Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Governo Federal chega a consenso sobre política industrial

A presidente Dilma Rousseff se reuniu com quatro ministros, no Palácio da Alvorada, para discutir o tamanho do pacote de desonerações. O novo programa "Brasil Maior" será anunciado amanhã

Sob pressão dos empresários e depois de semanas de divergências internas, o governo chegou a um consenso sobre a nova política industrial, que prevê desonerações fiscais para setores estratégicos da economia como têxtil, calçados e inovação. Com isso, o anúncio das medidas de estímulo, que corria o risco de ser adiado por causa de insatisfação da presidente Dilma Rousseff com a baixa ambição das medidas, foi confirmado para amanhã.

Batizado de “Brasil Maior”, o programa também prevê valorização e incentivo a produtos manufaturados para exportações e uma forte política de defesa comercial. “O anúncio está mantido para amanhã. Não há problema. Agora é só conta”, afirmou o ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel.

A presidente Dilma Rousseff se reuniu com quatro ministros, no Palácio da Alvorada, para discutir o tamanho do pacote de desonerações nesse fim de semana. A proposta foi fechada, mas não divulgada. Técnicos da Fazenda e do Desenvolvimento trabalharam durante a tarde para redigir os atos legais com as medidas.

No caso da Fazenda, os técnicos discutiam como implementar o programa, ou seja, o que será feito por medida provisória e o que será por decreto. Hoje, serão tratados apenas os detalhes para a divulgação. Nos bastidores, empresários que integram o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social chegaram a pedir a Dilma uma desoneração na casa de R$ 40 bilhões, em quatro anos.

Na reunião com os ministros Pimentel, Guido Mantega (Fazenda), Gleisi Hoffmann (Casa Civil) e Aloizio Mercadante (Ciência e Tecnologia), Dilma cobrou novos cálculos para fechar o pacote de desonerações. O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, e os secretários executivos Nelson Barbosa (Fazenda) e Alessandro Teixeira (Desenvolvimento) também participaram do encontro.

Nos últimos dias, Mantega e Pimentel divergiram sobre o tamanho dos incentivos fiscais para impulsionar o desenvolvimento do País. A falta de acordo irritou Dilma. Na reunião do fim de semana, ela mandou a equipe trabalhar até hoje para fechar os números. Avisou, no entanto, que não quer nada acanhado.

ENTENDA A NOTÍCIA

Setores da economia têm um potencial de crescimento subutilizado. Ficam aquém da expectativa, muitas vezes, em função do peso da carga tributária. Bom o Governo Federal por em prática logo uma nova política industrial.

SAIBA MAIS

O ministro da Fazenda avaliou que a crise internacional que atinge a Europa e os Estados Unidos obriga o governo a puxar o freio de mão. Se dependesse apenas dele, o governo não cederia às pressões dos empresários por desonerações para mais setores da indústria. Seu argumento é que a medida também tem impacto sobre o tamanho dos investimentos.

Pimentel, porém, alegou que o governo não podia apresentar um programa de política industrial desidratado. Ao arbitrar o impasse, Dilma deu razão a Pimentel. Além do incentivo a produtos manufaturados para exportações, o “Brasil Maior” terá conteúdo local.

No dia 9, Dilma anunciará medidas para aperfeiçoar o Super Simples. “Vamos dar uma boa melhorada nesse programa”, afirmou a presidente. A desoneração da folha de pagamento das empresas vem na sequência.

Fonte:|http://www.opovo.com.br/app/opovo/economia/2011/08/01/noticiaeconom...

Exibições: 163

Responder esta

Respostas a este tópico

Uffa!!!!

Esperamos até amanhã então

PARECE QUE A INTELIGÊENCIA DO MINISTRO DA FAZENDA VOLTOU A FUNCIONAR DEPOIS DE UM APAGÃO.

SE A EUROPA E A AMERICA ESTÃO PASSANDO POR UMA CRISE E A CHINA CONTINUA A CRESCER, ALGUEM VAI TER QUE ENGOLIR O QUE OS MERCADOS EM CRISE NÃO ESTÃO COMPRANDO.

ESTE ALGUEM SOMOS NÓS AQUI DA AMERICA LATINA E AFRICA.

TEMOS QUE O MAIS RÁPIDO QUE PUDERMOS SEM MUITAS FIRULAS E INVENÇÕES, MUDAR ESTA POLITICA TRIBUTÁRIA BURRA, QUE ESTÁ NOS ASFIXIANDO.

PELO MENOS JÁ ACORDAMOS.

AGORA TEMOS QUE LEVANTAR E SAIR PARA TRABALHAR!  

caramba!!!!! demorou...mas vamos lá....até que enfim!!!! torcer agora para que o país deslanche e estabilizar a economia sem altos e baixos!!!

afinal o governos está aolhando para quem realemnete trabalha!!!!! e gera empregos ""no Brasil"" e nao na Asia!!!!!

adalberto

Ah que bom ver a luz no final do tunel E SABER QUE NAO SAO OS FAROIS DA LOCOMOTIVA!
Certissimo!

adalberto oliveira martins filho disse:

caramba!!!!! demorou...mas vamos lá....até que enfim!!!! torcer agora para que o país deslanche e estabilizar a economia sem altos e baixos!!!

afinal o governos está aolhando para quem realemnete trabalha!!!!! e gera empregos ""no Brasil"" e nao na Asia!!!!!

adalberto

Aguardarei com extrema ansiedade.

Espero que seja algo consistente e não uma "espuma" tipo faz de conta.

O setor merece um grande alívio ou... hasta la vista, baby !!!

Responder à discussão

RSS

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço