Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Polo de Confecções, em Pernambuco, fatura R$ 1,1 bilhão por ano, e PIB de alguns municípios dobra em uma década.

Nem royalties, nem riqueza natural e muito menos alguma versão cabocla do Vale do Silício nos EUA. Foi de retalho em retalho, com fabriquetas no início só de fundo de quintal e sem qualquer interferência do estado, que Toritama — localizada a 167 quilômetros de Recife — construiu sua economia. A cidade, que possui o menor território de Pernambuco (33 quilômetros quadrados), não tem desemprego, importa trabalhadores, e seu crescimento é para lá de chinês. Ao longo de quase uma década, o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 101,2%, enquanto a população aumentou 63,1%. A cidade é considerada “a capital do jeans” e consome 14% de toda a produção brasileira do tecido.

<br / Edilson de Lima apostou no potencial da região e produz mais de 25 mil peças Foto: Hans Von Manteuffel" height="375" width="500" />

Edilson de Lima apostou no potencial da região e produz mais de 25 mil peças Hans Von Manteuffel


O fenômeno, embora em números menores, se repete no chamado Polo das Confecções, conjunto de dez municípios localizados no agreste do estado que no mesmo período registrou crescimento de 56,1%, maior, portanto, do que o de Pernambuco (44,3%), do Nordeste (47,9%) e o do próprio país (36,2%). Isso é o que revela o Estudo Econômico do Arranjo Produtivo Local (APL) de Confecções do Agreste Pernambucano, divulgado pelo Sebrae.

O levantamento mostra que, só em 2011, a atividade gerou faturamento de R$ 1,1 bilhão no Polo de Confecções, dinheiro bastante para uma área que antes dependia da agricultura, enfrentava fome provocada por secas constantes e que, ainda hoje, carece de água. Em quase todo o polo, carros importados e motos convivem com caminhões-pipa ou água carregada em lombo de jumento. A pesquisa foi efetuada nos dez municípios mais conhecidos pela atividade, mas comerciantes e fabricantes da área admitem que o polo está se expandindo por pelo menos 18 cidades.

Economia cresce mais do que população

O estudo mostrou que em todos os municípios pesquisados o crescimento econômico foi bem maior do que o populacional, e que o polo soma hoje 18.803 unidades produtivas, sendo 10.743 consideradas empresas enquanto 8.060 são unidades complementares, as chamadas “facções”, nome utilizado para definir prestadoras de serviço, normalmente domésticas, que ganham por produção. Ao todo, são 107.177 empregos gerados no APL, respondendo por 19,8% da participação de ocupados em confecções.

Segundo o Sebrae, nos últimos cinco anos, 72% das empresas não pediram dinheiro emprestado a bancos, o mesmo ocorrendo com 9% dos empreendimentos complementares. Mesmo assim, a cada ano, as dez cidades produzem 842,5 milhões de peças que escoam em sua maior parte para o Nordeste (74,9%). Mas elas chegam a todo o país, inclusive ao Sudeste (12,8%), Norte (6,9%), Centro-Oeste (3,4%) e Sul (2%).

Conhecida em meados do século passado pela sua produção de artigos de couro, principalmente sapatos, Toritama entrou em decadência a partir dos anos 80, com o desenvolvimento de outros polos calçadistas na região. Mirou-se no exemplo de Santa Cruz do Capibaribe, onde sua população ia em busca de tecidos para transformar em confecções, e assim, sobreviver. O que mais sobrava nas feiras eram os retalhos de jeans.

— Íamos a Santa Cruz do Capibaribe, pois naquela época as confecções só se interessavam pelas malhas. Toritama aproveitou esse vácuo e descobriu um novo nicho no mercado — revela Edilson Tavares de Lima, empresário e presidente do Núcleo Gestor da Cadeia Têxtil e Confecções do Agreste. Hoje, ele e os irmãos administram fábrica de confecções, loja e lavanderia. A indústria, a Zagnetron, produz mais de 25 mil peças por mês de jeans em sua grande maioria.

Outra empresária que começou de forma tão informal foi Maria de Fátima do Nascimento, proprietária da Yanomami. Apesar de ter curso de administração e ter passado um ano trabalhando em empresas, decidiu entrar no ramo de confecções. Formalizou a empresa, criou a Samkara, que produz três mil peças por mês e escoa 40% da produção para outros estados.

Vanessa Galdino da Silva, de 28 anos, é de uma família pernambucana que morava em São Paulo há 30 anos. Há sete anos, a família inverteu o tradicional fluxo migratório e se mudou para Caruaru, a 130 quilômetros da capital, e uma das dez cidades integrantes do Polo de Confecções do Agreste. O chefe da família, porém, não se adaptou e voltou. Já mãe preferiu ficar e montou uma confecção.

Azenatry Leite de Souza, de 22 anos, morava com os pais no litoral sul de Pernambuco, de onde saíram, também para Caruaru, onde ela estudou e hoje é designer contratadas pela Zagnetron, de Toritama, junto com Vanessa. Elas criam coleções para três marcas da empresa, com características voltadas para consumidores de outros estados e da região.

Gilvaneide Clementina de Lima, de 39 anos, morava no sertão da Paraíba, no município de Água Branca, mas desistiu da lavoura, devido às secas. Ela escolheu Santa Cruz do Capibaribe, onde começou limpando o chão da Yanomami, e hoje ganha a vida como costureira na empresa. Gilvaneide trouxe a irmã, Gaudência Maria da Silva, de 24 anos, que há seis anos trabalha no mesmo local.

Fonte:|http://noticias-do-brasil.cbnfoz.com.br/noticias-do-brasil/editoria...

.

.

.

.

.

.

.

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - Clique Aqui

Exibições: 578

Responder esta

Respostas a este tópico

Parabens para todos moradores que fizeram desta cidade um polo textil com um crescimento acima da média nacional.

Estou à procura de OPORTUNIDADES na área de produção para GERENCIAR/SUPERVISIONAR/COORDENAR será que tem vagas por lá?Se tiver nos informe e parabéns à todos que batalharam para que isto acontecesse.Meu e-mail CARLOSJOSEDSILVA@YAHOO.COM.BR.

Este é o Brasil que dá certo, parabéns a este belo exemplo de sucesso!

Responder à discussão

RSS

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço