Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Parceria garante revitalização da produção de algodão orgânico no Sertão


Algodão Colorido

Para revitalizar a cultura do algodão orgânico no Sertão, o Governo do Estado, por meio da Emater Paraíba, regional de Sousa, está buscando parceria e já realizou uma reunião no Distrito de Irrigação das Várzeas de Sousa, com a participação de várias autoridades do setor público agrícola, bem como com 93 produtores rurais para definição de uma programação para a produção em toda a região.

O projeto começa com 57 produtores já inscritos e que vão utilizar uma área de 54 hectares com o algodão orgânico.

No projeto, a Emater Paraíba terá a incumbência de mobilizar os agricultores e prestar assessoramento técnico. As prefeituras municipais entrarão com a contrapartida e a preparação do solo para o plantio, informou o coordenador regional da Emater Paraíba em Sousa, Francisco de Assis Bernardino.

Entre as entidades que participaram do evento, estavam o Coopnatural – Cooperativa de Produção Têxtil e Afins do Algodão do Estado da Paraíba, Emater Paraíba, representada pelo Regional de Sousa e escritório local, secretários de Agricultura dos Municípios de Sousa, Aparecida e Marizópolis, representantes do BNB de Sousa e do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural (CMDR).

Também estiveram presentes os produtores do Acampamento Emiliano Zaparta das Várzeas de Sousa, os produtores do Assentamento Juazeiro, de Marizópolis; e do Assentamento Nova Vida, de Aparecida.

A cultura do algodão se constitui em uma opção de incremento na renda dos produtores desta região, pois é uma cultura que já foi bastante explorada nas terras sertanejas tanto em áreas irrigadas quando de sequeiro.

Segundo a presidente da Coopnatural, Maysa Motta Gadelha, a cooperativa, através dos empresários de São Paulo, será responsável pela doação das sementes a cada produtor, garantindo a compra da produção após o beneficiamento da matéria-prima.

http://portalcorreio.uol.com.br/noticias/economia/economia-popular/...

Exibições: 191

Responder esta

Respostas a este tópico

prezado romildo, qualquer coisa que este nosso governo anuncie em relaçao a algodao ou qualquer outra coisa que traga beneficio ao pequeno é mentira, o que ele esta fazendo e querendo taxar o algodao na locomoçao dentro do estado para descaroçamento, os microempresarios que sao do simples e reclamam da polittica dele, ele retira do simples sem nem comunicar o porque, este nosso governo e a pior desgreaça que ja governou este estado nos ultimos 50 anos, se voce quiser publicar a verdade eu boto voce em contato com os agricultores 

  Coloque no Natural cotton (seu site), que publico.

Abraços Romildo.

obrigado romildo, eu nao sei como faz isto porem na minha pagina do natural cotton color, esta toda a denuncia, que nos ja fizemos, as emater nao tem sequer uma cadeira pra sentar para fazermos uma reuniao, agente pede para organizar oa agricultores em associaçoes, para nos fazermos o contrato de compra do algodao e eles nao fazem, entao nos mesmos temos que sair batendo de porta em porta dos que chegam ate nos, quando chega, este ano teve agricultor que plantou e nao tinha como tirar o algodao do campo, nos fomos la e pagamos o dobro do preço, demos toda a sacaria, pagamos transporte e o descaroçamento, me revolta ver estas noticias que chegam na imprensa, enquanto isto eu tenho aqui empresarios me pedindo pra eu vender um rolo de malha pelo preço que eu pedir e eu nao posso vender porque so tenho pro meu consumo e nao e meu papel vender materia prima eu trabalho com moda, a unica autoridade neste estado que nos escuta e corre atras das politicas do governo federal e o senador vital do rego filho, o resto esta andando pra nosso algodao, de qualquer tipo e pra completar um senador do centro oeste mandou um chefe da embrapa uma criatura do agrobusiness que quer acabar com a a gricultura familiar na contra mao do mundo, pois acabei de chegar da alemanha da maior feira de organicos do mundo onde esta todo mundo correndo atras de produtos organicos, onde a demanda e maior do que a oferta, vem uma criatura desta para a paraiba logo na embrapa, e porque? porque aqui nao tem governo, entao qualquer forasteiro se acha no direito de vir aqui fazer o que quiser, porem esta todo mundo se movimentando (a sociedade civil), veja os links abaixo:



https://www.facebook.com/permalink.php?id=1400314396885840&stor...

http://issuu.com/aspta/docs/campon__s_analfabeto_-_o_que____que

Ver a manifestação do Senador Blairo Maggi aqui:
http://www.youtube.com/watch?v=2mkpdNLq1I0&feature=c4-overview&...
isto e a noss paraiba, primo miseravel de pernambuco, segundo estado mais pobre da federação e o podio ainda vai ser nosso é so sarney morrer que vamos superar o maranhao.

Para pensar sobre educação e conhecimento...

O novo Chefe da Embrapa Algodão deu uma entrevista no noticiário Jornal Integração da rádio Campina FM, às 07:33 da manhã do dia 14 de Janeiro, 2014, Campina Grande-PB,
quando prometeu ciência e tecnologia, “embutidas na semente”, até para “agricultor analfabeto”.

Oliveira de Panelas, repentista, poeta e cordelista, que recebeu o Prêmio ‘Melhor Poeta-Repentista do Brasil’ em 1997 e reside em João Pessoa-PB, respondeu a essa provocação assim:


Camponês “analfabeto”
O que é que é isso, Doutor?

Oliveira de Panelas

Seu Doutor, os Sertanejos,
Só têm muita gratidão
À ciência e ao cientista
Da Embrapa Algodão.
Mas, Doutor, se essa ciência
Vier com humilhação,
Enjeitamos, e só queremos
Se vier do coração

1. Doutor Entomologista,
Que fala tanto em ciência,
Cadê sua consciência?
Vamos passar em revista
A lamentável entrevista
No “Jornal Integração”3?
Tem poder, na sua mão.
Porém, não tem o direito
De faltar com o respeito
A quem produz nosso pão.

2. O camponês é tesouro
Do Semiárido da gente.
Tem saber suficiente
Que vale mais do que ouro.
Sabe, o Senhor, de besouro.
Isso lhe faz Professor.
Mas, o nosso agricultor
Vale mais que um inseto.
Quem é o “analfabeto”?
Responda pra nós, Doutor!

3. Lembra que naquele dia,
Falando do seu Projeto,
Que pro homem “analfabeto”
Muita ciência teria?
Alta tecnologia
Embutida na semente?
Que, em estado latente,
Pode ter muita surpresa.
Pro homem e a natureza,
Pode ser “batata quente”.

4. A ciência foi usada
Ao longo de sua história.
Para alcançar sua glória,
Sempre foi subordinada.
Por ela, manipulada,
A semente se revela.
Sinto que nessa esparrela
Há poderes tectônicos,
Interesses econômicos
Que são servidos por ela.

5. Quebrando o código da vida,
Com o auxílio da genética,
Afastando-se da ética,
Dando espaço ao herbicida.
A esta prática ‘ecocida’
O bom senso não apoia.
É ouro falso, esta joia.
Olhe, Doutor, lhe garanto
Que a semente da Monsanto
É um “Cavalo de Troia”.

6. Esta semente, Doutor,
Subordinada ao poder,
Retira todo o saber
Que tem o agricultor.
A ciência, sem pudor,
Acaba a soberania,
Destrói a autonomia
Que o camponês possui.
É assim que contribui

7. Doutor, me fale a verdade:
Quando o Senhor estudou,
Será que se aprofundou
Em nossa realidade?
Ou ficou pela metade,
Com um saber incompleto?
De onde vem seu Projeto?
Nos responda, por favor.
Declare agora, Doutor:
Quem é o “analfabeto”.

8. Não é dona da verdade,
A ciência, seu Doutor.
Porque nosso agricultor
Também tem autoridade.
Doutor em realidade,
Com a sua mão ferida,
Nas intempéries da lida,
Não precisa ser “formado”
Porque fez seu “Doutorado”
Na faculdade da vida.
A sua filosofia?

9. Tem o saber que lhe cabe.
Mas, com certeza, não sabe
O que sabe o agricultor.
Vou demonstrar pro Senhor:
Desde sua mocidade,
Ele tem capacidade.
Ele é, com consciência,
“Analfabeto” em ciência,
“Doutor” em realidade.

10. Em seu estudo teórico,
O cientista é profundo.
Mas, nos mistérios do mundo,
Não pode ser categórico.
Por este conceito histórico,
Nenhum saber é completo.
Cientista, seu Projeto,
Sobre a Mãe realidade,
Dá-lhe a possibilidade:
Ser “Doutor analfabeto”.

11. Por quê não dialogar,
Num encontro magnífico,
O seu saber científico
Com o saber popular?
Daí, pode germinar
A melhor contrapartida,
Proposta bem concebida.
Pois queremos, na essência,
Ciência com consciência
Dirigida para a vida.

12. Já pensou se Lampião
Trabalhasse na Embrapa?
Defenderia no tapa,
Os saberes do Sertão.
Maria Bonita, então,
Falaria pro Senhor:
Cuidado, faça o favor,
De tratar bem seus “fregueses”.
Mais respeito aos camponeses,
Será bem-vindo, Doutor!

este cordel nao poderia ter sido mais explicito, eu ja falei se tocar no algodao eu vou ser o proprio lampiao pois maria bonita e fichinha

Responder à discussão

RSS

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço