Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Rio/Valença

O deputado estadual André Corrêa (PPS) afirmou hoje(2) que a redução do ICMS para a indústria têxtil, que reduz a alíquota de 19% para 2,5%, será mantida. Segundo ele, a promessa foi feita pelo governador Sérgio Cabral (PMDB). Até então, a Lei da Moda, como é a chamada a lei que reduz o imposto neste setor, estava prevista para vigorar apenas até 2013.
Corrêa, que é líder do governo na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio), argumentou que a lei, de sua autoria, beneficia muitas empresas no estado e que também gera muitos empregos.
- Conversei com o governador e ele me garantiu que a lei não só será prorrogada, como poderá agregar o comércio no mesmo benefício fiscal. Trata-se de um setor muito importante para a economia da Rio, pois tem proporcionado a formalização de milhares de empregos - afirmou o parlamentar.


Segundo ele, a redução do ICMS para a moda gerou mais de 30 mil empregos no estado.

"Com os incentivos do governo, as empresas pararam de migrar para outras localidades e se fixaram no Rio", resgatou André Corrêa, lembrando que os 10 polos de moda do estado, com cerca de três mil empresas, geram 51 mil empregos diretos somente na indústria de transformação, e mais de 90 mil empregos em toda a cadeia produtiva.


Com a redução tributária imposta pela lei, a cadeia da moda - setores têxtil e de confecções de couros, peles, calçados, artefatos e artigos de joalheria, ourivesaria e bijuteria -, que era onerada com alta carga fiscal, passou a contar com regime tributário especial, recolhendo 2,5% de ICMS sobre o faturamento mensal.

- No passado, a indústria da moda do estado do Rio chegou a deter 21% do mercado nacional, mas devido a uma política fiscal equivocada, caiu para menos de 3% de participação - comentou, relatando que como resultado desse quadro, as empresas e os empregos fugiram.

"A aprovação da lei assegurou a manutenção de milhares de empregos no estado, sobretudo a mão-de-obra feminina. Agora, é hora de trabalhar pela sua renovação", reforçou Corrêa.
Fonte:|diariodovale.uol.com.br|

Exibições: 73

Responder esta

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço