Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Desenvolver produtos e campanhas com base em segmentação por gênero é a regra em vários segmentos de mercado. Porém, em alguns casos, empresas já começam a abandonar esse critério na categorização de produtos e direcionamento de sua publicidade. A Mattel apresentou nesta semana uma nova linha de bonecos com gênero neutro, com diferentes tons de pele, cabelos e roupas cambiáveis. O Mercado Livre, por sua vez, apresentou na semana anterior uma campanha de moda sem gênero, que marca o lançamento de uma seção de roupas sem gênero em seu marketplace.

Resultado de imagem para imagens de moda sem gênero

Além dessas marcas, há uma nova leva de pequenos negócios de moda e até grandes varejistas experimentando a criação de coleções sem gênero, na tentativa de atrair as gerações mais novas e consumidores pouco apegados a rótulos de gênero. “Hoje o mundo é mais fluído, os conceitos são menos estáveis. O que é ser feminino e o que é ser masculino está mudando, precisamos repensar novas definições de público e ser mais flexíveis e adaptáveis”, afirma o CEO da consultoria Interbrand, Beto Almeida.

A campanha sobre moda sem gênero do Mercado Livre, desenvolvida pela agência GUT, está sendo veiculada na Argentina, Chile, Colômbia, México, Peru, Uruguai e Venezuela. Segundo a diretora de marketplace do Mercado Livre Latam, Cristina Farjallat, a ideia não é acabar com a segmentação de gênero, mas ampliar as opções de escolha no e-commerce. As seções de moda masculina e feminina continuam existindo.

“Resolvemos liderar a naturalização da moda sem gênero ao criar a primeira categoria de moda sem gênero em um marketplace na América Latina. É uma seção aberta a todas as marcas que queiram participar e a todos que desejam se vestir de forma livre e confortável”, explica.

A Mattel, por sua vez, levou 18 meses para desenvolver sua linha de bonecos neutros e seus acessórios, trabalhando junto a pediatras e experts sobre identidade de gênero. A marca também realizou pesquisas com 250 famílias americanas e crianças com diferentes identidades de gênero.

“Falamos com as crianças sobre as características que gostariam de ver em bonecos e entendemos que elas não querem que digam a elas com o que devem brincar, que meninos brincam com carros e meninas brincam com bonecas”, disse Kim Culmone, executiva que liderou o time de design dos bonecos, ao The New York Times. Ao jornal, a empresa também afirmou que espera que os novos produtos sejam tão aspiracionais quanto a Barbie.

Entre as grandes varejistas de moda, a C&A é é uma das marcas que já testaram linhas genderless. A empresa lançou em 2016 sua primeira coleção sem gênero, seguida pela campanha “Tudo Lindo & Misturado”, que também destacava a versatilidade de suas peças para pessoas com diferentes identidades de gênero. No ano passado, realizou uma coleção licenciada em parceria com a Lab Fantasma, marca dos irmãos Emicida e Fióti, cujas peças seguiam o mesmo propósito.

Mais recentemente, a C&A passou a apoiar a websérie do apresentador e influenciador Caio Braz, chamado Toda Roupa Pode. No programa, que estreou na semana passada, personalidades de várias áreas falam de sua relação com a moda. “A maioria dos entrevistados utiliza a moda como uma ferramenta política de afirmação de sua identidade”, afirma Mariana Moraes, gerente divisional de marketing da C&A Brasil.

Embora o movimento sem gênero pareça recente, a quebra de paradigmas, principalmente na moda, faz parte da evolução histórica desse segmento. “Coco Chanel deu os primeiros passos para a diversidade na moda em 1920, quando adotou suéter e calças masculinas para mulheres. Ela não mudou só a moda, mas todo o comportamento feminino”, relembra Beto Almeida, da Interbrand. A tendência, segundo ele, é que marcas foquem mais na experiência de compras e reforcem atributos de conforto e estilo, em vez do gênero das peças.

Do ponto de vista estratégico, é preciso cuidado antes de embarcar no desenvolvimento de produtos e comunicação sem gênero. “A marca precisa ter consistência nos diferentes pontos de contato, inclusive com colaboradores”, pondera, alertando que o discurso de inclusão deve ser coerente também da porta para dentro da empresa.

http://sbvc.com.br/marcas-neutralidade-genero/

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - CLIQUE AQUI

Exibições: 206

Responder esta

© 2019   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço