Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Alerta: Setor de Vestuário está na UTI da Economia

E com ele 30 mil empresas e 1,3 milhão de trabalhadores correm risco de “desaparecerem”

Ouve-se, hoje em dia, que a economia está ?aquecida?; que grandes investimentos são feitos; o presidente Lula inaugurando fábricas por todos os cantos do país… E eu fico me perguntando: Será que eu moro nesse mesmo país??

Porém no setor do vestuário o que ouço é sempre bem diferente dessa ?realidade? citada acima. Pergunto-me: por que será? Qual a diferença entre nosso setor da economia e os outros? Por que tantos setores recebem incentivos governamentais com tanta facilidade e nós estamos sempre com o ?chapéu na mão??

Acho que descobri a resposta: É o custo de uma máquina de costura.

?Como assim??, devem estar se perguntando. A resposta é simples.

O nosso setor é conhecido como ?o das máquinas de costura?. Ou seja, dependemos de uma máquina que é supostamente de baixo custo. Afinal muitas mulheres possuem uma em casa.

E daí deve estar se perguntando. O que os governos e a imprensa gostam de ouvir são valores de investimento que cada setor colabora no ?bolo da economia?. Querem saber quando se inaugura ou moderniza uma fábrica, qual foi o montante de papel moeda investido, etc., etc., e etc.

Perto de cifras monstruosas de investimento que ouvimos toda hora, o custo para montagem de uma fábrica de confecção é insignificante. Com isto estamos sempre em segundo plano. Somos tratados como um setor de ?segunda classe?.

Esquecem que nossos grandes investimentos são milhares de empregos emprego gerados. Que cada máquina de costura depende de um operador, uma costureira. Somos o segundo maior empregador do País e o primeiro em empregos para mulheres. Portanto as nossas cifras monstruosas de investimento não são em papel moeda e sim em seres humanos.

Mas o que me estranha, e assusta, é que este fato não soa tão importante aos ouvidos dos governos estadual e federal ? exceto, é claro, nos períodos eleitorais.

Mas, onde entra a máquina de costura nesta história? É simples. O processo que vemos no governo é tão esdrúxulo e descabido que a proposta vai de encontro a essa linha: Vamos pleitear junto aos fabricantes das máquinas de costura que passem a cobrar milhões cada uma delas e que uma costureira possa operar sozinha diversas máquinas. Com isto, a montagem de uma fábrica passará a ter um custo elevadíssimo (que os governos chamam de investimento) e passaremos então a ser considerados empresas de primeira classe.

E os empregos, perguntariam?

Bom, isto será problema de outro.

Hellooooo, governos. O setor de vestuário está na UTI. Não temos tempo para fóruns de discussão. Precisamos de uma junta médica que possa tomar medidas urgentes para salvar o paciente: as 30 mil fábricas que empregam 1,3 milhão brasileiros.


E para você leitor, empresário da Cadeia Têxtil, vamos gritar juntos para que o governo estadual nos ouça e perceba, antes que seja tarde demais, que estamos lutando contra duas ?Chinas?

http://sindivestuario.org.br/2008/10/alerta-o-setor-do-vestuario-es...

Postado por: admin 08/10/2008 em A Palavara do Vestuario

Exibições: 1124

Responder esta

Respostas a este tópico

EU DISCORDO DE VOCE, NOSSO SETOR NAO E RESPEITADO PORQUE TODA VIDA FOI DESUNIDO, CADA UM SO PROCURA BENEFICIO PRA SI MESMO, E ARRUMADINHO AQUI ARRUMADINHO ALI E AGORA ESTA QUEBRANDO PORQUE O PODER MUDOU DE MAO E AI OS VELHOS ESQUEMAS DESAPARECERAM POR ISTO QUE QUEBRA UM TODO DIA, SE QUISEREM SALVAR O SETOR SE UNAM E ESQUEÇAM DE ARRUMADO, MAS FICAR UM PUXANDO PARA UM LADO E OUTRO PUXANDO PRO OUTRO, NAO DAR OUTRA QUEBRA, AO INVES DE FICAR LENDO A VEJA E VOMITANDO AQUELAS PORCARIAS, VA OLHAR PORQUE O PAIS ESTA MUDANDO E O QUE TEM DE BOM ACONTECENDO, POIS UM PAIS QUE TIROU A QUANTIDADE PESSOAS DA LINHA DE POBREZA, CRIOU UMA CLASSE C (A MAIOR QUE TEM),QUE PODE CONSUMIR MILHOES TODO DIA, DEVE TER UM GOVERNO QUE ESTA FAZENDO ALGUMA COISA CERTA.

Boa noite, tudo é questão de opinião e experiência vivida de cada um sobre o assunto abordado. Eu por exemplo discordo da Francisca (mas respeito o seu ponto de vista) e concordo plenamente com a reportagem em questão, não dá mais tempo para discutir agora quem nasceu primeiro o ovo ou a galinha o fato é um só" Estamos sim na UTI " e nesse momento só o nosso Governo pode auxiliar o setor.
Parabéns ao Editor.
Pedro Aruto

Boa-noite!

Respeito as opiniões aqui postadas, mas concordo com a reportagem e com a colação do Sr. Pedro Aruto. Eu sou apolítico e não sou filiado a nenhum partido político, quem me conhece, os alunos das Universidades e Escolas Técnicas em que lecionei, sabe do que estou falando, porém, no início do Governo Lula, nosso setor têxtil/vestuário foi colocado como moeda de troca junto a China nas transações comerciais, isto é fato concreto e comprovado, para vendermos mais produtos da agro-pecuária, principalmente soja e frango, a eles, abrimos as portas, as janelas e as porteiras para a entrada de têxteis, vestuário e calçados. Política esta que vem se perpetuando nos demais Governos Federias.

Até entendo as negociações internacionais, mas o que não dá para entender é um Governo abrir mão de um setor industrial responsável por 17% dos empregos do setor industrial, se não for muita ingenuidade, é muita burrice.

concordo om vc ,as empresar têxtil que estão quebrando, não tem organização, planejamento, investimentos, em mão de obra, investimento em venda, investimento em produção etc.......querem produzir, e vender para grupos grandes, e esquece que a venda tem que partir da procura...............se toda empresa tiver as suas lojas de atacado, não vão quebrar...........e fato, não sejam grandes, sejam igual um rio, devagar e sempre........
 
francisca gomes vieira disse:

EU DISCORDO DE VOCE, NOSSO SETOR NAO E RESPEITADO PORQUE TODA VIDA FOI DESUNIDO, CADA UM SO PROCURA BENEFICIO PRA SI MESMO, E ARRUMADINHO AQUI ARRUMADINHO ALI E AGORA ESTA QUEBRANDO PORQUE O PODER MUDOU DE MAO E AI OS VELHOS ESQUEMAS DESAPARECERAM POR ISTO QUE QUEBRA UM TODO DIA, SE QUISEREM SALVAR O SETOR SE UNAM E ESQUEÇAM DE ARRUMADO, MAS FICAR UM PUXANDO PARA UM LADO E OUTRO PUXANDO PRO OUTRO, NAO DAR OUTRA QUEBRA, AO INVES DE FICAR LENDO A VEJA E VOMITANDO AQUELAS PORCARIAS, VA OLHAR PORQUE O PAIS ESTA MUDANDO E O QUE TEM DE BOM ACONTECENDO, POIS UM PAIS QUE TIROU A QUANTIDADE PESSOAS DA LINHA DE POBREZA, CRIOU UMA CLASSE C (A MAIOR QUE TEM),QUE PODE CONSUMIR MILHOES TODO DIA, DEVE TER UM GOVERNO QUE ESTA FAZENDO ALGUMA COISA CERTA.

A china já começa a dar sinais de fraqueza em seus custos de produção. Vejamos qual será a solução a ser 

adotada por ela, dai então copiaremos. 

Respeitemos a opinião de cada um, porém, Dna Francisca deve ser alguma beneficiária dos programas assistencialistas governamentais. Essa tendência de "dar o peixe" vai ter uma cobrança muito séria e, tomara que eu esteja errado, 2015 será o ano da verdade. Nesse inicio de ano já projetei minhas metas, encolher, dispensar funcionários, cobrar "produtividade". O grande problema é que o funcionário brasileiro se tornou um "sem comprometimento" pelo que é contratado, afinal, a dispensa do emprego virou prêmio, ou seja, levantamento de FGTS, multa de FGTS, férias indenizadas, 1/3 de férias, seguro-desemprego e para finalizar, um processinho trabalhista risco zero...eheheeh...algum ele leva. Depois aparecem aqui os milagreiros de plantão que alardeiam que está tudo bem, está tudo bom.  Vamos acabar na m....., e tem mais, não vai dar pra todo mundo !!!!!

vc, esta errada.........a anos os trabalhadores lutam para sair da escravidão.........esta sentado 8 horas por dia sem erra os pesponto, a modelagem a produção...... merecem salários dignos,,,,, ,,luto para melhorar os salários....e importante, pagar o correto e justo,,,,,,,,o brasil esta correto, nos empresários só  queremos comer file ,salmão , carro do ano....vida boa....conta de telefone ultimo celular do ano, viagens ,etc...e no fim do ano os empregados lutando para ter um peru na mesa, e presentes para família.....e muito triste isso........salários  correto não esse miséria de 724, que nos gastamos numa saída.............ganhamos muito dinheiro....temos que dividir o bolo, com os fucionarios.....ai vamos vencer a china, ....
 
Claudio de Almeida Lima disse:

Respeitemos a opinião de cada um, porém, Dna Francisca deve ser alguma beneficiária dos programas assistencialistas governamentais. Essa tendência de "dar o peixe" vai ter uma cobrança muito séria e, tomara que eu esteja errado, 2015 será o ano da verdade. Nesse inicio de ano já projetei minhas metas, encolher, dispensar funcionários, cobrar "produtividade". O grande problema é que o funcionário brasileiro se tornou um "sem comprometimento" pelo que é contratado, afinal, a dispensa do emprego virou prêmio, ou seja, levantamento de FGTS, multa de FGTS, férias indenizadas, 1/3 de férias, seguro-desemprego e para finalizar, um processinho trabalhista risco zero...eheheeh...algum ele leva. Depois aparecem aqui os milagreiros de plantão que alardeiam que está tudo bem, está tudo bom.  Vamos acabar na m....., e tem mais, não vai dar pra todo mundo !!!!!

Atuei no ramo da confecção, comecei como costureira, fui encarregada, auxiliar de gerente e gerente, durante anos lutei muito para progredir profissionalmente. Há uma imensa carga tributária no país que diminui os lucros, (sem retorno algum dos impostos pagos em forma de benefício), dificultando a distribuição dos lucros de forma mais justa. Concordo com o Georges Xavier, entendo que empresa não é instituição filantrópica e deve ter lucro para se manter, porém quando esse lucro não é bem distribuído é muito difícil trabalhar, pois os funcionários ficam insatisfeitos por serem pouco valorizados. Enquanto os funcionários carregam a empresa nas costas, os empresários aproveitam a vida ao custo dos baixos salários. Na primeira oportunidade que tive mudei para a área acadêmica e fui lecionar. Como docente, vi muitos alunos que iniciam nas empresas como aprendizes e são desmotivados pelos próprios profissionais do ramo que maldizem o setor (por isso a falta de mão de obra). Em outras áreas, um estagiário tem remuneração equivalente (quando não, maior) do que um profissional da confecção. Quantas empresas da área do vestuário participam seus funcionários dos lucros e resultados obtidos( PLR) ?  

que lucro? se voce mesmo esta dizendo que nao tem, voce e o equivoco em pessoa, como docente so ver a teoria e tudo lindo, principalmente a historia da participaçao nos lucros, quando voce foi brincar de empresaria praticou isto? voce e o exemplo do motivo de quem sai da academia nao dar certo, olha que eles tem como exemplo.

nao  senhor, voce esta muito enganado, nao recebo e nem preciso de beneficio de governo nenhum e tem mais eu acho que voce nao entendeu nem o que falei, mas acredito que voce deve ser daqueles que recebia favores no passado e hoje esta revoltado porque nao tem mais teta sobrando pra voce, aqui eu trabalho com dignidade, nao sei se voce sabe o que e viver do suor de seu trabalho, aqui nao tem nenhum bras cubas se é que voce sabe o que é isto.

georges xavier disse:

vc, esta errada.........a anos os trabalhadores lutam para sair da escravidão.........esta sentado 8 horas por dia sem erra os pesponto, a modelagem a produção...... merecem salários dignos,,,,, ,,luto para melhorar os salários....e importante, pagar o correto e justo,,,,,,,,o brasil esta correto, nos empresários só  queremos comer file ,salmão , carro do ano....vida boa....conta de telefone ultimo celular do ano, viagens ,etc...e no fim do ano os empregados lutando para ter um peru na mesa, e presentes para família.....e muito triste isso........salários  correto não esse miséria de 724, que nos gastamos numa saída.............ganhamos muito dinheiro....temos que dividir o bolo, com os fucionarios.....ai vamos vencer a china, ....
 
Claudio de Almeida Lima disse:

Respeitemos a opinião de cada um, porém, Dna Francisca deve ser alguma beneficiária dos programas assistencialistas governamentais. Essa tendência de "dar o peixe" vai ter uma cobrança muito séria e, tomara que eu esteja errado, 2015 será o ano da verdade. Nesse inicio de ano já projetei minhas metas, encolher, dispensar funcionários, cobrar "produtividade". O grande problema é que o funcionário brasileiro se tornou um "sem comprometimento" pelo que é contratado, afinal, a dispensa do emprego virou prêmio, ou seja, levantamento de FGTS, multa de FGTS, férias indenizadas, 1/3 de férias, seguro-desemprego e para finalizar, um processinho trabalhista risco zero...eheheeh...algum ele leva. Depois aparecem aqui os milagreiros de plantão que alardeiam que está tudo bem, está tudo bom.  Vamos acabar na m....., e tem mais, não vai dar pra todo mundo !!!!!

pode ser do ano que for mas a situação e a mesma, no brasil tudo muda devagar, e so escutar que pais e este é de muiiiiiiiiiiiiito antes de 2008 e tem nada mais atual?

            Gente.... quanta bobagem... tudo vai acabar na mão da China... quem viver verá..um conselho..passe para outro lado

 

  
 
francisca gomes vieira disse:

pode ser do ano que for mas a situação e a mesma, no brasil tudo muda devagar, e so escutar que pais e este é de muiiiiiiiiiiiiito antes de 2008 e tem nada mais atual?

Responder à discussão

RSS

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço