Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI

Apenas 22% das marcas brasileiras revelam dados de trabalho escravo

A informação foi evidenciada a partir do Índice de Transparência da Moda Brasil 2022, da ONG Fashion Revolution. Saiba os detalhes.

Na imagem com cor, mulher branca cola cartaz em parede azul - MetrópolesFashion Revolution/Divulgação

Com o propósito de apresentar os níveis de transparência no mercado de vestuário brasileiro, a ONG Fashion Revolution divulgou a quinta edição do Índice de Transparência da Moda Brasil (ITMB). Entre os dados apresentados, está a estimativa de que apenas 22% das marcas avaliadas revelam as informações sobre o trabalho análogo à escravidão.

Vem entender!

Giphy/Fashion Revolution/DivulgaçãoGiphy/Fashion Revolution/Divulgação

O trabalho escravo deixou de ser uma atividade no Brasil há mais de 130 anos. No entanto, de forma velada, ainda não cessou em território nacional. A indústria da moda é um dos principais segmentos no qual essa prática criminosa ocorre.

Uma das formas para se averiguar as condições trabalhistas dos profissionais se dá a partir da transparência de dados referentes às marcas. No país, a ONG Fashion Revolution se propõe a mapear a situação das labels em diversos pontos, como práticas de compra; salário justo para viver; igualdade de gênero e racial; circularidade; clima e biodiversidade; entre outros.

A quinta edição do índice foi lançada com destaque para o nível da divulgação pública de 60 grandes etiquetas e varejistas do mercado brasileiro. Isabella Luglio, coordenadora do projeto e a frente da equipe educacional da organização, ressaltou a importância da indústria para o desenvolvimento sustentável e atenta aos direitos humanos.

“Justiça social e climática estão intrinsecamente ligadas. A moda, como uma das grandes indústrias do mundo, deve operar de forma mais justa e transparente, proporcionando um meio de vida digno para os trabalhadores e contribuindo para a regeneração da natureza”, afirmou, em comunicado à imprensa.

Fashion Revolution Brasil/DivulgaçãoMulher morena de cabelo liso curto e de óculos de grau. Ela segura uma placa com os dizeres "quem faz as minhas roupas?" e está sentada em uma mesa com máquina de costura. No fundo é possível ver rolos de linha de diferentes cores - Metrópoles
Um das bandeiras do Fashion Revolution é abrir a indústria da moda para os consumidores

Fashion Revolution Brasil/DivulgaçãoTrês mulheres morenas segurando placas com os dizeres "Eu fiz a sua roupa". Elas possuem o cabelo liso amarrado e usam camisetas preto e brancas e calças jeans - Metrópoles
O objetivo é tornar os processos de confecção e compra mais claros, diminuindo casos como os de trabalho análogos à escravidão

Fashion Revolution/DivulgaçãoNa imagem com cor, grupo de pessoas reunidas em salão - Metrópoles
Para o lançamento do estudo de 2022, ocorreu um coquetel

Trabalho escravo

Com a pesquisa, foi possível descobrir que somente 22% das marcas publicam dados sobre a prevalência de violações relacionadas ao trabalho análogo à escravidão ou a existência de fatores de risco. Os critérios englobam horas extras excessivas e forçadas; liberdade de movimento restrita; retenção de passaporte de trabalhadores, documentos pessoais e salários; e servidão por dívida ou queixas relacionadas a práticas de recrutamento.

Segundo o índice, uma maneira para avaliar os riscos de trabalho forçado é a verificação da existência de taxas de recrutamento pagas pelos trabalhadores. Contudo, a maioria das marcas (93%) não divulga o número de profissionais na cadeia de fornecimento afetados pelo pagamento dessas taxas ou de outros custos relacionados.

Andresr/ Getty ImagesNa imagem com cor, costureiras em fábrica de vestuário - Metrópoles
A indústria de vestuário é um dos principais segmentos em que o trabalho análogo à escravidão ocorre

Aleksandar Pirgic/Getty ImagesNa imagem com cor, duas mulheres em fábrica de vestuário - Metrópoles
No Brasil, apenas 22% das empresas revelam dados sobre a prática


O trabalho escravo não é permitido no país há mais de 130 anos

Marcas bem posicionadas

Entre as 60 marcas brasileiras mais bem posicionadas pelo estudo, a pontuação média foi de 17%, um ponto percentual a menos do que em 2021. A varejista C&A foi o destaque, com 73%, seguida por Malwee (68%); Havaianas (57%); Renner (57%) e Youcom (57%).

A maior parte das marcas está concentrada na faixa de 0 e 10%. Do total, 22 empresas classificaram negativamente. Empresas como Besni, Brooksfield, Caedu, Carmen Steffens e Netshoes zeraram na pontuação.

C&A/DivulgaçãoLooks da C&A
A C&A foi a marca que mais pontuou no índice

Renner/DivulgaçãoNa imagem com cor, Renner apresenta nova coleção de verão para a praia - Metrópoles
Outra varejista nacional, a Renner, também aparece na lista de mais transparentes

Havaianas/DivulgaçãoColeção de Carnaval 2022 da Havaianas
Assim como a Havaianas

Fashion Revolution 

O movimento Fashion Revolution foi fundado em 2013, após um conselho global de profissionais da moda se sensibilizar com o desabamento do edifício Rana Plaza, em Bangladesh. O episódio causou a morte de mais de mil funcionários da indústria de confecção, que estavam em condições de trabalho análogo à escravidão.

A instituição atua mundialmente com o propósito de mobilizar a sociedade em prol de uma indústria da moda que respeite e valorize as pessoas, assim como o planeta. Vale destacar que o ITMB considera somente dados divulgados pelas empresas.

https://www.metropoles.com/colunas/ilca-maria-estevao/marcas-brasil...

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - CLIQUE AQUI


Exibições: 28

Responder esta

© 2023   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço