Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI

Brasil aposta em expansão dos mercados externos — Senado Notícias

O cenário delineado pela invasão da Rússia à Ucrânia e pelos efeitos da pandemia indica que a chamada hiperglobalização pode ter um arrefecimento. Em meio às transformações geopolíticas e seus efeitos no equilíbrio internacional e nas alianças entre nações e blocos, o Brasil tem ótimas oportunidades de estabelecer novas relações comerciais, contemplando a agenda da diversidade e da sustentabilidade econômica, social e ambiental. 

Crises, principalmente as relativas às guerras e surtos de doenças, são muito dolorosas, causando irreparáveis perdas. Assim, no seu rescaldo é fundamental que, pelo menos, aprendamos as lições. Nesse sentido, alguns países estão levando novamente a indústria para dentro de suas fronteiras, num movimento inverso ao que fizeram no advento da hiperglobalização, nas duas últimas décadas do Século 20. Adotam a medida para garantir a segurança alimentar, o suprimento nas cadeias produtivas mais estratégicas e a integridade das telecomunicações e da cibernética. 

Nesse contexto, o Brasil tem um terreno muito fértil para desenvolver uma política industrial moderna e avançada, alinhada às demandas suscitadas pelas transformações do mundo. Um exemplo é o aparato têxtil, que inclui, dentre outros, os técnicos e tecnológicos, com aplicação em várias indústrias, como a eólica, de geotêxteis, infraestrutura e de fardamentos. Há todo um espaço de integração com os polos que vão se consolidando no desenho geopolítico internacional, como o das Américas, o da Europa e da Ásia. 

Visando capitalizar todo esse potencial, seria importante que os órgãos econômicos do governo e suas áreas de pensamento estratégico, assim como o setor privado já está fazendo, observassem o que os países desenvolvidos estão realizando. A iniciativa é importante para que possamos estabelecer os fundamentos de uma nova política industrial, recuperação e fomento do setor. 

Alguns acreditam que o único fator para que a indústria brasileira torne-se mais dinâmica seja a abertura unilateral. Discordo dessa tese, principalmente devido ao grande abismo, sintetizado pelo “custo Brasil”, que temos em relação às vantagens competitivas de numerosas nações. Porém, acredito e considero necessários um novo movimento de integração, a ativação de acordos como o do Mercosul com União Europeia e relações bilaterais com os Estados Unidos, Canadá e outras nações e blocos. 

A ideia é promover uma reinserção do Brasil na economia global, considerando as transformações dos polos geopolíticos, mas sem discriminar ninguém. Nesse processo, a indústria têxtil e de confecção, que é planetária e de alta concorrência, poderá criar, nas Américas, um cluster muito relevante, abrangendo não apenas o segmento de vestuário, cama, mesa e banho, mas também o tecnológico, que atende as áreas de saúde, energia, militar, esportes, mobilidade e várias outras aplicações. 

Este é apenas um bom exemplo do potencial da manufatura de contribuir para a retomada do crescimento econômico e para reposicionar nosso país como protagonista na nova geopolítica internacional.

*Fernando Pimentel é presidente da Abit

https://www.abit.org.br/noticias/artigo-as-oportunidades-do-brasil-...

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - CLIQUE AQUI

Exibições: 62

Responder esta

© 2023   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço