Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Nilani Goettems/Valor / Nilani Goettems/ValorSellos, da GRU Airport: meta é aumentar receita com o varejo para 60%

O Aeroporto Internacional de Guarulhos, que desde o ano passado está sob gestão da iniciativa privada, vai abrir uma série de lojas de grifes de luxo, restaurantes e livrarias internacionais em maio. Entre eles, há nomes que estão, literalmente, desembarcando pela primeira vez no Brasil com uma unidade própria. É o caso da marca de lingerie e produtos de beleza Victoria's Secret, da livraria Hudson News, dos restaurantes Margarita Ville e Olive Garden, entre outros.

As lojas ficarão no novo terminal 3, na área restrita para embarques internacionais, onde também estarão os free shops. A inauguração está prevista par maio. No total, serão 15 lojas de grifes como Salvatore Ferragamo, Burberry, GAP, Desigual, Diesel, Michael Kors e Coach (ver tabela), que ocuparão uma área batizada de GRU Avenue em referência à 5ª avenida em Nova York.

O custo dos produtos será cerca 30% inferior em relação aos itens vendidos em shoppings ou lojas de rua devido à isenção do imposto de importação das mercadorias. As 15 lojas serão administradas pela Dufry e os contratos de locação [conhecidos no setor como cessão de espaço] têm duração média de três a cinco anos, podendo em alguns casos chegar a dez anos.

"Seguimos uma tendência de outros importantes aeroportos que também abrigam lojas de grifes. Mesmo os passageiros comprando em outros países, o consumo em lojas de aeroporto é expressivo. Um exemplo são os free shops", disse Fernando Sellos, diretor comercial da GRU Airport, gestora do aeroporto. Antes, ele era executivo do Shopping Iguatemi.

Sellos cita a loja da Louis Vuitton do aeroporto de Seul, cujo faturamento anual é de cerca de US$ 90 milhões - um dos melhores desempenhos da grife de bolsas e acessórios no mundo. Outro exemplo são as três cafeterias Starbucks localizadas no aeroporto de Cumbica que estão entre as cinco unidades com maior receita no país. Segundo Sellos, ainda não é possível fazer uma comparação com varejistas de moda porque esse segmento ainda tem pequena representatividade hoje. Nos nove primeiros meses do ano passado, a receita líquida do Aeroporto de Guarulhos somou R$ 905 milhões e o lucro líquido, R$ 61 milhões.

"Estamos em um processo para aumentar gradativamente a receita de cessão de espaços [aluguel de lojas]. Em 2012, o varejo representava 40% e as tarifas aeroviárias 60%. Em 2013, já conseguimos equilibrar esse mix e neste ano a meta é inverter esses percentuais", explicou Sellos. A GRU Airport assumiu em maio de 2013 a gestão do aeroporto paulista por 20 anos.

O novo terminal 3 abrigará ainda a livraria americana Hudson News - do grupo Dufry e que está presente em mais de 70 aeroportos no mundo. A Hudson News já havia demonstrado interesse em abrir sua primeira unidade no aeroporto brasileiro, mas perdeu a concorrência para a Saraiva. Outra novidade é a chegada da francesa Fnac Digital, especializada em produtos e acessórios tecnológicos. "O único aeroporto a ter uma Fnac Digital é o Charles de Gaulle, em Paris. Além disso, a loja de Guarulhos será a primeira do grupo nas Américas", contou Sellos.

Ainda no segmento de serviços será inaugurada a primeira loja no país da National Geographic - que comercializa livros, roupas, artigos de decoração e presentes com a marca inspirada em temas do meio ambiente, animas e natureza.

O novo terminal 3 contará também com 27 restaurantes, lanchonetes e cafés. Alguns deles são redes internacionais como a americana Margarita Ville, trazida pela IMC (dona do Viena), do italiano Olive Garden, que tem quase 800 pontos no mundo, e da cafeteria italiana Café Pascutti. Outras redes internacionais, que abriram recentemente unidades no aeroporto como a hamburgueria Carl's Jr e a Garrett Popcorn vão ter um segundo ponto no terminal 3.


© 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.

Leia mais em:

http://www.valor.com.br/empresas/3427060/grifes-de-luxo-desembarcam...
Por Beth Koike | De São Paulo

Exibições: 1155

Responder esta

Respostas a este tópico

O custo dos produtos será cerca 30% inferior em relação aos itens vendidos em shoppings ou lojas de rua devido à isenção do imposto de importação das mercadorias.

Sem comentários!!!

Responder à discussão

RSS

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço