Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XVI

Bordadeira protesta em Ipanema por uma dívida de R$ 150 mil não paga por loja de grife

A bordadeira e dona de confecção, Aguida Damasceno de Miranda, de 63 anos, está fazendo um protesto desde as 8h30m da manhã desta terça-feira, na porta da loja Maria Bonita Extra, na Rua Aníbal de Mendonça, em Ipanema, Zona Sul do Rio de Janeiro. Segundo ela, o dono da marca, o empresário Alexandre Aquino, tem uma dívida de R$ 150 mil em serviços prestados que não foram pagos desde de outubro de 2012. A informação chegou pelo WhatsApp do EXTRA (21 99809 9952).

— Temos uma equipe de 200 bordadeiras em Barbacena, Minas Gerais, e trabalhávamos desde 2008 para a Maria Bonita, mas não recebo o pagamento desde 2012. Estou cansada de ir na fábrica em São Cristóvão, e o dono não depositar o valor devido.

Ela afirma que recebeu cheques de pagamentos, mas eles foram devolvidos, porque não tinham fundos.

— Tive que vender dois carros e um apartamento que valia R$ 100 mil para poder pagar as funcionárias — afirma.

Aguida, que é moradora de Rio Comprido, trabalha com a irmã, que mora em Minas Gerais. Juntas, elas têm uma equipe que trabalha também para as outras grifes. Entre as peças que não foram pagas, estão vestidos longos e calças das coleções de 2011, 2012 e 2013.

Enquanto Aguida era entrevistada pelo EXTRA, a gerente da loja falou para a bordadeira que, se saísse algo no jornal, ela não receberia nada. Nenhum responsável da loja quis se pronunciar.

A bordadeira Aguida Damasceno de Miranda cobra uma dívida de R$ 150 mil da Maria Bonita Extra A bordadeira Aguida Damasceno de Miranda cobra uma dívida de R$ 150 mil da Maria Bonita Extra Foto: Diana Figueiredo

Empresa lamenta e informa que pretende pagar dívidas

Em 8 de outubro de 2012, o juiz Mauro Pereira Martins, titular da 4ª Vara Empresarial da Capital, aceitou o pedido de recuperação judicial da Maria Bonita. Segundo a assessoria de imprensa da marca, por esse motivo, a empresa não está honrando com seus pagamentos.

Em nota, a empresa explicou que lamenta muito o fato ocorrido hoje, e pretende quitar as dívidas. Confira a íntegra:

"Sentimos muito pelo que está acontecendo, principalmente porque em nosso negócio são envolvidos muitos fornecedores humildes. O Grupo está em Recuperação Judicial, e estamos proibidos por lei de realizar qualquer pagamento antes da aprovação do plano, na Assembleia Geral de Credores, que vai se realizar em 7 de abril próximo. Após esta assembleia, onde esperamos que nosso Plano seja aprovado, começaremos a pagar a todos, inclusive este fornecedor. A empresa é séria, honesta, tem 39 anos e sempre honrou com seus credores. Infelizmente a crise que começou em 2008 deixou a empresa fragilizada para enfrentar a concorrência dos produtos importados, principalmente da China. Esperamos com a aprovação deste plano não só a viabilização da quitação das dívidas, como também, a criação de condições para manutenção e continuidade das Marcas Maria Bonita e Maria Bonita Extra".

http://extra.globo.com/noticias/economia/bordadeira-protesta-em-ipa...

Exibições: 2460

Responder esta

Respostas a este tópico

Faz tempo que estão em dificuldades.

A luta pela permanencia em operação é terrivel.

Mas, o bom gosto é o mesmo.

Facil criticar, por quem nunca teve seu negócio.

Continuo fornecendo, mas peço pagamento à vista.

Normal, nesses casos.

Boa sorte Maria Bonita!

eu tenho meu proprio negocio e ja quebrei, fiquei devendo a banco, nunca a fornecedor que e um trablhador como eu, banco voce chega e negocia como foi meu caso, paguei tudo, ficar devdno a rendeiras e um crime, se nao tem condicao de ter renda feita a mao coloca grpir da china, mas dar calote em artesao e criminoso.

Responder à discussão

RSS

© 2024   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço