país.

Em 2010, o Brasil importou mais de 2 bilhões de dólares em produtos têxteis e confeccionados da China. "E praticamente não exportamos nada para lá. A não ser alguma coisa de matéria prima, como fibra de algodão", ressaltou. Dentre as estratégias que poderiam ser adotadas pelo Brasil para minimizar a influência da China, Renato Jardim cita a adoção de agendas externas e internas. A ideia seria combater a importação irregular e desleal, como forma de proteção à entrada de mercadorias chinesas no Brasil. Na agenda interna, a proposta seria fortalecer a empresa de confecção com a criação de novas linhas de financiamento, diminuição dos tributos e maiores investimentos com a finalidade de abrir mais frentes de trabalho.

Fonte:|http://portalmercadoaberto.com.br/noticias-det?noticia=6108

Exibições: 197

Responder esta

© 2024   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço