Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Com novas medidas, indústria têxtil vislumbra 'contra-ataque' - Agnaldo Diniz

AGUINALDO DINIZ FILHO
ESPECIAL PARA A FOLHA

A desoneração da folha de pagamentos e a unificação da alíquota do ICMS para mercadorias importadas foram as boas notícias que a indústria têxtil e de confecção recebeu do ministro da Fazenda, Guido Mantega.
Também foi instituído grupo técnico a fim de analisar propostas para ampliar a competitividade setorial: intensificar fiscalização do comércio de importados e criar linhas de financiamento.
As medidas respondem à perda de competitividade do setor, abalado pelo custo Brasil e pelo câmbio sobrevalorizado, que o expõem ao ataque internacional e a práticas comerciais pouco éticas.
Resultado: foi de US$ 5 bilhões o deficit da balança setorial em 2010 -US$ 2,17 bilhões do intercâmbio bilateral com a China. O problema se agrava: o saldo negativo do comércio multilateral no ano (até maio) já foi de US$ 1,89 bilhão -46,2% maior que no mesmo período de 2010).
A despeito de todas essas dificuldades, que nos custaram a criação de 135 mil empregos no ano passado, o setor continua investindo (mais de US$ 2 bilhões em 2010) e priorizando diferenciais competitivos civilizados e politicamente corretos, como o respeito a direitos trabalhistas e ao ambiente, design avançado, tecnologia, inovação e serviços de qualidade.
O Brasil tem a quinta maior indústria têxtil e de confecção. Possivelmente, passaremos ao quarto lugar em 2011.
As empresas estão em todo o território nacional e mesclam uma base produtiva forte, ampla, diversificada e fomentadora de conhecimento e inovação. Temos semanas de moda com importância global, cadeia de distribuição com mais de 100 mil pontos de venda e um dos maiores mercados consumidores.
Portanto, a partir das medidas anunciadas, o setor agregará melhores condições para se defender do assédio de concorrentes estrangeiros.
Assim, delineiam-se novas perspectivas, viabilizadas pelo diálogo e o entendimento entre sociedade e governo. Pode-se vislumbrar até mesmo um contra-ataque, mirando o universo de consumo das economias com as quais temos hoje desvantagem no comércio bilateral.



AGUINALDO DINIZ FILHO é presidente da Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção).

Fonte:|http://www.portaldoeconomista.org.br/noticias/com-novas-medidas-ind...

Exibições: 180

Responder esta

Respostas a este tópico

Realmente sao medidas inteligentes e que podem ajudar mas

 

Sao palavras Guido Mantegao, porem palavras nao resolvem e sim solucoes a curto prazo !

 

Acho muito importante as medidas mas como o colega falou sao palavras e como na politica tudo sao palavras,nao vejo sair a curto tempo,estas medidas ja deverião estar na pratica funcionando,o Textil e as industrias no Brasil nao podem mais esperar .VAI SER TARDE......

Responder à discussão

RSS

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço