Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Brasil importa R$ 11,2 bi em têxteis e deixa de criar 598 mil empregos

De janeiro a setembro, importações cresceram 4,5%, enquanto exportações caíram 1,4%

O Brasil já importou R$ 11,2 bilhões (US$ 5 bilhões) em produtos têxteis entre janeiro e setembro deste ano, o que deixou de gerar 598 mil postos de trabalho no setor, de acordo com estimativa da Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção).

Nesses primeiros nove meses do ano, informa a entidade, somente as importações de vestuário  cresceram 4,5%, em valor (US$). Já as exportações caíram 1,4%.

No entanto, nos mesmos primeiros sete meses do ano, o volume de vendas no varejo cresceu 3,4%, ao passo que a produção têxtil apresentou queda de 3,1% e a de vestuário diminui 2,2%.

De acordo com análise da associação, “isso comprova que os produtos importados estão aumentando sua participação no mercado nacional, enquanto as empresas estão com capacidade ociosa”.
 
Em uma década, o valor de produtos têxteis importados cresceram 20 vezes, saindo de US$ 110 milhões para US$ 2,1 bilhões, informa o setor.

Incentivos fiscais

A indústria têxtil um RTCC (Regime Tributário Competitivo para Confecção), com incentivos ficais, como redução de 5% nos impostos para o setor. O presidente da Abit justifica a reivindicação:

— Há muito tempo o cenário deixou de ser de competitividade entre empresas, para ser de competitividade entre países. O Brasil está muito longe nessa corrida e considerado um dos piores mercados para se produzir. Precisamos urgentemente, mudar esta situação.

http://noticias.r7.com/economia/brasil-importa-r-112-bi-em-texteis-...

Exibições: 556

Responder esta

Respostas a este tópico

o setor textil cavou isto, empresarios prepotentes e incompetentes, nao tem respeito pelo cliente, aqui na paraiba para voce comprar fio na norfio parece ate que esta pedindo favor, isto sem falar que e com deposito antecipado e a quantidade eles determinam do jeito que quer, so querem vender em quantidade grande, ainda nem acordaram que os pequenos sao os que estao sobrevivendo e eles ainda nem acordaram para isto, temos tambem empresas de malha que tambem nao sao diferentes, eles nao acordaram que este tipo de tratamento que dao ao cliente esta ultrapassado, quero mais e que quebrem tudo para virem empresarios novos, serios e competitivos que sabem o valor do cliente, pois com duas tecelagens aqui em joao pessoa estou indo pro ceara buscar fornecedores e estas historia que nao tem incentivo nao e totalmente verdade, pego as notas fiscais aqui da paraiba e vejo la imposto zero, entao nao venham falar que e somente carga tributaria, e incompetencia junto a prepotencia ta ai a receita de quebrar.

No que diz respeito ás confecções...dentro de no máximo cinco anos não haverá mais nada...

Querer agora mudar urgentemente esta situação????Em que país vivem as autoridades do setor?? 

Sabem que há anos as grandes empresas varejistas tem reduzido as compras nacionais em favor aos milagrosos importados...

O investimento no certificado ABVETEX não garante a regularidade de compras ,nem mesmo que os custos cheguem àquilo que buscam pagar no produto nacional...muito pelo contrário....

É preciso questionar bem este aspecto.

Devemos ser impecáveis, mas as redes e marcas que importam sabem muito bem em que condições trabalham os funcionários dos países que trazem mais da metade de suas coleções à preço extremamente competitivo...Ou será que não sabem?

...Inocência ou hipocrisia???

Há pelo menos três anos buscamos com urgência alternativas para vender o melhor produto ao custo chines,sem sobra nenhuma para investir em capacitação e valorização dos profissionais da área operacional.

Há tempos o mercado da pirataria mistura-se às mercadorias que entram  irregularmente, diversificando muito as formas do consumidor final ter produto a baixo custo...abaixo do valor  mínimo real.

Acreditam que nos grandes centros as famosas feirinhas populares geram empregos formais?

Quanta falta de informação,para não dizer que trata-se de outra coisa...

...Proliferam se os informais e as grandes redes varejistas diminuem o percentual de compra nacional...sei que precisam de produto ,mas tem ser equivalente aos asiáticos para que nas araras possam ser similares aos concorrentes importados..

...Precisam urgentemente mudar? Dá tempo?...Não sei...

O Brasil está muito longe nessa corrida e considerado um dos piores mercados para se produzir. Precisamos urgentemente, mudar esta situação.

Tem muita conversa fiada. O Brasil é 37º País importador de têxteis no mundo. Os EEUU são  o 1º e importa 1 bilhão e 100 milhões de dólares/ano. O Brasil apenas 3,3 milhões de dólares/ano (2012) de manufaturados têxteis, segundo o IEMI, Instituto de Estudos de Marketing Industrial que publica as pesquisas têxteis mundiais, adotadas e pagas pela própria ABIT, em sua "Carta Têxtil Anual". Segundo o próprio IEMI, o Consumo Per Capita Brasileiro em torno de 13 Kg/habitante, multiplicado pelos 200 milhões de habitantes do Brasil atualmente, atinge 2.600.000 t/ano de manufaturado têxteis, necessários para atender o mercado interno. A Indústria Têxtil Brasileira não tem capacidade de produção instalada para atender essa necessidade, e, exporta 500 t/ano de algodão excedente de sua produção na agricultura, por consumir em sua indústria têxtil apenas 900.000 t/ano de fibra de algodão.    

ONDE SE LÊ : 500 t/ano de exportação de algodão do Brasil leia-se 500.000 t/ano (quinhentas mil toneladas por ano).

Responder à discussão

RSS

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço