Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Coronavírus: Sindicato pede para que empresas têxteis do Vale liberem 21 mil funcionários

Sem transporte público, apelo é para interromper a produção e deixar funcionários em casa para evitar a propagação da Covid-19.

­
(Foto: Patrick Rodrigues, BD)

O Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Fiação e Tecelagem de Blumenau, Gaspar e Indaial (Sintrafite) enviou um pedido às empresas para a liberação de todos os funcionários. Hoje, cerca de 21 mil pessoas trabalham em indústrias da região e o objetivo, conforme a categoria, é evitar o contato para frear o avanço do novo coronavírus.

A primeira quinta-feira após publicação do decreto do governo do Estado impõe restrições ao cotidiano em SC foi de calçadas vazias e poucos carros nas ruas de Blumenau. Muitas fábricas e indústrias, porém, mantiveram as atividades durante a manhã, o que gerou dúvidas sobre o que os trabalhadores precisam fazer quanto ao deslocamento às empresas. Nas têxteis, alguns empresários chegaram a pagar por transporte privado.

Desde as 22h45min os ônibus da Blumob pararam de circular pela cidade, assim como intermunicipais importantes como Rainha, Volkmann, Verde Vale e Presidente. Com isso, muitos funcionários de empresas que não vão fechar as portas não conseguiram ir até o trabalho, mesmo com a opção do transporte particular, por topique, por exemplo.

Segundo a presidente do Sintrafite, Vivian Kreutzfeld, com essa dificuldade dos trabalhadores de chegarem à fábrica e a preocupação de evitar novos contágios do coronavírus, a orientação é de liberação de funcionários — seja com férias ou com licença remunerada.

— Tem gente que mora com pessoas do grupo de risco e esse vaivém do trabalho nos traz essa preocupação de ter a transmissão dentro dos locais de trabalho. O lucro não pode ser maior do que a vida para as pessoas. E mais: adianta produzir agora? Não vale a pena deixar as pessoas adoecerem e o momento é de prevenção — defende Vivian.

Segundo Ulrich Kuhn, integrante do Conselho Superior do Sindicato das Indústrias de Fiação, Tecelagem e do Vestuário de Blumenau (Sintex), o que precisa prevalecer a partir de agora é o bom senso. Kuhn ainda a dificuldade em manter a operação sem os ônibus urbanos na cidade.

— Não há como operar, já que sem transporte urbano, não há pessoas. Muitas empresas já estão partindo para as férias coletivas e muitas já estão administrando paradas. É preciso serenidade e bom senso, para a gente fazer com que a curva da infecção seja a mais suave possível — aponta Kuhn.

Por Augusto Ittner

https://www.nsctotal.com.br/noticias/coronavirus-sindicato-pede-par...

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - CLIQUE AQUI

Exibições: 478

Responder esta

Respostas a este tópico

Segundo Ulrich Kuhn, integrante do Conselho Superior do Sindicato das Indústrias de Fiação, Tecelagem e do Vestuário de Blumenau (Sintex), o que precisa prevalecer a partir de agora é o bom senso. Kuhn ainda a dificuldade em manter a operação sem os ônibus urbanos na cidade.

Responder à discussão

RSS

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço