Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII


imagem

Os avanços tecnológicos fazem com que, todo dia, a ciência atravesse novas fronteiras, desta vez relacionada com a moda: o desenvolvimento de um tecido solar. Esse novo material é composto de materiais semicondutores que absorvem a luz solar como os painéis solares convencionais e a transforma em energia elétrica.

Na medida em que as células fotovoltaicas passam a ser possíveis em superfícies maleáveis, vem as especulações relacionadas com a sua real aplicação. De imediato, o tecido solar está sendo testado em cortinas para ambientes residenciais, mas o leque de possibilidades de uso passa a tender ao infinito.

A empresa de arquitetura Kennedy & Violich Architecture em parceria com o famoso MIT (Massachusetts Institute of Technology) de Boston, nos Estados Unidos, formou o grupo de pesquisa KVA Matx, e as aplicações se multiplicam.

Para os inventores, superfícies maleáveis podem definir espaços e ambientes internos, mas podem também se tornar produtores de energia. Como exemplo possível, o projeto Soft House (algo como casa flexível, em inglês).

A equipe da Soft House, liderada pela arquiteta e professora visitante no MIT Sheila Kennedy declarou que os limites entre paredes e instalações estão por ruir. As cortinas da Soft House podem gerar algo em torno de 16 mil watts/hora de eletricidade, o que é superior à metade de energia elétrica consumida em uma residência padrão norte-americana.

Mais que isso, as cortinas podem ser movidas para seguir o percurso do sol, o que claramente aproxima o invento da natureza, devido à inspiração no girassol. Uma das sugestões de decoração da Soft House inclui o deslocamento das cortinas que passaram o dia captando energia pelas janelas da casa para o teto, e à noite, ao fazer o papel de lustre, ilumina todo o ambiente.

A cortina com tecido solar pode mudar de posição de acordo com a incidência da luz solar/ Fonte: site Designboom


Como toda inovação, no momento, o projeto gera controvérsias pelo fato de essas novas células solares, de origem orgânica e oriundas da nanotecnologia, serem menos eficientes que os painéis solares rígidos. Mas segundo os envolvidos na pesquisa, muito ainda pode ser aprimorado em termos de eficiência, embora o foco deva ser a unicidade das vantagens que o material flexível permite em termos de aplicação.

O desafio atual da indústria parece ser compatibilizar essas tecnologias emergentes com o padrão dominante dos produtos que já estão no mercado. Como as fronteiras entre arquitetura e têxteis há muito já foram ultrapassadas, a moda-lar parece ser a aplicação mais imediata.

Mas, como o abrigo e o enfeite são motivações também para as roupas, espera-se que num futuro não muito distante roupas e acessórios possam aquecer usuários via energia solar.
Nada mal para a busca de uma moda com sustentabilidade em todos os sentidos.


Por Maria Alice Rocha
Doutora (PhD) em Design de Moda

Exibições: 821

Responder esta

Respostas a este tópico

Nada mal para a busca de uma moda com sustentabilidade em todos os sentidos.

Como toda inovação, no momento, o projeto gera controvérsias.

De imediato, o tecido solar está sendo testado em cortinas para ambientes residenciais.

Responder à discussão

RSS

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço