Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Sindicato têxtil de São José dos Campos luta para garantir os direitos de 90 empregados demitidos

Têxtil E1389708468521

Com o apoio da CSB, direção da entidade atua para ampliar benefícios aos trabalhadores dispensados pela Radicifibras

O grupo empresarial do ramo têxtil Radicifibras, empresa especializada na fabricação de fibras acrílicas e nylon, anunciou no dia 6 de janeiro o encerramento de uma das duas unidades de São José dos Campos. A medida provocou a demissão de 90 funcionários. De acordo com o presidente do Sindicato Têxtil de São José dos Campos, Alexandre de Oliveira, a empresa alegou que estaria com dificuldade de se manter no mercado, devido ao elevado preço da matéria-prima e à difícil concorrência com os produtos importados. A demanda pelo material fabricado vem caindo desde 2010, com quedas anuais nas vendas variando de 30% a 40%.

O sindicato vem trabalhando incansavelmente para amparar e defender todos os trabalhadores demitidos, atuando nas negociações que estão sendo feitas com os dirigentes da empresa, a fim de garantir que todos os direitos e verbas rescisórias sejam quitados.

“A empresa garantiu o pagamento integral das verbas rescisórias de todos os dispensados. Como o caso foi recente, ainda estamos em negociação, buscando ajustar questões específicas de trabalhadores com direito de estabilidade, além de prosseguir em busca de mais benefícios”, afirmou o presidente.

A outra unidade do grupo permanecerá aberta, e a intenção da empresa é manter a fábrica com condições de retomada. Na última reunião, o sindicato foi informado de que alguns trabalhadores serão remanejados para finalizar os trabalhos.  Por esse motivo, as demissões devem acontecer, gradualmente, até abril.

Orientações do sindicato

O presidente da entidade orienta os empregados dispensados a aguardar a comunicação sobre a data exata da homologação dos Termos de Rescisão de Contrato de Trabalho (TRCT), que deve ser realizada na própria sede do sindicato.

Aqueles que têm estabilidade provisória – dirigentes sindicais, cipeiros, pré-aposentadoria, beneficiários de auxílio-doença, auxílio-acidente e gestantes – também serão completamente ressarcidos, de acordo com a direção do sindicato.

Aos dirigentes sindicais aposentados, a empresa declarou que pretende pagar, integralmente, os 36 meses de estabilidade referentes ao mandato  sindical, devendo constar essa ressalva no TRCT.

Os demais trabalhadores com estabilidade devem procurar a diretoria do sindicato para saber sobre as propostas que estão sendo negociadas. Segundo Alexandre de Oliveira, o único acordo não fechado foi em relação aos cipeiros, ainda em processo de definição.

Para os que estão em estado de pré-aposentadoria, a empresa  precisa pagar mensalmente o salário e fazer o recolhimento dos encargos previdenciários até completar o período que falta para a concessão da aposentadoria.

Aqueles que não aceitarem as propostas de indenização, devem exigir que a empresa respeite o período de estabilidade provisória até o seu encerramento.

A luta do sindicato e da CSB

A CSB tem dado apoio integral para que o Sindicato Têxtil de São José dos Campos – filiado à Central – possa dar todo o suporte aos trabalhadores demitidos.  O secretário-geral da CSB, Álvaro Egea, lamentou o episódio e se solidarizou ao grupo de funcionários que foi prejudicado pelo corte. Manifestamos nossa solidariedade e apoiamos integralmente a ação do sindicato, no sentido de buscar a negociação coletiva e a garantia dos direitos dos trabalhadores”, afirmou Egea.

Além do cumprimento legal dos direitos trabalhistas em caso de rescisão, a direção do sindicato também batalhou pela manutenção do convênio médico por mais três meses para os funcionários dispensados.  “Eles se comprometeram a avaliar também casos específicos, como aqueles que estão com cirurgias marcadas, sendo possível estender por mais três meses”, afirmou Oliveira.

Outra medida foi procurar o apoio do governo municipal. O sindicato conseguiu a isenção do pagamento do IPTU dos trabalhadores demitidos, e está negociando o oferecimento de vagas para cursos profissionalizantes em entidades especializadas como o SENAC e SENAI.

Crise na indústria e no setor têxtil

O caso da empresa Radicifibras não é isolado. Em dezembro de 2013, a multinacional General Motors demitiu um grupo de 450 trabalhadores e anunciou o fechamento da linha de montagem de veículos de passageiros da unidade de São José dos Campos. Em março, ela já havia dispensado 598 trabalhadores.

De acordo com o Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (IEDI), a indústria brasileira apresentou em novembro de 2013 um recuo de 0,2% em relação a outubro do mesmo ano, confirmando o desempenho oscilante do setor. Em 2012, a consultora britânica EIU (Economist Intelligence Unit) considerou o desempenho da indústria nacional o pior entre 25 nações emergentes e importantes economias da América Latina.

Desde o governo Collor, tem havido no Brasil um processo de sucateamento e retrocesso na indústria, sobretudo no setor têxtil e de vestuário.  De acordo com Álvaro Egea, que também é presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Confecção e de Vestuário de Guarulhos, o governo se omite e não consegue frear esse processo por falta de política industrial.

“Essas demissões coletivas revelam uma face perversa dessa política cruel de desindustrialização e liquidação da nossa indústria, que os governantes vêm assistindo de camarote. Nosso setor é extremamente castigado pela política de abertura de importações”, explicou Egea.

Os prejuízos dessas demissões vão desde o núcleo familiar dos trabalhadores dispensados até a economia local, que também é afetada.

“São José dos Campos está perdendo muito com essas demissões. É um grande golpe essa quantidade de trabalhadores desempregados. O governo precisa dar mais atenção ao setor têxtil. Não só nossa cidade, mas em todo o Brasil”, reclamou Alexandre de Oliveira.

Fonte: CSB

http://www.oradarsindical.com.br/oradarsindical/blogdoneto/index.ph...

Exibições: 360

Responder esta

Respostas a este tópico

“Essas demissões coletivas revelam uma face perversa dessa política cruel de desindustrialização e liquidação da nossa indústria, que os governantes vêm assistindo de camarote. Nosso setor é extremamente castigado pela política de abertura de importações”

Esta noticia está ficando corriqueira... isto aconteceu em Barbacena/MG, Juiz de Fora/MG e no restante do Brasil. É impossível a empresa aguentar tantas obrigações, é cipeiros (pasmem, CIPA) periodo pré-aposentadoria, licença maternidade, saúde etc... etc... etc... tudo tem estabilidade, e dai? Adianta ter estabilidade e quebrar as empresas? Acho que já passou da hora de CNI, Federações das Industrias, sindicatos patronais, de empregados, Ministério do Trabalho, governo e afins, sentarem e discutirem o problema, como problema e não como acontece com estes Xiitas só reivindicando direitos e sem oferecerem nada em troca, volto a falar, DIREITOS sem empregos não adianta.

Pois é! custo salarial muito alto  , pouca produtividade , funcionário sem comprometimento com o seu trabalho , só pensa no dia do pagamento, importações desenfreada , governo nem aí com a indústria nacional , o sindicato enchendo o saco nas portas das empresas... o resultado é esse aí! Os empresários estão exaustos sem saber mais como encontrar dinheiro para manter sua empresa aberta.

E aí sindicalistas?  Não basta somente apertar quem gera emprego  ,tem que ir para cima dos amigos companheiros do governo ,lã está o verdadeiro problema.

Emílio.

Responder à discussão

RSS

© 2022   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço