Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

O Governo do Estado vai implantar Substituição Tributária nos setores têxtil e de confecções. Com o ICMS de toda a cadeia produtiva retido na indústria, os ambulantes não terão como sonegar o imposto

Beatriz Cavalcantebeatrizsantos@opovo.com.br
MAURI MELO
Sem emissão de nota fiscal, ambulantes vendem confecções nas calçadas da Catedral de Fortaleza

Uma das maneiras de minimizar a sonegação de impostos por parte dos ambulantes do Centro é a implantação da Substituição Tributária (ST) nos setores têxtil e de confecções, conforme o secretário da Fazenda, Mauro Filho. Assim, o produto vendido na Feira da José Avelino, por exemplo, já estaria tributado.


Para aplicar a ST em ambos os setores, o secretário realiza reunião com os representantes dos segmentos às 10 horas de hoje, na sede da Secretaria Estadual da Fazenda (Sefaz). O anúncio da alíquota e início do recolhimento por ST serão anunciados pelo governador Camilo Santana no próximo dia 30.


A ST consiste em cobrar dos fabricantes o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de toda a cadeia produtiva. A indústria, por sua vez, acrescenta o valor pago em imposto ao preço do produto. No Ceará, são cerca de 248 segmentos com aplicação da ST e consequente redução de alíquotas.


“Todo mundo reclama da venda do Beco da Poeira e da Feira da José Avelino. Mas por que não saiu ainda, nesse tempo todo, essa redução do imposto com ganho na ST? Porque há divergência entre a indústria têxtil e a indústria de confecção em relação à alíquota. Por isso é que eu estou fazendo a reunião”, esclarece Mauro Filho.


Encontrando o percentual ideal, o ICMS estará será retido na fabricação dos tecidos, que serão vendidos à indústria de confecção com impostos já pagos. E, assim, segue até o varejo. Como o sistema impede sonegação do ICMS, o Estado arrecada mais e pode reduzir alíquotas.


“Com isso resolvido, eu não estou preocupado se o cara lá da José Avelino está pagando ICMS ou não, porque, na realidade, o imposto vai ser pago na origem da cadeia. Essa é a grande solução. Aliás, não somente para o Centro, mas em qualquer venda”, enfatiza o secretário.


“Quanto mais a gente puder fortalecer a cadeia produtiva de vendas formal, melhor para política, geração de empregos e de locação de espaços desse comércio”, declara. Para o secretário, a sonegação de ICMS só será resolvida quando, em todas as cadeias, forem aplicadas a ST.


Em termos tributários, o problema que continuará sem resolução é o recolhimento do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS), imposto municipal. Uma das soluções passaria pela formalização de ambulantes ao aderir ao Micro Empreendedor Individual (MEI).


Anúncio

Além dos setores confecção e têxtil, Mauro já havia divulgado redução do imposto para o setor moveleiro. A nova alíquota, que hoje é de 17%, será acertada com os empresários.

Desonerações como as que serão divulgadas já foram aplicadas em setores como o de computação, alimentos e bebidas, além de medicamentos. Segundo o secretário, é reduzindo impostos que se aumenta a base de arrecadação.


Apesar de eficiente na redução da sonegação do ICMS, há controvérsias sobre a aplicação da ST.

Isso porque, ao cobrar o imposto no início da cadeia produtiva, com incorporação do ICMS ao preço de venda, não há como isentar os MEIs, nem as Micro e Pequenas empresas (MPEs).


Esses contribuintes já pagam o imposto por meio do Simples. E, portanto, juristas apontam que a ST gera bitributação.


A nova lei do Simples Nacional, do ano passado, prevê a exclusão de MEIs e MPEs da Substituição Tributária.


O Governo do Estado, entretanto, ainda não especificou como excluirá as empresas inscritas no simples da ST.

http://www.opovo.com.br/app/opovo/economia/2015/08/10/noticiasjorna...

Exibições: 419

Responder esta

Respostas a este tópico

quer protestar contra estes governos corruptos, federal e estaduais e municipais e so sonegar, tem que sonegar e ha  melhor maneira de protestar, se o governo quer dinheiro manda eles produzirao,

E também é antecipação de receitas. Seria outro absurdo tributário. Baixe as aliquotas e veja o resultado e não o contrário com promessa que não se realizará.

Responder à discussão

RSS

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço