Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Brasil Empregaria como Escravos até 100 mil Bolivianos

A denúncia foi feita em La Paz pelo embaixador da Bolívia no Brasil

 

Imigrantes bolivianos trabalham em ateliê de roupas de Nova Odessa, em São Paulo

Imigrantes bolivianos trabalham em ateliê de roupas de Nova Odessa, em São Paulo

Milhares de bolivianos estariam trabalhando em condições de escravidão em fábricas têxteis no Brasil, principalmente no Rio de Janeiro e São Paulo, denunciou esta sexta-feira em La Paz o embaixador da Bolívia no Brasil que, junto com parlamentares brasileiros, pediu um acordo entre os dois países para solucionar esta grave situação.

"Pode haver entre 50.000 e 100.000 bolivianos nesta situação de escravidão", disse à AFP o embaixador Jerjes Justiniano, durante uma reunião entre parlamentares dos dois países para analisar o problema.

Segundo o diplomata, esta informação foi obtida a partir dos registros utilizados pela delegação boliviana no Brasil, destacando que se trata de uma situação que os governos boliviano e brasileiro analisam cuidadosamente para implantar leis e políticas comuns.

"As condições (destes trabalhadores) são de escravidão. Até 18 horas por dia de trabalho, com condições sanitárias e de moradia que são absolutamente impróprias para pessoas do ponto de vista dos direitos humanos e trabalhistas", afirmou o deputado federal Walter Feldman (PSDB/SP), em entrevista coletiva.

Em La Paz, Feldman explicou que o Brasil faz campanha para erradicar este tipo de escravidão no campo e nas fábricas.

O deputado informou que nos dois a três últimos anos, "tem havido uma migração diária de 700 a 800 bolivianos que entram no Brasil, tendo como destino especialmente São Paulo", onde são empregados na indústria têxtil.

O embaixador boliviano também informou que há dados de que cada operário boliviano ganha "15 centavos de dólar (nr: cerca de R$ 0,28) por cada peça de vestuário que confecciona e que esta peça se vende em até 100 reais", cerca de 52 dólares.

"Vemos que tem gente que está ficando milionária às custas de umas quantas pessoas", acrescentou.

Justiniano destacou que uma breve investigação na Bolívia permitiu detectar na cidade de El Alto, vizinha a La Paz, "agências de emprego onde se recrutam os migrantes e é impressionante que a polícia (boliviana) não faça nada".

Cinco parlamentares brasileiros que integram uma Comissão Parlamentar de Inquérito estão na Bolívia para ampliar suas indagações sobre o tráfico de pessoas com destino a fábricas têxteis em grandes cidades do Brasil.

Os legisladores se reuniram com colegas bolivianos, organizações sociais e empresários, denunciando que podem estar em funcionamento redes de tráfico de pessoas que captam mão de obra para enviar ao Brasil.

Fonte: 

.

.

.

.

.

..

.

.

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - Clique Aqui

Exibições: 1021

Responder esta

Respostas a este tópico

ta  certo mais me  diga que  aconteceria  si  todo ese pesoal sairia  do  brasil ou ate  formalisarem o trabalho de nois bolivianos para  uma  condiçao melhor subiria  os  custos de producçao de todas as empresas no ramo de  confecçao de vestuario e consecuentemente   atingiria  os preços das  roupas as  grandes  marcas tem condiçoes de  arcar  con esas despensas mais as pequenas  que  tambein se fornesem desse tipo de mao de obra nao aguentarian e por causa disso teram que   falir  e  se perderian muitos  enpregos fixos porque envolme  muita  gente nessa cadeia  produtiva e nao  so   bolivianos   entao  pesoal  eu  acho  que que  devemos  dar  ideas pra  rtesolver ese problema ai  va  uma   iddea    de  min  importar  mais  roupa  da  china que  ainda  e muito mais  barato  e  de  boa  qualidade entao ????????? 

Trabalho escravo em 1ualquer setor deve ser punido com cadeia, os coreanos do bom retiro fazem isto a anos eles escravisam ate os proprios coreanos que chegam no brasil trazidos por eles mesmos, deveriam varrer aquele bairro da industria textil, pois aquilo e uma vergonha pro brasil, enlameia nosso nome  que comeca a aparecer la doramcom o um pais de moda sustentavel, espero que o ministerio do trabalho e a justica do trabalho nao deixe pedra sobre pedra ali, pois eles importam o tecido de poliester claro,  da xhina  e emprega mao de obra escrava e ai me respondam para que aquele bairro serve? Alem de desoval poliester da china?   Agora se por outro lado legalisassemos os bolivianos ou quem quer que seja , pois o brasil nao tem mais mao de obra pra confecção aqui no nordeste evoce paga 3 vezes ao empregado, uma e o salario, outra e o encargo e a outra e retrabalho pois a qualificação e zero, entao ja que nao temos mao de obra qualificada, o trabalhador, nao quer trabalho ele quer emprego, a solução e fazer o que europa estados unidos e outros fazem importa ou entao como diz o colega tras da china, ate oso governo brasileiro acordar e realmente  olhar para quem sustenta este pais 

As informações que saem na mídia assim como nessa matéria não condiz com a realidade, o preço pago por qualquer peça que irá ser vendida a R$ 100,00 no varejo custa as confecções no mínimo R$ 3,00 para ser confeccionadas por bolivianos, chegando a preços muito superiores dependendo da peça.Todos esquecem de dizer sobre roubos de corte, devoluções de centenas de peças que muitas vezes não tem como recuperar, dos prejuízos que alguns bolivianos causam as Confecções por não cumprirem os prazos combinados e por aí vai. Trabalho a 23 anos nessa área, já visitei inúmeras prestadoras de serviço boliviana, tenho visto vários ficarem ricos comercializando na feira da madrugada e nenhum sendo escravizado. Gostaria que as pessoas de opinião contraria me apresentasse algum contato verdadeiro de algum prestador de serviço que trabalha a R$ 0,28 e que pegue o serviço e entregue na data combinada e bem costurada, pois assim podemos pagar 7 vezes mais no mínimo e ainda assim estarei pagando menos do que o normal praticado no mercado real.

Pagar 3 reais por peca ja e uma forma de escravisar, se e legal ou nao ai e com a lei mas uma peca que e vendida a 100 reais e pagar 3 de mao de obra e um grande negocia aqui nos pagamos por uma peca de valor de 100 reais pelo menos 10 rais e por isto que todo dia estao procurando faccionistas e ninguem quer, pois se faccao desse lucro o dono fazia dentro da propria fabrica, continuo afirmando a vergonha da confecção no brasil esta no vom retiro e aqui no nordeste em santa cruz, caruaru e toritama, enquanto nao acabarem com isto tem trabalho  escravo pois nao precisa de senzalanentronco para escravisar ,  porem enquanto o governo nao assumir parte dos encargos sociais este cenario nao vai acabar, na china ongoverno dar 27 subsidio ao setor textl e de confecção,  no brasil nos temos 49 impostosne encarfos, adivinha quem vai dançar?  Infelizmente ao inves de irmos a luta para mudar este quadro e melhor  procurar um boliviano ou haitiano ouo equivalente e pagarmos 3 reais por uma peças e ainda sair com discurso que paga bem ao cidadao, 

SENHORES BOM DIA,

VISITEI ALGUMAS OFICINAS DE BOLIVIANOS.

VI SIM MUITA SUJEIRA, POIS ELES NÃO TEM A CULTURA DE SER UM POVO QUE VARRE A FÁBRICA.

VI QUE ELES COMEM E DORMEM NOS FUNDOS DA PRÓPRIA OFICINA.

VI QUE TEM CRIANÇAS QUE FICAM NA OFICINA.

ELES TRABALHAM ACIMA DE 12 HORAS POR DIA, MAS RECEBEM MAIS POR ISSO.

POIS GANHAM POR PEÇA PRODUZIDA

QUALQUER BRASILEIRO QUE SAI DO BRASIL PARA TRABALHAR FORA DO PAIS, SAI COM O OBJETIVO PARA TRABALHAR , GANHAR DINHEIRO , POUPAR E TRAZER PARA O BRASIL, SEM SE IMPORTAR COM A CARGA HORÁRIA.

INFELIZMENTE DEVE HAVER EXAGEROS TANTO DA PARTE DO PATRÃO QUANTO DO FUNCIONÁRIO.

MAS TUDO TEM UM PORQUÊ !!!

ELES MORAM NA OFICINA POIS NÃO TEM COMO ALUGAR MORADIA, POR EXEMPLO DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA, E COM RELAÇÃO A ALIMENTAÇÃO É MAIS PRÁTICO E MAIS BARATO FAZER REFEIÇÃO NA

PRÓPRIA OFICINA.

GERALMENTE O CASAL TRABALHA , QUEM VAI FICAR DE OLHO NOS SEUS FILHOS ???

NÃO CONHECI NENHUM FUNCIONÁRIO BOLIVIANO QUE GOSTARIA DE TRABALHAR COM CARTEIRA ASSINADA, PAGAR IMPOSTOS, TER HORÁRIO FIXO PARA TRABALHAR.

NOSSA CARGA TRIBUTÁRIA TRABALHISTA É PESADA E ELES SE SENTEM LESADOS QUANDO VEM DESCONTADO NA FOLHA DE PAGAMENTO OS ENCARGOS.

SERÁ QUE ESSA SITUAÇÃO QUE ELES SE ENCONTRAM É COM CONSENTIMENTO PRÓPRIO ???

ELES SE ENCONTRAM TRANCADOS ??? ALGEMADOS ??? AMARRADOS ???

SERÁ QUE ELES TERIAM UMA VIDA MELHOR NA BOLÍVIA ??????

COM RELAÇÃO AOS PREÇOS PAGOS PELA MÃO DE OBRA ESTÁ JUSTO OU INJUSTO ???

VI QUE FALAM QUE AS EMPRESAS PAGAM 3,00 PARA COSTURAR A PEÇA E VENDEM A PEÇA POR 100,00,

É ISSO MESMO ??? PEGARAM A PLANILHA DE CUSTO E FOI O CALCULO DE CUSTO DESTE PRODUTO, COM OS TODOS OS ENCARGOS EM TODA A CADEIA PRODUTIVA ATÉ CHEGAR NO CONSUMIDOR FINAL ??

HOJE TEMOS MUITOS COMERCIANTES BOLIVIANOS, QUE COMERCIALIZAM SEUS PRODUTOS NA FEIRINHA DA MADRUGADA, SUAS EMPRESAS SÃO FORMALIZADAS ???? SEUS FUNCIONÁRIOS ESTÃO DEVIDAMENTE REGISTRADOS ???

ENFIM NÃO CONCORDO COM NADA QUE EU VI ACIMA, ACHO QUE A MESMA LEI QUE EXISTE PARA UMA

EMPRESA COM FUNCIONÁRIOS BRASILEIROS, DEVERIA TER PARA FUNCIONÁRIOS ESTRANGEIROS.

TEM DIVERSAS EMPRESAS QUE GOSTARIAM MUITO DE EMPREGAR BOLIVIAMOS EM SUA FABRICA,

POIS A MÃO DE OBRA DELES É BOA, MAS SE TORNA INVIÁVEL POIS ELES PREFEREM TRABALHAR NA INFORMALIDADE.

A INDUSTRIA TEXTIL BRASILEIRA SÓ EXISTE POIS TEM A PROTEÇÃO DA DISTANCIA, DO TEMPO DE PRODUÇÃO, DO FAST FASHION, POIS OS ASIATICOS SÃO MUITO MAIS EFICIENTES QUE NÓS, NÃO TEM UMA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA TÃO DURA QUANTO A NOSSA, SUBSIDIAM OS IMPOSTOS DAS FÁBRICAS  E POR ULTIMO NÃO TEM TAXAS DE JUROS ALTAS COMO AS NOSSAS.

INFELIZMENTE A MIDIA SÓ DIVULGA A DESGRAÇA, NÃO DIVULGA A NOTICIA POR COMPLETO.

 

 

Esta discussão se amplia quando investigamos as disparidades no mercado da moda entre fabricantes e grandes comerciantes. O que assistimos atualmente é o setor varegista determinando preços e prazos, e não negociando. Por isso eles ampliam com dezenas de pontos de vendas, enquanto os que fabricam aguardam as ordens e acreditam vitoriosos quando se mantem sem falir. A tercerização foi a saída para precarização do trabalho e do trabalhador, em outros setores além da moda, é o inverso da sustentabilidade social e ambiental.

Confeccionar é uma coisa, preço de venda, outra. Porem deputados não distinguem nada!

Responder à discussão

RSS

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço