Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Caros colegas

Estou necessitando da ajuda dos colegas, para resolver um problema, de fiação.
Trata-se de um defeito chamado barramento (malha), causado por um fio mais grosso, que às vezes aparece duas voltas do tear circular, mas que na maioria das vezes aparece em uma metragem muito longa, que chega a 10 metros corridos de tecido. Não é um defeito periódico que aparece no USTESR, nosso fio é classificado em 25% na escala USTER.
Obs.: filatório anel Rieter - viscose - braço pendular Rieter pneumático
Agradeço muito se poderem me ajudar

Grato
José Raimundo.

Exibições: 589

Responder esta

Respostas a este tópico

Caro José Raimundo,

A minha sugestão é que você verifique mais cuidadosamente e com maior freuqência a titulagem da sua preparação( Cardas,Passadores e maçaroqueiras ),estes desvios normalmente não são identificados na escala Uster,devido aos testes que acredito ser por amostragem.

Espero ter contribuido.
Bom dia José,

Não sei sua pergunta já foi respondida por outro colega, mas aqui vai uma sugestão...Não sei como é o acionamento mecânico dos fusos (se é por um eixo transversal no comprimento total da máquina ou por um eixo que comanda um grupo de fusos), a idéia é fazer essas verificações, pois um funcionamento no comando desse eixo pode fazer com que alguns fusos tenham problemas e como muitos trabalham através sinal eletrônico o defeito não necessariamente torna-se periódico. Em relação ao fato do fio estar classificado em 25% na escala USTER, o defeito deve ser observado tendo como base o título do fio e quanto menor a densidade linear do fio, mais evidente fica o acumulo de massa em determinados pontos. A curva de qualidade do fio deve ser montada objetivando a qualidade interna de seu produto (fio), e que quando reportada a uma estátistica USTER te dá uma idéia mehor do patamar de qualidade que você estabeleceu para seu produto.

Espero ter contribuido com alguma coisa ou se disse algo que você já não soubesse....


Um grande abraço.
Cleber Lima Sandes disse:
Caro José Raimundo,

A minha sugestão é que você verifique mais cuidadosamente e com maior freuqência a titulagem da sua preparação( Cardas,Passadores e maçaroqueiras ),estes desvios normalmente não são identificados na escala Uster,devido aos testes que acredito ser por amostragem.

Espero ter contribuido.


Caro amigo Cleber
Gostei muito da sua sugestão, vou acompanhar mais de perto.

um abração

José Raimundo
Caro amigo Cleber
Gostei muito da sua sugestão, vou acompanhar mais de perto.

um abração

José Raimundo
Boa tarde José Raimundo.Há alguns anos atrás, acompanhei um problema do gênero. No meu caso o índice Uster também se mantinha mais ou menos constante dentro da faixa de qualidade admitida, porém provocava transtorno no produto final. A pincipio aparentava problema mecânico. e fizemos 2 acompanhamentos em simultâneo. Mecânico diretamento nas maçaroqueiras e nos filatórios verificando o contato fuso e fitas. O outro caminho foi o rastreamento do fio do final para o começo ( quase engenharia reversa ) Resultado: As maçaroqueiras foram liberadas e os filatórios tb. Do outro lado os defeitos dos fios não tinham um endereço ou padrão comum. A análise dos defeitos dos fios indicou que cerca de 60% era residual, pois as fibras eram desordenadas. Aprimorou-se o trabalho de limpeza e o controle de humidade relativa e o problema foi resolvido. Quando o defeito é mecânico ele registra uma digital ou padrão que nos leva à máquina ou ao fuso se for o caso (rastreamento) caso não haja então o problema vem de operações anteriores ou de condições de trabalho (ambientação ou envolvimento pessoal).

Responder à discussão

RSS

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço