Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Acordo entre Mercosul e União Europeia é o mais importante da história do país, diz CNI

Tratado reúne um PIB de US$ 19 trilhões e um mercado de 750 milhões de pessoas, com US$ 101,6 bilhões de comércio bilateral e impacto significativo para a indústria brasileira.

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) considera o acordo entre Mercosul e União Europeia o mais importante acordo de livre comércio que o Brasil já firmou. O tratado abre o mercado europeu para bens agrícolas industriais e prestadores de serviços brasileiros. Assim que for internalizado, os produtos nacionais passarão a ter acesso preferencial a 25% do comércio do mundo com isenção ou redução do imposto de importação. Atualmente, eles só entram, nessas condições, em 8% dos mercados internacionais.

O acordo reduz, por exemplo, de 17% para zero as tarifas de importação de produtos brasileiros como calçados e aumenta a competitividade de bens industriais em setores como têxtil, químicos, autopeças, madeireiro e aeronáutico. De acordo com estudo da CNI, dos 1.101 produtos que o Brasil tem condições de exportar para a União Europeia, 68% enfrentam tarifas de importação ou quotas. Além disso, dados da indústria mostram que o agronegócio consome R$ 300 milhões em bens industrializados no Brasil para cada R$ 1 bilhão exportado.

“Esse acordo pode representar o passaporte para o Brasil entrar na liga das grandes economias do comércio internacional. Cria novas oportunidades de exportação devido à redução de tarifas europeias, ao mesmo tempo que abre o mercado brasileiro para produtos e serviços europeus, o que exigirá do Brasil aprofundamento das reformas domésticas. O importante é que essa mudança será gradual, mesmo assim as empresas devem começar a se adaptar a essa nova realidade”, diz o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade.

Para os países do Mercosul, Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, o acordo prevê um período de mais de uma década de redução de tarifas para produtos mais sensíveis à competitividade da indústria europeia. No caso europeu, a maior parte do imposto de importação será zerada tão logo o tratado entre em vigor. O acordo cobre 90% do comércio entre os blocos.

Os dois blocos formarão uma área de livre comércio que soma US$ 19 trilhões em Produto Interno Bruto (PIB) e um mercado de 750 milhões de pessoas. A depender do movimento europeu de abertura de seu mercado agrícola, o acordo pode agregar US$ 9,9 bilhões às exportações do Brasil para a União Europeia, segundo cálculos da CNI. Um aumento de 23,6% em dez anos, com potencial de gerar 778,4 mil empregos.

Na avaliação da indústria, esse aumento nas exportações não é trivial. Entre 2012 e 2016, as exportações brasileiras para os europeus caíram de US$ 49,1 bilhões para US$ 33,4 bilhões. Registrou leve recuperação em 2017 e encerrou 2018 em US$ 42,1 bilhões. Desse total, 56% foram de bens industrializados. 

Por: Adriana Nicacio

Da Agência CNI de Notícias

https://noticias.portaldaindustria.com.br/noticias/internacional/ac...

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - CLIQUE AQUI

Exibições: 350

Responder esta

Respostas a este tópico

Mas pergunto eu, com a pouca polidez, no minimo falta de diplomacia, dizendo que Macron e Merkel podem aprender com o sistema de proteção ambiental do Brasil absolutamente não condiz com o que o CNI almeja. O “aproach” que será sim muito benéfico Mercosul/União Europeia isso ninguém discute. Mas a forma de fazê-lo é que questiono. Temos que ter atitudes mais diplomáticas e de mútua colaboração no sentido de asfaltar caminhos e afastar divergências para não entrar em rota de choque que não nos trará nenhum resultado.

Observe que no texto da reportagem diz: "ao mesmo tempo que abre o mercado brasileiro para produtos e serviços europeus, o que exigirá do Brasil aprofundamento das reformas domésticas." - Os europeus sabem o que estão fazendo. São senhores do sistema capitalista, eles foram o seu berço, eles o desenvolveram, eles o monetizaram e eles o adequaram à financeirização. Para minha percepção, no trecho da reportagem que destaquei está o ponto de inflexão desse acordo. Ainda mais com um parque industrial defasado como temos.

Responder à discussão

RSS

© 2019   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço