Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

O que marcas, varejistas e indústrias podem fazer em meio a pandemia de Covid-19?

Com o cenário da pandemia de Covid-19 e todas as suas implicações na sociedade e economia, como as medidas de isolamento, diversos setores precisaram reduzir ou interromper suas atividades. Este é um momento delicado para todos, onde precisamos fortalecer a coletividade, atentar para os mais vulneráveis e garantir o bem-estar de nossas comunidades. Projetar e implementar medidas visando valores éticos e humanos é fundamental para passarmos por esta crise de maneira responsável. 

Desde a tragédia do Rana Plaza, em 2013, o Fashion Revolution mobiliza a sociedade em prol de uma indústria da moda que respeite e valorize a vida de todos que fazem parte da sua cadeia e também a Natureza. Neste momento de crise, a mobilização não é diferente. Convidamos marcas, indústrias e varejistas para se articularem, de acordo com com seu contexto…

Na Semana Fashion Revolution… 

Participando digitalmente! Incentivamos que a Semana Fashion Revolution seja um espaço catalisador com informações de qualidade, oferecendo visibilidade para grupos e iniciativas que precisam e provocando questionamentos pertinentes.

Alguns eventos físicos foram realocados para acontecer online, com links de transmissão hospedados em uma agenda no hotsite da Semana Fashion Revolution, além de outros conteúdos em nossas mídias sociaisblogs e newsletter

Se você é marca, indústria ou varejista, pode participar das seguinte maneiras: 

• Revelando como você tem gerenciado esta crise: divulgue quais têm sido suas políticas de gestão de crise neste momento. Como você está apoiando sua rede de fornecedores? Seus trabalhadores estão em isolamento social? Eles têm o salário garantido? Queremos conhecer suas políticas e fortalecer uma rede de colaboração para construirmos medidas éticas em conjunto, somando esforços. 

Use a hashtag #SemanaDigital para acompanharmos as ações que acontecerão neste período, junto das hashtags de campanha usuais como #FashionRevolution #QuemFezMinhasRoupas #DoQueSãoFeitasMinhasRoupas. Vamos reunir em uma tag a profusão de ideias criativas que irão surgir neste período de reflexões, aprendizados, criação e solidariedade. Essa é a semana que queremos ver acontecer. 

• Respondendo em suas redes #QuemFezMinhasRoupas: quando receber alguma pergunta com a hashtag #QuemFezMinhasRoupas sempre responda com as hashtags #EuFizSuasRoupas #FashionRevolution #SemanaDigital, mostrando o máximo de pessoas envolvidas no seu negócio e deixando-as contar um pouco da sua história e como estão neste momento de crise. Não esqueça de marcar o @fash_rev_brasil.

• Respondendo em suas redes #DoQueSãoFeitasMinhasRoupas: compartilhe qual a matéria prima utilizada nas roupas que você produz, de onde ela vêm, como é feita e quais são os trabalhadores envolvidos em seus processos. Divulgue de que forma você tem utilizado os recursos naturais e matérias primas neste momento de crise. 

• Baixando e interagindo com os materiais do Fashion Revolution:  vamos continuar perguntando #QuemFezMinhasRoupas, mas queremos ir além e por isso preparamos um material de campanha para ser utilizada em suas plataformas digitais:

 Baixe agora, responda e compartilhe em suas redes! 

• Promovendo algum evento online: você pode promover, a partir da resposta de #QuemFezMinhasRoupas e #DoQueSãoFeitasMinhasRoupas, uma conversa online com algum trabalhador da sua rede, ou falando da composição das peças e ainda das suas políticas de gestão de crise. Incentivamos o uso equilibrado das mídias neste momento, colaborando para promover visibilidade a grupos e iniciativas que precisam de força neste momento.

• Promovendo ativações online sobre como aumentar a durabilidade das suas peças: você pode promover ativações online, como oficinas, publicações e matérias, sobre como preservar, fazer pequenos consertos e transformar suas peças. 

Além disto, neste momento de crise, sua atuação também pode ser… 

• Garantindo a segurança e integridade de seus trabalhadores e fornecedores: os trabalhadores são a ponta mais vulnerável e vem sofrendo com os impactos da freada de produção e consumo; muitos deles, principalmente os informais, já estão sem ou com pouquíssima demanda de produção, e consequentemente sem um salário integral ao final do mês. Por isso, os trabalhadores precisam ter garantia de segurança e integridade física e financeira, não sendo submetidos à condições insalubres e exploratórias.

• Utilizando sua força produtiva: a indústria da moda pode utilizar sua força produtiva para fornecer os materiais considerados urgentes pelo Governo Federal, como uniformes hospitalares para profissionais de saúde que atuam no combate direto do vírus. A Associação Brasileira das Indústrias Têxteis (ABIT) criou uma plataforma para aproximar empresas que querem auxiliar. Acesse aqui.

• Contribuindo e disseminando informações seguras para orientar sua rede de trabalhadores e comunidade: seja por meio de comunicados institucionais ou ativações em mídias sociais, as plataformas de comunicação são aliadas em meio a crise. Comunique além do produto e ajude a disseminar as recomendações competentes, de acordo com sua localidade, e também reflexões, aprendizados e propostas.

• Apoiando e divulgando campanhas de arrecadação online: muitas pessoas tem enfrentado dificuldades socioeconômicas em meio a pandemia, inclusive trabalhadores da indústria da moda e outros grupos de empreendedores autônomos. Diante disso, várias campanhas de arrecadação (de alimentos, materiais de higiene, dinheiro, etc.) foram criadas para dar suporte à cooperativas, trabalhadores informais, moradores de periferias e outros. Para fortalecer e disseminar essa corrente, compilamos várias iniciativas que precisam de apoio: acesse aqui. Se você pode ajudar – seja monetariamente, oferecendo serviços ou divulgando – colabore para juntos formarmos esta rede de colaboração. 

• Acompanhando as políticas, para esta crise, fomentadas pelo órgãos públicos: entendendo que o poder público tem o dever de proporcionar amparo e assegurar condições sustentáveis para os negócios e trabalhadores, caminhando em paralelo com as responsabilidades sociais das marcas, varejistas e demais empresas do setor, como as confecções, tecelagens, malharias, estamparias, lavanderias, fiações e outras, incentivamos você a acompanhar o andamento das políticas públicas, como por exemplo a Renda Básica Universal, que está em fase de aprovação. Confira outras medidas oficiais aqui.

• Ficando a par dos direitos dos trabalhadores neste momento: busque conhecer quais são os direitos dos trabalhadores, principalmente neste momento de crise, e coopere para seu fortalecimento. Veja mais aqui.

• Lendo e se informando sobre o assunto: o cenário vem mudando muito rápido, e com isso as informações também. Se informe de maneira saudável sobre o assunto: compilamos vários links e matérias aqui

Por fim, acreditamos que este momento de reclusão pode ser de olhar para dentro, fazer um balanço e compreender a forma debilitada que temos nos relacionado com o planeta e com as pessoas. Esta pode ser uma virada em nossos processos produtivos, de criação e geração de valor. Nosso convite é para que essas reflexões e consciências brotem e se transformem em mudanças no futuro que construímos.

Vamos juntos? 

https://www.fashionrevolution.org/brazil-blog/o-que-marcas-varejist...

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - CLIQUE AQUI

Exibições: 284

Responder esta

Respostas a este tópico

   Utilizando sua força produtiva: a indústria da moda pode utilizar sua força produtiva para fornecer os materiais considerados urgentes pelo Governo Federal, como uniformes hospitalares para profissionais de saúde que atuam no combate direto do vírus. A Associação Brasileira das Indústrias Têxteis (ABIT) criou uma plataforma para aproximar empresas que querem auxiliar. Acesse aqui.

Responder à discussão

RSS

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço