Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

O vestido de noiva de Jacqueline Kennedy foi feito por uma estilista negra. Por que ninguém fala sobre ela?

Jacqueline e John Fitzgerald Kennedy deixando a Igreja após a cerimônia de seu casamento Foto: ArquivoJacqueline e John Fitzgerald Kennedy deixando a Igreja após a cerimônia de seu casamento Foto: Arquivo

Ann Lowe não teve seu nome reconhecido, apesar de também ter entre seus clientes os Rockfeller e os Roosevelt.

Jacqueline Kennedy Onassis é um nome incontornável da moda. Morta em 1994, a ex-primeira dama americana continua a ser um símbolo de elegância, bom gosto e faro aguçado para a escolha de suas roupas. Que o diga a atual ocupante da Casa Branca, Melania Trump , que já apareceu algumas vezes vestida à la Jackie. Talvez só Audrey Hepburn tenha exercido o mesmo fascínio — duradouro e intenso — nos corações dos amantes da moda.

Fascínio que começou quando Jacqueline Lee Bouvier se casou com o então senador John Fitzgerald Kennedy , em setembro de 1953. Eram jovens e bonitos, enfim, uma promessa. Seu vestido de noiva já mostrava os primeiros sinais do estilo que daria a Jackie o título de "ícone da moda": já estavam lá o colar de pérolas , uma herança de família, e o decote ombro a ombro, que ela usaria tantas outras vezes. O modelo, todo confeccionado em tafetá marfim, consumiu mais de 45 metros de tecido e, apesar da saia volumosa, tinha a elegância discreta que é tão marcante em Jackie. Foi, e continua sendo, copiado por noivas mundo afora. Mas, você sabe quem desenhou o vestido de noiva de Jacqueline Kennedy?

Post de estudante de marketing viralizou no Twitter contando a história da criadora do vestido de noiva de Jacqueline Kennedy: Ann Lowe Foto: reprodução
Post de estudante de marketing viralizou no Twitter contando a história da criadora do vestido de noiva de Jacqueline Kennedy: Ann Lowe Foto: reprodução

Um Tuíte, que viralizou esta semana, trouxe a história do vestido de volta. E com ela a história de uma mulher negra que jamais recebeu crédito por sua obra: Ann Lowe .

"Ann Lowe nunca recebeu crédito pelo vestido em vida. Quando questionada sobre quem tinha feito o vestido, Jackie simplesmente respondia: 'uma costureira de cor'", diz o post, que teve dezenas de milhares de compartilhamentos desde sua publicação, em 27 de agosto.

Quem foi Ann Lowe?

Ann Cole Lowe nasceu em dezembro de 1898, em Clayton, no estado americano do Alabama. A bisavó foi escravizada em uma fazenda onde era abusada sexualmente pelo proprietário da terra. A avó, nascida dessa violência, e a mãe eram costureiras, e foi com elas que Lowe aprendeu seu ofício.

Quando a mãe morreu, deixou inacabados quatro vestidos de festa encomendados pela primeira-dama do Alabama. Lowe, então com 16 anos, os finalizou e nunca mais parou de trabalhar.

Lowe se casou e teve um filho e, quando o marido pediu que deixasse de costurar, ela aceitou por um tempo, mas o deixou quando foi contratada para fazer o vestido de casamento de uma cliente na Flórida.

Ann Lowe em seu ateliê Foto: Reprodução
Ann Lowe em seu ateliê Foto: Reprodução

Aos 18 anos, ela se mudou para Nova York com o filho disposta a estudar moda. Deixou a administração da escola em choque ao perceberem que tinham admitido uma mulher negra. Segregada dos colegas de classe, teve desempenho excelente e se formou antes do tempo, apesar de ser obrigada a assistir às aulas sozinha em uma sala separada. Depois da graduação, Lowe voltou para a Flórida, onde abriu o ateliê Annie Cohen e passou a costurar para a elite local.

Foram dez anos de trabalho na Flórida até que a estilista retornasse a Nova York. Na cidade, já a capital da moda americana, passou a desenhar para grandes varejistas como Henri Bendel , Neiman Marcus e Saks Fifth Avenue . Cansada de não receber crédito, abriu com o filho um ateliê e passou a criar vestidos para a alta sociedade, incluindo os Rockfeller e os Roosevelt .

Em 1942, Lowe foi contratada por Janet Auchincloss, mãe de Jacqueline, para desenhar o vestido de seu casamento com Hugh D. Auchincloss. Anos depois, em 1953, Janet indicou Lowe para desenhar o vestido de noiva de sua filha. Mas Jackie tinha voltado de Paris e queria um vestido "simples e francês", coisa que o patriarca dos Kennedy, Joseph Kennedy, não aceitou.

Ann Lowe e suas assistentes trabalharam no vestido de Jackie durante meses. Dez dias antes da cerimônia, um incêndio no ateliê destruiu dez dos 15 vestidos encomendados à estilista para a festa, incluindo o da noiva, o de sua mãe e os das madrinhas. Foram dias e noites de trabalho insano para recuperar tudo a tempo da festa. Ao final, Lowe perdeu dinheiro com a encomenda.

Quando foi pessoalmente a Newport entregar os vestidos, Ann Lowe foi guiada à entrada de serviço, mas se recusou. Ela teria dito que os vestidos entrariam com ela pela porta da frente ou voltariam a Nova York. Entraram todos pela frente.

Embora a festa de casamento de Jacqueline e John F. Kennedy tenha tido ampla cobertura da mídia, o nome de Ann Lowe só apareceu uma única vez, em uma matéria do jornal americano "Washington Post".

A historiadora da moda Margaret Powell, morta no ano passado, trabalhava em um livro sobre Lowe. Ela chegou a afirmar que a frase atribuída à Jackie — "Eu queria ter ido a Paris, mas uma pessoa de cor fez o vestido" — nunca foi dita. Fake news.

Sabe-se, no entanto, que foi apenas em 1964, quando Ann Lowe deu entrevista à revista "Ebony", que Jacqueline soube do incêndio no ateliê e de todo o esforço da estilista e de sua equipe para que o vestido ficasse pronto a tempo da cerimônia.

Nos Oscar de 1947, a atriz Olivia de Havilland e o Ator James Stewart. Ela usa vestido de Ann Lowe, estilista negra que também fez o vestido de casamento de Jacqueline Kennedy Foto: Reprodução
Nos Oscar de 1947, a atriz Olivia de Havilland e o Ator James Stewart. Ela usa vestido de Ann Lowe, estilista negra que também fez o vestido de casamento de Jacqueline Kennedy Foto: Reprodução

Ann Lowe também desenhou o vestido que a atriz Olivia de Havilland usava quando recebeu o Oscar de Melhor Atriz pelo filme "Só resta uma lágrima", em 1947. Na etiqueta constava "Sonia Rosenberg".

Ann Lowe foi a primeira mulher negra americana a ser reconhecida como designer de moda. Apesar da reputação de seu trabalho no high society americano, em meados dos anos 1960, a estilista acumulava dívidas na casa dos milhares de dólares. Os clientes pagavam valores menores a mulheres negras.

https://oglobo.globo.com/celina/o-vestido-de-noiva-de-jacqueline-ke...

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - CLIQUE AQUI

Exibições: 504

Responder esta

Respostas a este tópico

 Ann Lowe foi a primeira mulher negra americana a ser reconhecida como designer de moda. Apesar da reputação de seu trabalho no high society americano, em meados dos anos 1960, a estilista acumulava dívidas na casa dos milhares de dólares. Os clientes pagavam valores menores a mulheres negras.

Responder à discussão

RSS

© 2019   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço