Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XV

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XV

por: Marcela Leone

agenero1

A moda sem gênero pode não ser bastante comum ainda, mas se você olhar os principais desfiles de moda vai ver que muitas marcas apagaram aquela distinção clara entre roupas masculinas e femininas.

O movimento que não faz distinção entre masculino e feminino está cada vez mais presente na moda. Peças que podem ser usadas por todos começaram a aparecer há algumas temporadas. Mas atenção, essa não é apenas mais uma tendência, é uma nova categoria criada a partir de mudanças da sociedade. Afinal, a moda é também um movimento político e social.

Mesmo as marcas de fast fashion como Zara e H&M, que atraem um público de massa estão a bordo. Mas, embora a ideia de abandonar os rótulos de gênero tradicionais não seja nova, podemos dizer que essa abordagem à moda se tornou natural.

E não é só lá fora que a moda agênero vem ganhando força. Aqui no Brasil, várias marcas vem sendo criadas ou adotando essa postura: Melissa, Hex, Ocksa, Cotton Project e Another Place são algumas delas.

agenero2

Movimento agênero

A moda sempre foi uma maneira de comunicar o humor, a personalidade, e a vida ao mundo em geral. Mas designers e marcas perceberam que estavam criando barreiras e excluindo pessoas que se identificavam com outros estilos de roupas e gostos.

Por isso, com o movimento agênero, as antigas regras de conformidade são continuamente desafiadas tanto do ponto de vista de aceitação como do ponto de vista comercial. E isso é resultado de uma nova geração, que vai usar o que quiser, sem se preocupar com o que é certo ou errado.

Um excelente exemplo dessa mudança de atitudes é Jaden Smith, filho do ator americano Will Smith, que posou de jaqueta de couro e saia na campanha publicitária da Louis Vuitton no ano passado.

Lingerie agênero

Não demorou para essa tendência chegar à moda íntima. Isso porque, a cada temporada esse movimento vira cada vez mais uma forma normal de se vestir e de pensar nas roupas. E por que não adaptar à moda íntima?

A Korova, por exemplo, é uma marca urbana brasileira que fez uma campanha de moda íntima agênero para fugir dos padrões e criar peças que fogem da objetificação da mulher. Existem também inspirações estrangeiras como Les Girls Les Boys e Sloane & Tate.

O que você acha desse movimento?

Fonte: Zanotti | Fotos: reprodução 

http://alllingerie.com.br/voce-ja-ouviu-falar-em-moda-agenero/

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - CLIQUE AQUI

Exibições: 462

Responder esta

Respostas a este tópico

Já se é esperado que esse movimento teria que se projetar em roupa , pois para que sempre viveu escondido atrás das roupas,terá opção de se ultilisar de um estilo bem próprio.
E com certeza irá arrastar muitos em aceitar uma ideia implantada por um interesse na da mais que satânico.Nos fazer acreditar que podemos ser o que NUNCA SEREMOS.
Estamos caminhando para um abismo sem fim.Mas para se ganhar uns bons lucros se vende até a alma!!!
Concordo, em "gênero", números, e grau. interesses; afinal, a moda é assim.

  O que você acha desse movimento?

Responder à discussão

RSS

© 2022   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço