Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Brasil ainda é Fechado para Importação de Vestuário 2012, diz IEMI

A constatação faz parte do “Estudo do Consumo Aparente de Artigos de Vestuário no Brasil”, elaborado pelo Instituto de Estudos e Marketing Industrial (IEMI), a pedido da Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTEX).

As redes de varejo não direcionam suas estratégias de importação levando em conta somente o custo dos fornecedores internacionais. Na maior parte das vezes, o preço mais baixo do produto estrangeiro não corresponde à qualidade exigida pelo consumidor, principalmente aquele que ascendeu socialmente e pode investir seu dinheiro em artigos bem acabados, com tecidos diferenciados e design inovador. Foi justamente para atender a essa demanda que os varejistas passaram a importar produtos de maior qualidade e que não têm correspondência no Brasil. Os itens cuja produção no País é insuficiente, como artigos de inverno, também fazem parte desse grupo.

A constatação faz parte do “Estudo do Consumo Aparente de Artigos de Vestuário no Brasil”, elaborado pelo Instituto de Estudos e Marketing Industrial (IEMI), a pedido da Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTEX). Um dado importante do estudo caracteriza o mercado brasileiro como bastante fechado. Em economias mais desenvolvidas, o índice de importação é muito maior.

O Brasil é o 37º países no ranking dos maiores importadores do mundo. Em 2010, o Brasil importou US$1,1 bilhão em itens de vestuário, o correspondente a 0,3% de toda a importação mundial deste segmento.

O estudo também atualiza a participação dos importados comercializados no varejo nacional como um todo, que era de 9,3% e deverá ser este ano de 13,8%. Este dado ainda caracteriza o mercado nacional como fechado. “O total de participação de vestuário importado na economia nacional está bem abaixo dos patamares de importações considerados salutares para outras economias (de 25% a 30%) e que não trazem danos às indústrias locais, ao contrário, motivam a competitividade e ajudam no controle da inflação”, comenta a ABVTEX.

Outro aspecto analisado pelo estudo do IEMI é a evolução das importações. Percebe-se que o crescimento em valores foi bem superior do que em peças, pois grande parte dos produtos estrangeiros possuem valores agregados, relacionados à inovação. Por vezes, o item importado é até mais caro que o nacional, o que refuta acusações de setores da indústria de que “o produto importado é mais barato”.

“Não é viável importar artigos similares aos produzidos no País, pois vender muitos produtos com a mesma característica não desperta o interesse do consumidor e diminui o faturamento por metro quadrado”, analisa a ABVTEX.

Produção nacional

Por atender os anseios do consumidor, as redes de varejo são favoráveis à modernização da indústria têxtil nacional, que hoje se mostra incapaz de atender a determinadas demandas, por não deter a tecnologia nem os materiais encontrados em outros países.

Outro problema é a grande pulverização do setor, formado por pequenas confecções muitas vezes familiares: 70% das indústrias de vestuário brasileiras são de pequeno porte, com menos de 20 funcionários. Ou seja, não produzem em larga escala e terceirizam o trabalho.

Em 2011, a indústria de vestuário nacional produziu 6,3 bilhões de peças. Foi o segundo melhor ano de sua história, de acordo com o IEMI. O dado também refuta informações de que “a indústria de confecções sofre um processo de desindustrialização há alguns anos”.

Fonte:|http://www.ultimoinstante.com.br/economia/nivel-atividade/78179-Bra...

Exibições: 497

Responder esta

Respostas a este tópico

Quem escreveu isso deve ser um dos importadores honestos do brasil. 

Quem escreveu este artigo não trabalha na indústria têxtil, e está longe de conhecer a realidade deste mercado.

Responder à discussão

RSS

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço