Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Tecidos Sintéticos Favorecem Infecções na Região Íntima

Materiais como o elastano podem quebrar a proteção natural da área

Escolher uma peça íntima apenas por sua beleza ou conforto pode trazer danos às mulheres. Os tecidos sintéticos, como o elastano, apesar de se amoldarem melhor ao corpo e serem confortáveis, podem quebrar a proteção natural da região íntima e, assim, causar infecções.

A ginecologista Elza Almeida, da FMP/Fase, explica que a vulva tem mecanismos naturais de defesa contra germes infecciosos externos, mas pode ter essa barreira cutânea facilmente rompida pelo uso de roupas íntimas inadequadas, por absorventes higiênicos, menstruação e até mesmo o uso de produtos de higiene que agridam essa barreira, tornando a pele susceptível a diversas infecções. E o pH do local pode ser afetado por fatores como umidade, transpiração, sebo, local anatômico, predisposição genética e idade, além de fatores externos como vestuários oclusivos, aplicação de produtos cosméticos, uso de antibióticos, ação de laminas para raspagens e depilação, que podem ressecar a pele e causar sintomas como prurido persistente, irritação ou queimação. Por isso, ao escolher uma calcinha, é importante que ela não agrida a área genital. “O que se deseja, em uma calcinha, é que seu tecido não impeça a transpiração, não cause irritações e alergias. Portanto, que sejam de tecidos naturais, sem tingimento. O ideal é o uso de materiais naturais (algodão e seda), pois qualquer tecido sintético que não favoreça a ventilação, pode romper o equilibro da pele, causando dermatoses”, explica.

As calcinhas de renda também podem causar lesões na pele, ou seja a quebra da barreira de proteção natural, pelas características do tecido ou o local em que estejam as rendas ou as costuras. “Mas não há proibição no seu uso, até porque por vezes são mais bonitas. O objetivo é o esclarecimento de seus riscos”. A dica, então, é usar as de algodão no dia a dia e deixar as outras para ocasiões especiais.

A ginecologista afirma ainda que muitas mulheres sofrem com essas infecções sem saber qual a causa. Segundo ela, inicialmente, quando há uma queixa, a paciente deve ser examinada para que se possa fazer um diagnóstico preciso.

Fonte:|http://www.bolsademulher.com/saude-mulher/tecidos-sinteticos-favore...

.

.

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - CLIQUE AQUI

Exibições: 536

Responder esta

Respostas a este tópico

É interessante coo algumas informações se propagam nos meios médicos, porém, não se vai mais afundo e continuam com o discurso que o algodão "natural" ainda é o melhor produto para contato íntimo e, simplesmente ignoram qualquer evolução tecnológica das outras MPs em fios e tecidos ( Microfilamentos, tecidos Dry, acabamentos anti-microbiais, etc ) que, exatamente já derrubaram essas "teorias" há tempos, por apresentar maior conforto, transporte de umidade e outros benefícios mais. vamos em frente.

pelo que entendi melhor será para mulher não usar calcinha.

que noticia requentada qualquer ginecologista ja sabia disso a muito tempo  nao tem avancoa tecnologico nem tratatamento anti bacteria que de jeito a moda intima sintetica e malefica e ponto

Se é ponto é ponto, e não se fala mais nisso. Abç.

Gostaria de saber se a Drª Elza Almeida usa absorvente de 100% Algodão? Para quem não sabe, a participação de Algodão e/ou seda neste abjeto é de ZERO %. O que o pessoal da área de saúde, que têm alta influencia no comportamento da sociedade, precisam saber que hidrofilidade no artigo têxtil pode ser obtida na construção do mesmo, e não na especificação exclusiva da matéria prima.

Responder à discussão

RSS

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço