Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XV

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XV

“Sem encomendas, setor de vestuário começa a demitir”, diz o Presidente do Sindivestuário à Folha de SP

A retração da economia chegou às mesas de negociações salariais neste trimestre e terá impacto no emprego e no bolso do trabalhador.

A perda de dinamismo da economia afetou a produção industrial e a confiança do brasileiro, trouxe reflexos no consumo das famílias e deve se intensificar no mercado de trabalho a partir de 2015.

A avaliação é de economistas e representantes da indústria e do comércio que consideram que a intensidade dos efeitos depende do resultado das eleições e das medidas para tentar recolocar o país na rota de crescimento.

Entre elas, citam redução de juros, corte de gastos públicos e ajustes para reduzir a inflação e fazer reformas para estimular investimentos.

Economistas ouvidos pela Folha projetam para 2015 crescimento da taxa de desemprego de 0,2 ponto percentual a 1,3 ponto percentual. Para o rendimento, a previsão é desacelerar (veja quadro nesta página).

Um dos primeiros sinais da deterioração do mercado de trabalho foi a redução no ritmo da criação de vagas, que começou no terceiro trimestre de 2013 e veio com mais força nos dados de julho do Ministério do Trabalho.

No mês retrasado, foram criados 11.796 empregos com carteira assinada, pior nível para julho desde 1999.

A economista Alessandra Ribeiro, da consultoria Tendências, chama a atenção para o fato de que no segundo trimestre deste ano foram cortados 17 mil empregos (descontados fatores sazonais). “Isso não ocorria em um trimestre desde 2009, segundo ano em que a crise internacional afetou a economia.”

De março a julho, a indústria fechou 128,3 mil vagas, e a construção civil, 55 mil. Dados do setor automotivo mostram que o emprego recuou em agosto pela sétima vez seguida para o pior resultado desde maio de 2012.

Com a retração na produção, as montadoras suspendem temporariamente contratos de trabalho, dão férias coletivas e abrem programas de demissão voluntária até reduzirem os estoques.

“A indústria automobilística está se ajustando ao ambiente recessivo, o que deve repercutir em outros setores, como comércio e serviços”, diz Fábio Silveira, diretor da consultoria GO Associados.

folha 2

VAREJO

Com queda média na produção de 15% no primeiro semestre, o setor de confecção admite ter de cortar empregos e não contratar temporários como faz nesta época.

“Não há encomendas para as fábricas, o varejo vende mais importados, e a indústria não consegue competir com os preços chineses. Há um mês, o setor começou a demitir”, diz Ronald Masijah, presidente do Sindivestuário.

DESALENTO

O desemprego ainda não cresce, explicam os economistas, porque o número de pessoas à procura de vagas cai assim como o número de pessoas ocupadas. “Como a renda cresce menos, quem está fora do mercado de trabalho deve voltar a procurar emprego. E como a ocupação também está em queda, a tendência é a taxa de desemprego subir”, diz Fábio Romão, economista da LCA Consultores.

José Marcio Camargo, professor da PUC-Rio e sócio da Opus Consultoria, prevê aumento do desemprego já no último trimestre de 2014 (descontados os efeitos sazonais). Em relação à renda, o impacto já é visto nos dados do Ministério do Trabalho.

“Os salários dos novos contratados são cada vez menores que o dos demitidos, o que serve como sinal do que vai acontecer com os salários médios no futuro.”

Para André Perfeito, economista da Gradual Investimentos, o ajuste no mercado de trabalho ainda está em curso e deve vir à tona em 2015, com definições de políticas fiscais e monetárias adotadas no próximo governo.

Para a CUT, porém, o cenário não é adverso. “Usam a incerteza da eleição para não conceder aumento real. Estamos preparados para reagir”, afirma Vagner Freitas, presidente da central sindical.

Na Força Sindical, um calendário de manifestações já está marcado no setor metalúrgico, diz Miguel Torres, presidente da entidade. “As negociações podem ser mais difíceis. Mas o trabalhador quer aumento real”, afirma Ricardo Patah, presidente da UGT.

Fonte: Folha de S.Paulo

http://sindivestuario.org.br/2014/09/sem-encomendas-setor-de-vestua...

Exibições: 631

Responder esta

Respostas a este tópico

  “Não há encomendas para as fábricas, o varejo vende mais importados, e a indústria não consegue competir com os preços chineses.

Sr. Vagner Freitas, quando o senhor vai sentar na mesa de negociação com uma pauta além do aumento real?Vamos colocar uma contrapartida como PRODUTIVIDADE da sua classe? O senhor alguma vez já pensou nisto? O senhor sabe que para a industria pagar ela precisa PRODUZIR? O senhor sabe que a PRODUTIVIDADE brasileira é a mais baixa do mundo? (se não for a mais baixa esta entre os ultimos) Vamos parar de demagogia e acordar para nossa realidade... vá reagindo, ameaçando e daqui a pouco, bem pouco tempo o senhor vai ter que empregar muita gente na sua CUT. 

  “Os salários dos novos contratados são cada vez menores que o dos demitidos, o que serve como sinal do que vai acontecer com os salários médios no futuro.”

|Estamos entrando ou já entramos, na ultima etapa de produção, de 2014 e nada acontece na área têxtil/confecção, para que nos de algum alento. Tudo parado, com 13º a porta, fim de ano onde tudo temos que pagar e o governo, simplesmente fica olhando ou melhor não olha NADA.

A nossa área esta no ponto critico de fechamento em massa. Parece que vamos ver um NICHO DE MERCADO DESAPARECER do mercado. è LAMENTAVEL.

Responder à discussão

RSS

© 2022   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço