Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Um levantamento feito pelo Núcleo de Pesquisas do Vestuário (Nupev), do CEFET sobre o desempenho do setor vestuário da cidade mostra que no primeiro semestre houve uma queda considerável de postos de trabalho.

Em relação ao ano passado as pesquisas mostram que o setor de emprego ficou instável. No período de janeiro a julho de 2011 houve redução de 161 postos de trabalho.

Os níveis salariais também divergiram, de acordo com setor. A pesquisa mostra que no mês de julho o maior salário médio pago foi para o cargo de gerente de loja com um salário médio de R$ 1.850,00 e o maior saldo de empregos foi para o cargo de modelista de roupas um saldo de 3 entre admissões e demissões no mesmo mês.

Considerando as ocupações com maiores saldos na criação de emprego no setor, o levantamento aponta que os maiores salários médios pagos foram para os cargos de gerente comercial e desenhista industrial (designer) com salário médio de R$ 1.497,43 e R$ 1.205,50, respectivamente. Dados do Nupev mostram ainda que o maior saldo de empregos foi para o cargo de acabador de embalagens com um saldo de 16 entre admissões e demissões no primeiro semestre.


COMPARATIVOS

A pesquisa verifica os níveis salariais entre Divinópolis e outras cidades de Minas, a cidade de São Paulo e Goiânia. O maior salário médio pago em algumas das principais cidades do setor da confecção no Brasil, é em São Paulo sendo R$ 871,42 para costureira e R$ 779,99 para arrematadeira.
Além disso, fica evidenciado que o salário médio pago nesse setor em Divinópolis R$ 656,00 para costureira e R$ 572,51 para arrematadeira é maior que nas cidades de Belo Horizonte, Formiga e Goiânia. Em BH o salário de ambas as profissões é de R$ 616,00. Já em Formiga uma costureira recebe em média R$ 624,00 e uma arrematadeira R$552,00. Goiânia paga pelo serviço de arremate R$ 559,91 e pelo serviço de costura R$ 613.

EQUIPAMENTOS

A pesquisa mostrou ainda que alguns insumos e equipamentos utilizados pelas indústrias de confecções na cidade como agulhas, por exemplo, podem variar até 80% dependendo do estabelecimento comercial. Já os artigos de vestuário como uma camisa de malha pode variar mais de 415%, segundo o levantamento.


MODA

O país vem se destacando no cenário de moda internacional. O Brasil é o 6º maior parque têxtil do mundo, sendo o terceiro maior produtor de malhas e o segundo maior na produção de denim. Além disso, o país é auto-suficiente na produção de algodão. Referência nos segmentos jeanswear, homewear e beachwear, o país produz anualmente 9,8 bilhões de peças de vestuário.

O setor têxtil é responsável por 17,5% do PIB da indústria de transformação nacional e por cerca de 3% de todo o PIB do Brasil. Toda a cadeia produtiva soma um total de aproximadamente 30 mil empresas, movimentando US$ 46 bilhões/ano e empregando 1,65 milhões de trabalhadores. As empresas de pequeno e médio porte representam quase 70% da produção, no entanto, a maior parte dos empregos do setor é gerada nas empresas de pequeno porte. O recorte por público-alvo mostra que são as mulheres as grandes consumidoras de moda no país, correspondendo a 41% da produção, o público masculino 35%, a moda infantil 18% e a moda bebê, apenas 5%.

Fonte:|http://www.g37.com.br/index.asp?c=padrao&modulo=conteudo&ur...

 

Exibições: 170

Responder esta

Respostas a este tópico

"Se correr o bixo pega, e se ficar o bixo come"

Essa foi minha situação, sou de Divinópolis, mais fiz faculdade em Goiânia. No inicio deste ano, tive que optar por continuar em Goiânia ou voltar para Divinópolis.

O resultado dessa pesquisa apenas me desmotivou ainda mais... 

Mais bom saber que em Divi os sálarios estão um pouco maior do que das demais cidades!

Queria saber em qual região do Brasil os profissionais das confecções são valorizados???

Responder à discussão

RSS

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço