Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

SÃO PAULO - O varejo têxtil no Brasil seguirá em franca expansão na próxima década se o cenário econômico em que o País se...

SÃO PAULO - O varejo têxtil no Brasil seguirá em franca expansão na próxima década se o cenário econômico em que o País se encontra se mantiver. As redes que vendem a este segmento apostam em propulsores que podem triplicar seus negócios até 2022 e com a chegada da nova geração economicamente ativa: inflação abaixo de 2%, aumento da renda per capita e taxas de desemprego em queda.

Apesar do cenário, a concorrência tem ficado cada vez maior e feito as empresas buscarem segmentação de nichos, entre outras estratégias. Além dos players que têm suas operações pontuadas na comercialização de roupas e demais artigos de moda, nos últimos cinco anos tem havido forte movimentação de supermercadistas e lojas de departamentos no segmento, que antes focavam as operações apenas em bens não-duráveis, como alimentos, e bens duráveis, como geladeiras e linha branca.

Empresas como Magazine Luiza, Pernambucanas e outros grandes nomes do varejo de eletroeletrônicos têm reformulado as suas operações para incluir em seu portfólio roupas, sapatos e acessórios. Tudo para atender a demanda do novo poder de compra das classes D e C.

Quem recentemente anunciou que incluiria sapatos em suas lojas foi a Marisa, que também aproveitou a rentabilidade das roupas íntimas para criar operações exclusivas - Marisa Lingerie - para este mercado.

Os hipermercados não ficaram de fora deste nicho, tanto que, segundo pesquisa do Iemi Inteligência de mercado, em conjunto com a Associação Brasileira do Varejo Têxtil (Abvtex), essas operações representaram no ano passado 8% do setor responsável por movimentar na economia brasileira em torno de R$ 150 bilhões. Anteriormente este índice estava na casa dos 7%, e de 2007 a 2011 teve incremento de 35,5% em volume de vendas.

Um bom exemplo disso é a bandeira Extra, do Grupo Pão de Açúcar (GPA). Marcelo Bazzali, diretor de Marketing do GPA, havia afirmado anteriormente ao DCI que a operação Extra ampliaria a atuação para deixar de ser "generalista, tornando-se especialista". A parte de têxtil da bandeira recebeu um layout diferenciado, mais produtos, tudo para atrair um número maior de clientes às lojas.

Para Marcelo Villin Prado, diretor do Ieme, o varejo têxtil tem passado por diversas modificações nos últimos tempos. Uma delas é ter operações casadas. "Antes, ao entrar nas lojas o consumidor tinha acesso às roupas, mas era obrigado a ir a outro local encontrar sapatos que combinassem com o traje ou look escolhido. Agora, as redes vendem de tudo: acessórios, sapatos, perfumes e diversos outros produtos", explicou Prado.

Além de vender muito mais que roupas, as marcas que atuam no País tem ampliado suas operações ao criar marcas para o público infantil. Entre os exemplos está a Le Lis Blanc, grife de roupas femininas que tem um braço operacional voltado às filhas de suas consumidoras, e a Brooksfield, de roupas masculinas, que possui a Brooksfield Junior, voltada para meninos.

Consumo

Houve uma mudança no jeito que o brasileiro se veste nos últimos anos. Conforme pesquisa do Ieme, anos atrás era comum ver um número expressivo de pessoas vestidas de um jeito mais formal. De 2007 a 2011, porém, as roupas casuais tomaram conta do mercado têxtil, passando a representar 44,7% do setor. Já as roupas íntimas e de dormir têm sido 13,2% do setor, seguidas por roupas esportivas, com 12,2%; meias, 11,3%; itens de inverno, 5,0%; roupas sociais, 4,9%; acessórios, 4,4%, e moda praia, 4,3%.

Há cinco anos o varejo têxtil tinha comercializado, só no mercado interno, em torno de 5,4 bilhões de peças. No ano passado o número chegou a 6,6 bilhões e pode crescer em torno de 3,4% só neste segundo semestre.

O consumo per capita de roupas no Brasil é de 34 itens ao ano, com preço médio de R$ 23 por peça, o que representa incremento de 31% sobre 2007. Segundo Prado, diretor do Iemi, se o cenário econômico continuar estável e a crise mundial não assolar de forma mais rígida o Brasil, esse índice pode ter incremento na casa dos 5% ao ano. Ainda segundo o especialista, dos quase 14 mil pontos de venda, a grande maioria está concentrada na Região Sudeste - que compõe 49% do consumo do País. As mulheres adultas, 53% da população economicamente ativa, são as maiores consumidores e as Regiões Norte e Nordeste são as localidades em que existe maior potencial para exploração do varejo têxtil.

http://www.dci.com.br/comercio/varejo-de-roupas-triplicara-na-proxi...

Exibições: 374

Responder esta

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço