Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Pele derivada de cogumelos pode ser a solução sustentável que a indústria da moda procura

Já conta com sete milénios de existência, mas a pele continua a ser um dos materiais naturais mais duráveis ​​e versáteis para produzir artigos de moda. No entanto, alguns consumidores questionam a sua utilização devido aos problemas que traz a nível a ambiental e por ser proveniente de animais. Mas uma solução mais sustentável pode estar a chegar.

As alternativas à pele verdadeira, proveniente de animais, são produzidas a partir de polímeros sintéticos e têm um impacto menor em termos de sustentabilidade ambiental, por isso têm feito bastante sucesso no mercado – avança o The Conversation.

Contudo, esses materiais também enfrentam alguns problemas que podem trazer consequências ambientais. Por isso, o mercado de produção de bens de moda começou a procurar outras soluções. Pode parecer estranho mas umas das ideias é utilizar fungos para substituir a pele.

Uma pesquisa feita por uma equipa de investigadores –  publicada na segunda feira – na Nature Sustainability, investigou esta ideia, tendo em conta os processos de fabricação, os custos associados, a sustentabilidade, e as propriedades dos materiais substitutos da pele.

 

MycoTech (Bandung, Indonesia) (a,c) and Bolt Threads Inc. (Emeryville, United States) (b,d).

E se a solução passar por um cogumelo?

Os produtos de pele derivados de fungos foram patenteados pela primeira vez, pelas empresas americanas MycoWorks e Ecovative Design, há cerca de cinco anos. Esses produtos aproveitam a estrutura semelhante a uma raiz de cogumelo, chamada micélio, que contém o mesmo polímero encontrado nas cascas de caranguejos.

Quando as raízes dos cogumelos são cultivadas podem formar um tapete espesso que pode ser tratado e ficar muito parecido com a pele animal. Como são as raízes, e não os cogumelos que são usados, este processo biológico pode ser realizado em qualquer lugar. Não requer luz, converte os resíduos em materiais úteis e armazena carbono ao acumulá-lo no fungo em crescimento – explicam os investigadores.

Passar de uma raiz de cogumelo para um produto transformado em “pele de fungo” pode demorar algumas semanas, mas ainda assim é muito menos tempo do que os anos que são necessários para criar uma vaca. Ácidos leves, álcool, e corantes são normalmente usados para modificar o material fúngico, que é então comprimido, seco e gofrado.

O estudo explica que o processo é simples e pode ser feito por artesãos. Também pode ser desenvolvido industrialmente para uma produção em massa. O produto final é idêntico à pele animal e tem uma durabilidade semelhante.

Apesar desta tecnologia já estar a ser desenvolvida há alguns de anos, ainda há pouca informação sobre como tudo funciona. Mesmo sendo um material biodegradável e de fabricação de baixo consumo de energia, de acordo com os cientistas, este produto não será suficiente para resolver a crise de sustentabilidade que a Terra enfrenta.

Espera-se que produtos comerciais feitos em pele derivada de fungos estejam à venda em breve. O ano passado nos EUA, já foram lançados protótipos de produtos como relógios, malas e sapatos.

Embora esses produtos fossem um pouco caros – uma mala de marca estava a ser avaliada em 500 dólares (cerca de 422 euros) – as estimativas de custos de fabricação indicam que o material poderia tornar-se economicamente competitivo com a pele tradicional, caso fosse produzido em grande escala.

Portanto, da próxima vez que passar pelos cogumelos no supermercado, lembre-se que em breve pode passar a vê-los no seu guarda-roupa.

https://zap.aeiou.pt/pele-derivada-cogumelos-pode-solucao-sustentav...

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - CLIQUE AQUI

Exibições: 150

Responder esta

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço