Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Nota da ABVTEX sobre o flagrante de trabalho escravo na Renner

“A Associação Brasileira do Varejo Têxtil informa que, a partir das denúncias levadas a público, a oficina Leticia Paniagua Verdugues MF foi imediatamente suspensa da Certificação de Fornecedores. A auditoria de Certificação desta subcontratada foi realizada pelo Bureau Veritas, um dos organismos independentes responsáveis pelas auditorias de certificação da entidade.

A associação reitera que a Certificação foi lançada em setembro de 2010, num esforço setorial reunindo as grandes empresas varejistas signatárias do programa para coibir especialmente o uso de mão de obra análoga à escrava e atuar em defesa da formalização da cadeia de fornecedores. A certificação tem passado por aprimoramentos desde sua criação, mas como qualquer processo de certificação, este é impotente ante a má fé de algumas empresas de confecção.

A ABVTEX e as redes varejistas associadas e signatárias da Certificação reiteram seu repúdio ao trabalho escravo e continuarão seu trabalho de monitoramento de fornecedores e subcontratados, apoiando o poder público que responde pela fiscalização na cadeia têxtil.

Até outubro de 2014, um total de 9.621 empresas de todo o País já haviam sido cadastradas na certificação, das quais 7.024 obtiveram a certificação e 2.059 encontram-se em situação de plano de ação pendente, ou seja, ainda não receberam a certificação em função de ações corretivas.

Criada a partir de discussões intensas que envolveram representantes das redes varejistas, entidades ligadas à indústria têxtil, ONGs e organismos certificadores, o processo de certificação estimula o desenvolvimento de uma cadeia de fornecimento ética e responsável para a evolução do setor de varejo de moda no país. As empresas varejistas que são signatárias do programa assumem, além da promoção da certificação em suas respectivas redes de fornecimento, o compromisso de monitorar continuamente seus fornecedores e subcontratados. Ou seja, a certificação ABVTEX é mais uma importante ferramenta para as redes varejistas nesta complexa e incansável tarefa de monitoramento.”

FONTE: http://reporterbrasil.org.br/2014/11/nota-da-abvtex-sobre-o-flagran...

Exibições: 934

Responder esta

Respostas a este tópico

Na verdade a ABVtex(criada pelas grande redes de magazines)  fiscaliza as oficinas  de terceirização uma vez por ano, atraves de terceiros,  para verificar  se as exigencias trabalhistas estão sendo cumpridas. São visitas programadas, sempre pagas. A ABVtex não  realiza visitas  de rotina para verificar se todas as operações terceirizadas estão sendo feita por estes empregados das oficinas e não repassadas a terceiros.Ou seja:Faz de contas que fiscaliza.É aqui que mora o perigo! Emite um certificado para os grandes atacadista se defenderem de acusação de uso de mão de obra escrava. Quando o caso é identificado ,retiram a certificação e só. Bem cretino este posicionamento.

estas malditas redes de fast fashion, e uma das grandes desgraças deste pais, escraviza os micro empresarios, que trabalham dia e noite para cumprir as metas de entregas por preços irrisorios, so que ninguem fala do infeliz do micro, so fala dos trabalhadores, sera que um empresario que chega a trabalhar ate 16 horas por dia para poder tirar o seu sustento tambem nao esta sendo escravizado por estas redes? conheço casos aqui perto de mim de empresa que quando terminava o turno, ficava pai, mae e filha a trabalhar ate meia noite, para que no fim do mes tivessem condiçao de apenas pagar as contas, isto voces chamam de que?

Esses mesmos Magazines, quando Trazem peças e muitas peças da China, India, bangladesch , nao se importam com o Trabalho escravo né ?? PORQUE LA É O QUE MAIS TEM.


  verdade !!
francisca gomes vieira disse:

estas malditas redes de fast fashion, e uma das grandes desgraças deste pais, escraviza os micro empresarios, que trabalham dia e noite para cumprir as metas de entregas por preços irrisorios, so que ninguem fala do infeliz do micro, so fala dos trabalhadores, sera que um empresario que chega a trabalhar ate 16 horas por dia para poder tirar o seu sustento tambem nao esta sendo escravizado por estas redes? conheço casos aqui perto de mim de empresa que quando terminava o turno, ficava pai, mae e filha a trabalhar ate meia noite, para que no fim do mes tivessem condiçao de apenas pagar as contas, isto voces chamam de que?

A verificação dessa oficina foi feita em SETEMBRO de 2014!!!

A única irregularidade era o alojamento e esse resultado abre precedente para que qualquer empresa possa ser responsabilizada por um erro em um fornecedor. Não é mais só cotar preço o que você precisa fazer é ir verificar semanalmente se há algum problema em seus fornecedores!

A certificação que não se responsabiliza por esse tipo de problema não pode ser aceita!

Responder à discussão

RSS

© 2022   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço