Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Estilista Protesta Contra Importação de Malhas no Encerramento da Fenat

Modelos desfilaram com roupas nas cores da bandeira do Brasil e cartazes. Indústria de confecções de Monte Sião (MG) teme concorrência desleal.

A 38ª edição da Feira Nacional do Tricô (Fenat) em Monte Sião (MG) terminou no fim de semana, mas desta vez o encerramento foi diferente. Para aproveitar o momento de manifestações em todo país, um estilista promoveu um desfile e usou toda criatividade para protestar contra as importações de malhas de origem asiática.

Segundo o estilista Evandro Boava, as importações com preços mais atrativos estão contribuindo para a redução da produção nacional e das vendas no mercado interno. Nos estandes e na passarela da Fenat, o público pôde acompanhar as diversidades de estilos e cores, no entanto, o que as pessoas não esperavam era uma manifestação até mesmo no evento.

Modelos com roupas com a cor da bandeira levantaram cartazes em desfile (Foto: Reprodução EPTV)Modelos com roupas com a cor da bandeira levantaram cartazes em desfile (Foto: Reprodução EPTV)

Aproveitando o momento com manifestações em várias partes do Brasil, os modelos, que vestiam roupas nas cores da bandeira do Brasil ou com a própria bandeira estampada, entraram com cartazes e representaram várias reivindicações. “As importações de malhas de origem asiática, principalmente as chinesas são uma concorrência desleal com os produtos fabricados em Monte Sião”, disse Boava.

De acordo com a Associação Brasileira da Indústria Têxtil de Confecção (Abit), entre 2011 e 2012, a indústria nacional de vestuário registrou uma queda de produção de 28 mil toneladas e perda de 22 mil toneladas nas vendas do mercado interno. Enquanto isso, as importações cresceram 18 mil toneladas.

 

Para o presidente da Associação Comercial de Monte Sião, Tadeu Machado, estes números representam uma preocupação. “Infelizmente esperamos uma queda de pelo menos 12% nos 8,5 mil empregos diretos que são gerados pelo setor na cidade”, disse.

Protesto chegam às passarelas de Monte Sião (Foto: Reprodução EPTV)Protesto chegam às passarelas de Monte Sião (Foto: Reprodução EPTV)

A colocação dele vai ao encontro do que vive o empresário Fabiano Faria. “Eu já sinto o impacto da entrada das malhas importadas. A produção da minha fábrica deve cair pela metade neste ano em relação a 2012. Já tivemos quatro demissões”, disse.

Fonte:|http://g1.globo.com/mg/sul-de-minas/noticia/2013/06/estila-protesta...

.

.

.

.

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - CLIQUE AQUI

Exibições: 671

Responder esta

Respostas a este tópico

Bobagem...estão sempre acusando a China.

Vão dizer que a China é a culpada pela inflação no Brasil,  culpada pela corrupção da bandidagem política em Brasilia, culpada pelos altos impostos que pagamos  e culpada pelas passeatas????

O Brasil está importando feijão da China...os chineses tambem são culpados pela falta de feijão por aqui?

Acorda...aceita a China que dói menos...

Ótima chance de mostrar nossa submissão em tudo.

Somos submissos a corrupção, a ignorância, a invasão de nossos mercados em fim a tudo que possa fazer nossa vidinha piorar ainda mais.

Parabéns pela coragem de de mostrar sua indignação com a situação que alem de você toda a industria nacional está passando pela falta de incentivos e investimento em nosso parque industrial.

O BNDES acha melhor investir nas empreiteiras.

Jaimisson abaixo desta resposta diz que a China não é culpada. Concordo!

Culpados somos nós de não termos tido a coragem que você teve agora há muito tempo atras.

Lamentável é ver a bandidagem do governo roubando o povo e ninguém fazer nada. Lamentável é ver o dinheirão sendo gasto com copas e olimpiadas e a educação e saúde indo para a pqp. Se continuar desta maneira ...logo logo o povo vai estar comendo merda...e não vai ter merda para todos.

Morei e trabalhei na China durante 4 anos. Sempre no setor têxtil, (compras de tecidos, vestuário e contrôle de qualidade), trabalhando para grandes empresas do Canadá e USA.  O povo na China trabalha duro. Vi pequenas cidades pobres que viviam da plantação de arroz se tornarem grandes cidades industriais em um curto espaço de tempo. A China não vive dormindo em berço explendido e se gabando de ser o país do futebol. Agora aguenta ...a bola rola...e o governo enrola. A presida"anta" falou que Deus é brasileiro...coitada...pobre brasileiro quando morre...vai direto para o céu...pois aqui no Brasil já está vivendo no inferno.

1 metro de viscose estampada fabricada no Brasil tem sido vendida em torno de R$18,00 o metro. Tenho fabricantes da China que oferecem viscose estampada de excelente qualidade, estanpa digital, que custa US$1.60 o metro. Ou seja R$3.20 o metro. Com as taxas de importação chega aqui em torno de R$6.20 O metro. Deu para entender? Os pseudo empresários acusam a China e dizem que lá tudo é barato. Mentira!!!

Aqui no Brasil tudo é caro. O país do jeitinho, do jogo de cintura, da lei do Gerson,(levar vantagem em tudo). E ainda estão indo a China e tentando aplicar golpes nos chineses. Represento várias empresas da China e sei quem são os pseudos empresários, importadores e malandros de plantão.

Os chineses estão abrindo lojas própias no Brasil. Já estão tomando o mercado aos poucos. E não tem volta.

Não está havendo invasão de mercado coisa nenhuma. Isto se chama abertura de mercado.

Não estão gostando????....pois bem...o último a sair ...apague as luzes do aeroporto!!!!!

 

Carlos Norvila;

Entre em contato comigo através do meu e-mail.

Tenho excelentes contatos na China no setor têxtil.

Abs;

 

Jaimisson

Boa tarde Carlos;

Entre em contato através do meu e-mail com todos os detalhes e formas de pagamento.

jaimisson_5@hotmail.com

Responder à discussão

RSS

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço