Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI

Estudo feito pela consultoria A.T. Kearney considera as melhores oportunidades para investir entre as economias emergentes

Epitácio Pessoa / AE
Brasil é o maior mercado de vestuário da América do Sul, com US$ 42 bilhões em vendas

O crescimento da classe média, maior percepção de moda e um mercado de shopping centers em expansão contribuíram para que o Brasil saltasse da sétima para a quinta posição no Índice de Varejo de Vestuário da A.T. Kearney.

O país é o maior mercado de vestuário da América do Sul, com US$ 42 bilhões em vendas, três vezes mais que o México, nono colocado no ranking, com US$ 14 bilhões. Pietro Gandolfi, diretor da A.T. Kearney, ressalta que empresas nacionais e estrangeiras devem continuar a investir no Brasil, nos próximos dois ou três anos. “Todos os players, que não estão diretamente no país, olham para cá”, diz. A GAP abrirá sua primeira loja no Brasil este ano.

“Grandes marcas, como C&A e até a Zara, já estão nas principais cidades do Brasil e começam a perceber que também há espaço em cidades menores, que tem uma demanda grande”, completa.

Segundo Gandolfi, a grande questão, tanto para os players que aqui estão, quanto para os que pretendem entrar no mercado brasileiro, é a escolha do valor que será atribuído às marcas. “Eles terão que optar por ter um preço competitivo ou ter produtos mais sofisticados. Essa é a mesma pergunta feita há anos, quando chegaram na Europa e nos EUA”, ressalta. “Marcas com preços mais altos podem sim ter sucesso no Brasil”.

Um número que sustenta essa previsão é a expectativa de crescimento do mercado de luxo no país, que deverá movimentar mais de US$ 48 bilhões até 2025. Entretanto, a expansão ainda é freada por dificuldades, como infraestrutura e alta carga tributária. “Quem tem dinheiro para comprar produtos sofisticados acaba optando por fazer suas compras no exterior.

Para Gandolfi, o Brasil deve continuar evoluindo no ranking e, no médio prazo, passará países como o Chile, terceiro colocado. “O mercado chileno deve chegar a saturação em breve.Já o potencial brasileiro é maior e oferece mais oportunidades”, defende o diretor, que aposta que Colômbia, Venezuela e Peru devem figurar na lista, nos próximos anos.

O estudo analisa os dez principais países em desenvolvimento em termos de atratividade de mercado, desenvolvimento do varejo e risco país para o setor de varejo de vestuário. O e-commerce também tem sido responsável por um grande volume de vendas.

http://economia.ig.com.br/empresas/comercioservicos/2013-06-17/bras...

Exibições: 482

Responder esta

Respostas a este tópico

Não entendi como o Brasil é o maior mercado da América do Sul, mas está atrás do Chile no ranking.

Como o Brasil pode ser o maior se esta atras do Chile?? Favor corrigir esta parte, não entendemos!?!? A A.T. Kearney, já vistoriou se há indicios de trabalho escravo, em toda A.Latina? A C&A e Zara, continuam comprando seus produtos da China, com trabalhos escravos( DESCULPE- LÀ PODE - È AQUI QUE NÂO) nosso governo é subserviente dos estrangeiros principalmente de quem nos FERRA, não é Dna.Dilma e Sr. LULA????????A China é um pais prodigo em nos alimentar de produtos piratas e escravigista, e, nos a eles balançamos nossas cabeças, e, dizemos vendi a mim, que somos GENEROSOS.

Para Gandolfi, o Brasil deve continuar evoluindo no ranking e, no médio prazo, passará países como o Chile, terceiro colocado.

Brasil é o quinto país mais atrativo para varejo de roupas

meu deus assassinam o portugues todo dia:

O BRASIL E O QUINTO MAIS ATRAENTE , ELE PODE TER UM ATRATIVO, JORNALISTAS NAO SE ORIENTEM PELO PORTUGUES DA GLOBO

Responder à discussão

RSS

© 2022   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço