Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

A Hering não foi a única varejista a subestimar as vendas para o Natal do ano passado e enfrentar a falta de abastecimento das lojas. O problema ocorreu, em maiores ou menores proporções, de forma generalizada no varejo, segundo a Associação Brasileira do Varejo Têxtil (Abvtex), entidade que representa as 15 maiores redes do País, como C&A, Lojas Renner e Marisa.

As empresas fizeram o planejamento para o Natal em junho do ano passado. Naquele momento, a economia brasileira enfrentava uma forte desaceleração e todas as redes foram mais conservadoras nas suas projeções para as vendas de fim de ano. Em setembro, as empresas sentiram que o mercado poderia se aquecer e correram para reforçar as encomendas. Como muitos pedidos foram feitos de última hora, era tarde demais para importar.

A associação das grandes varejistas diz que a cadeia de fornecedores nacionais para produtos têxteis não conseguiu atender a demanda. "Houve uma corrida, mas a indústria nacional não estava preparada", afirma a Abvtex.

A entidade teme que o problema de abastecimento se agrave se o governo aprovar o pedido de salvaguarda contra itens de vestuário importados, que está sendo analisado em Brasília. Para os varejistas, o efeito pode ser um custo maior para importar e uma disputa mais acirrada entre as redes para contratar fornecedores nacionais. Com isso, o preço das roupas na loja para o consumidor pode aumentar.

Fonte:http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,varejo-textil-teme-salv...

.

.

.

.

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - Clique Aqui

Exibições: 895

Responder esta

Respostas a este tópico

Parece fácil dizerem que a indústria nacional não estava preparada.

Uma vez que os varejistas não entendem que os custos envolvidos na produção de itens de vestuário são crescentes e, como ouvimos sempre, "se quiserem vender, tem que espremer o custo", todos os setores envolvidos sofrem do mesmo mal: se quisermos volume, não ganharemos dinheiro. Se quisermos ganhar dinheiro, venderemos pouco volume.

O preço da roupa no varejo não vai aumentar. Não tem aumentado nos últimos dois anos. Ora bolas! O consumidor não comprará se a roupa estiver a um preço que ele não pode / ou não quer pagar. E vai procurar adequar seus hábitos de consumo à sua possibilidade de enfrentar os gastos. O temor da ABVTEX não tem fundamento.

Estaremos nós voltando à época em que cada lar tinha uma costureira e esta ensinava às suas filhas o nobre e importante ofício da costura? Será que voltaremos à época de ouro dos alfaiates? Ou voltaremos ainda mais, passando a considerar que andarmos sem roupas é mais adequado? Pelo menos, conseguiremos manter todos os outros pedaços de conforto conquistados a duras penas: o carro novo financiado a juros de usurários, o sinal da internet, do telefone fixo e do celular, da cable tv, da comida enlatada, da gasolina, álcool e qualquer outro tipo de combustível, a energia elétrica para ligar o ar refrigerado nos dias de calor e o ar quente do secador de cabelos...



Gilberto Miyake disse:

Parece fácil dizerem que a indústria nacional não estava preparada.

Uma vez que os varejistas não entendem que os custos envolvidos na produção de itens de vestuário são crescentes e, como ouvimos sempre, "se quiserem vender, tem que espremer o custo", todos os setores envolvidos sofrem do mesmo mal: se quisermos volume, não ganharemos dinheiro. Se quisermos ganhar dinheiro, venderemos pouco volume.

O preço da roupa no varejo não vai aumentar. Não tem aumentado nos últimos dois anos. Ora bolas! O consumidor não comprará se a roupa estiver a um preço que ele não pode / ou não quer pagar. E vai procurar adequar seus hábitos de consumo à sua possibilidade de enfrentar os gastos. O temor da ABVTEX não tem fundamento.

Estaremos nós voltando à época em que cada lar tinha uma costureira e esta ensinava às suas filhas o nobre e importante ofício da costura? Será que voltaremos à época de ouro dos alfaiates? Ou voltaremos ainda mais, passando a considerar que andarmos sem roupas é mais adequado? Pelo menos, conseguiremos manter todos os outros pedaços de conforto conquistados a duras penas: o carro novo financiado a juros de usurários, o sinal da internet, do telefone fixo e do celular, da cable tv, da comida enlatada, da gasolina, álcool e qualquer outro tipo de combustível, a energia elétrica para ligar o ar refrigerado nos dias de calor e o ar quente do secador de cabelos...

GILBERTO

Vc tem razão em todo seu comentário.

Apesar de termos os serviços em geral de qualidade ruim,temos.

Hoje os brasileiros que viajam para fora principalmente para os EEUU compram confecções de 1a qualidade com preços muitissimo inferior a mesma vendidas no Brasil.Considerando todos os custo ainda é mais que vantajoso comprar lá fora.

Na minha opinião nos temos um enorme problema a resolver que o da baixa da demanda devida a nossa  renda per capita.

A taxa de juros lá fora não passa de 1%/ano.Bancos tomam dinheiro no mercado internacional a esse valor e emprestam aqui a 40%/ano.

Não existe economia de consumo com baixa renda e dinheiro caro.

Dificil planejar demanda.

Luiz Eduardo


Luiz Eduardo Mello disse:



Gilberto Miyake disse:

Parece fácil dizerem que a indústria nacional não estava preparada.

Uma vez que os varejistas não entendem que os custos envolvidos na produção de itens de vestuário são crescentes e, como ouvimos sempre, "se quiserem vender, tem que espremer o custo", todos os setores envolvidos sofrem do mesmo mal: se quisermos volume, não ganharemos dinheiro. Se quisermos ganhar dinheiro, venderemos pouco volume.

O preço da roupa no varejo não vai aumentar. Não tem aumentado nos últimos dois anos. Ora bolas! O consumidor não comprará se a roupa estiver a um preço que ele não pode / ou não quer pagar. E vai procurar adequar seus hábitos de consumo à sua possibilidade de enfrentar os gastos. O temor da ABVTEX não tem fundamento.

Estaremos nós voltando à época em que cada lar tinha uma costureira e esta ensinava às suas filhas o nobre e importante ofício da costura? Será que voltaremos à época de ouro dos alfaiates? Ou voltaremos ainda mais, passando a considerar que andarmos sem roupas é mais adequado? Pelo menos, conseguiremos manter todos os outros pedaços de conforto conquistados a duras penas: o carro novo financiado a juros de usurários, o sinal da internet, do telefone fixo e do celular, da cable tv, da comida enlatada, da gasolina, álcool e qualquer outro tipo de combustível, a energia elétrica para ligar o ar refrigerado nos dias de calor e o ar quente do secador de cabelos...

Agora a a culpa e da salvaguarda estas redes  de loja que sao acostumadas a viver de trabalho escravo e de trabalho infantil com lucros estratosfericos e que brando todo o setor textil eu quero ver agora e o fabricante que tiver juizo nao vai espremer custo nao tem que pagar o custo brasil eles que vao la pra brasilia pedir pra o governos diminuir encargos assumindo responsabilidades sociais que venha a salva guarda parabens todos as entidades que lutaram por isto como a abit entre outros  e muito facil comprar por trocados e vender por milhoes assim todo mundo estava milionario agora as criancas da china continuam sendo explorado mas o brasil nao sera mais conivente pode fechar cea, rener, as zaras da vida que nos produtores brasileiros abateceremos o mercado sim com preco competitivo e produto melhor que venha salva guarda pois ja sofremos demais

Prezados 

Salvaguarda nunca resolveu e jamais resolvera o eterno e produtivamente combatido custo BRASIL.

Tudo que se fez e se faz ate' hoje foi sem resultado positivo.Prova disto e' que a carga tributaria aumenta constantemente.O Estado alivia agora para o aperto retornar amanha.

O grande a maior problema do Pais e' o da falta de lideres que sejam patriotas e nasceram em berco  aonde se praticava o civismo e o incondicional amor a Patria.

Infeluzmente o Brasil e' tambem um pais de poucos anos de democracia e isso afetou muito a formacao de lideres civicos.

Os lideres que temos estao voltamos para o fisiologismo e aos interesses proprios ou de grupos.

Vai ser bem dificil deixarem que verdadeiros lideres surjam e crescam.

A realidade e' esssa e cabe a nos enfrentarmos a crise de lideranca com sabedoria...bons exemplos...cidadania....amor a Patria e ao proximo....sendo bons Pais e bons filhos...respeitando as leis e as institucoes....lutando pelas injusticas...enfim seguir os principios laicos da Lei Geral para o bom convivio colocada para Moises no Monte Sinai...

Simples....essa e' a verdadeira constituicao Universal que todos os Paises deveria seguir...

Um exemplo...nao roubar...corrupcao e' roubo...dar propina e' roubo...sonegar e' roubo...conseguir fortunas encima da Fe' e fraquesa alheia e' fazer falso testemunho........enfim..

Luiz Eduardo

Eles perceberam em setembro que o natal seria bom,e mesmo que quisessem importar não daria tempo,porque importação é coisa de 12 meses pra chegar aqui desde criar modelo até acertar preço etc...

Esses grandes são uns animais famintos,não importa quem morra eles querem lucrar.

Tomara que o governo continue mesmo com a salvaguarda,e ainda mais intenso.

Afinal,não se ressuscita um setor como o textil que vem sendo massacrado durante os ultimos 30 anos.

Mas nós vamos reagir.

É isso.......

Gilberto Miyake disse:

Parece fácil dizerem que a indústria nacional não estava preparada.

Uma vez que os varejistas não entendem que os custos envolvidos na produção de itens de vestuário são crescentes e, como ouvimos sempre, "se quiserem vender, tem que espremer o custo", todos os setores envolvidos sofrem do mesmo mal: se quisermos volume, não ganharemos dinheiro. Se quisermos ganhar dinheiro, venderemos pouco volume.

O preço da roupa no varejo não vai aumentar. Não tem aumentado nos últimos dois anos. Ora bolas! O consumidor não comprará se a roupa estiver a um preço que ele não pode / ou não quer pagar. E vai procurar adequar seus hábitos de consumo à sua possibilidade de enfrentar os gastos. O temor da ABVTEX não tem fundamento.

Estaremos nós voltando à época em que cada lar tinha uma costureira e esta ensinava às suas filhas o nobre e importante ofício da costura? Será que voltaremos à época de ouro dos alfaiates? Ou voltaremos ainda mais, passando a considerar que andarmos sem roupas é mais adequado? Pelo menos, conseguiremos manter todos os outros pedaços de conforto conquistados a duras penas: o carro novo financiado a juros de usurários, o sinal da internet, do telefone fixo e do celular, da cable tv, da comida enlatada, da gasolina, álcool e qualquer outro tipo de combustível, a energia elétrica para ligar o ar refrigerado nos dias de calor e o ar quente do secador de cabelos...

Eis mais um exemplo da estupidez com que a ABVTEX (...sempre ela) trata as coisas.

Quando a compra é planejada e antecipada, tudo vem de fora (...e dane-se o produtor nacional).

Quando a coisa aperta, ou seja, há um erro no planejamento, quer que o produtor nacional dê conta do babado aos 47' do segundo tempo.

Como confecção não é pastelaria...

Agora, querer jogar a culpa nas costas do produtor nacional por isso é, no mínimo, coisa de gente muito leviana.

 Os "lobistas" já estão se articulando contra a salvaguarda.

Salvaguarda pode resolver a coisa pontualmente....e não definitiva...

Nossas fronteiras são imensas...lembrem-se que temos 8.500km de costa...e mais o mesmo por terra...ainda não temos condição alguma de controlar tudo isso...veja o caso das drogas....

Somando-se a esperteza de alguns "industriais" dos diversos ramos,a coisa fica dificil...os espertos,para garantir suas vantagens,estão infiltrados em todos os lugares....

Para nós realmente brasileiros esse problema,a curto e médio prazo,parece insolúvel. 

Quando lobbies estão envolvidos a coisa pode ir para uma direção constrangedora...

Como resolver se a coisa é maior que a gente?????

Quando se mexe em valores de todos os tipos,fica difícil.

Sinceramente não sei e duvido que saiba de uma solução em curto tempo.

Com o custo Brasil nas alturas o próprio industrial pensa se vale a pena ficar dando murro na ponta da faca ou também entrar nessa de trazer de fora o que ele fabrica aqui....

Eu fabricava tecido 100% PE com fio texturizado,torcido(400t/m),titulo,trilobal,SO, 122X48dtex e Zero torção na trama...esse fio a Polienka parou de fabricar e fiquei sem opção no mercado...parei minha produção e mudei o ramo para tingimento...

Luiz

Pelo menos voce tinha outras opcoes e quando nao se se tem vai embora do brasil porque aqui o empresario e um cachorro o cachorro vale mais a vontade que dar e entrar nesta e preciso ser muito patriota ou como diz o ditado para ser empresario no brasil e preciso muito dinheiro (pra comprar corrupto) ou ou pouco muizo que acho que e a maioria de nos

Optei por ficar aqui e lutar om bom combate...com certeza...quase todos os dias entro na pagina do Governo(www.brasil.gov.br) e mando mensagens a Presidente procurando colaborar e anima-la na dificil tarefa de mudar o Brasil quanto aos seu vicios;seus entulhos;suas mazelas;seus pessimos costumes...enfim...

O BRASIL é uma terra abençoada por DEUS...sol 365 dias/ano...agua a vontade....terra 100% agricultavel....8500km de costa voltada para a Europa...fala uma lingua só...povo não belico......precisamos somente de que o Povo não seja egoista e vote em prol do bem comum...que os País eduquem seus filhos nos principios basicos do civismo e da lealdade a Patria...que os adultos deixem de dar maus exemplos as crianças e jovens...que os adultos parem de viver conforme a famosa lei do Gerson....

Luiz

Responder à discussão

RSS

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço