Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Dona da Artex e Santista, Coteminas Considera Aquisição da Marca Teka

SÃO PAULO - Líder no mercado brasileiro de produtos têxteis para cama, mesa e banho, a Springs Global, empresa controlada pelo grupo Coteminas, pode acrescentar a seu portfólio a marca Teka. Foi o que deu a entender o presidente da companhia, Josué Gomes de Castro, em evento com investidores ontem em São Paulo.

Sem citar nominalmente a indústria têxtil catarinense, o executivo sugeriu a possibilidade de aquisição da marca concorrente, que se somaria a Artex, Santista, MMartan e Casas Moysés, fortalecendo a estratégia de valorização de ativos intangíveis da holding.

- "No Brasil, há uma empresa grande, com uma marca conhecida e forte, que está passando por um momento de reestruturação, inclusive dentro de um processo de recuperação judicial. Nós não podemos descartar a possibilidade de aquisição de qualquer ativo. Não é nossa prioridade, mas se for um bom negócio e fizer sentido para o nosso orçamento, eventualmente [poderá ser realizada a aquisição]", disse.
A Teka ajuizou pedido de recuperação judicial em outubro deste ano. Segundo Castro, a Springs Global não precisa da marca concorrente, uma vez que ela possui posicionamento de mercado semelhante ao da linha Santista.

Voltada para as classes C e D, e distribuída principalmente através do varejo multimarca, a Santista triplicou de tamanho nos últimos quatro anos, de acordo com o executivo. "A rigor, não precisamos, é uma marca que está mais ou menos no mesmo segmento, agora, dependendo do preço, e se tiver retorno, quem sabe", afirmou o empresário.

O CEO da Springs Global afirmou que o varejo monomarca das bandeiras Artex e MMartan ainda apresenta resultados abaixo do esperado, o que deve ser resolvido com uma maior integração entre produção e distribuição, reduzindo o tempo entre o desenvolvimento e a chegada do produto à prateleira. Com isso, problemas como atrasos de entrega e estoques excessivos devem ser reduzidos. A melhora no desempenho do varejo deve diminuir a ociosidade industrial, aumentando a rentabilidade.


Outro fator de otimismo para a empresa, segundo Castro, se deve a uma expectativa de elevação da competitividade para o setor têxtil brasileiro em geral, provocado pelo impacto das medidas de estímulo governamentais à indústria e ao aumento dos custos de produção nos países asiáticos.

Fonte:|http://www.dci.com.br/industria/dona-da-artex-e--santista,-cotemina...

Exibições: 1399

Responder esta

Respostas a este tópico

O Cara é louco!

não faz muito sentido com as marcas que tem, as vendas não estão correspondendo as espectativas....

"Um quebrado juntando-se a outro = A UM QUEBRADAO"

 

(Jacquinho Rabinovich Quando juntaram-se a Alpargatas com a a Santista...)

Castro??? Que eu saiba é Gomes da Silva.

Eu queria ser um louco com bastante dinheiro.

Ha leis contra monopolio no Brasil?

Bastante Dinheiro... No "azul" ou no "vermelho"?

Responder à discussão

RSS

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço