Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

A Copa do Mundo que se disputará de 12 de junho a 13 de julho do ano que começa será a mais difícil da história para o Brasil. A previsão de dureza para aquele que o mundo inteiro vê como o “país do futebol” — por ser a única nação pentacampeã e também a única a ter comparecido a todas as edições do evento, desde que um torneio capenga com a presença de quatro escassas seleções europeias abriu a série em 1930, no Uruguai — não leva em conta apenas as chances esportivas da equipe comandada por Luiz Felipe Scolari. Mesmo em uma Copa maiúscula, que contará com a presença de todas as equipes que já levantaram a taça, ninguém seria louco de subestimar o Brasil, muito menos jogando em casa. O prognóstico cauteloso se deve mais a fatores extracampo, que desta vez não poderemos nos dar ao luxo de relegar a segundo plano. Haja o que houver, seja quem for o campeão, existe desde já uma certeza: na Copa do Mundo do Brasil, o Brasil vai se encontrar com o Brasil — o país onde se joga o futebol mais vitorioso e festejado do mundo com o país que é pereba na infraestrutura, perna de pau na educação, consistente na desigualdade social e matador na corrupção. Nenhum dos dois é uma mentira, mas, naturalmente, estranham-se no espelho.

Isso torna a Copa de 2014 única: aquela que, mesmo ganhando, corremos o risco de perder. Pela primeira vez, vencer nos gramados não será suficiente. De forma incomparavelmente mais desafiadora do que em 1950, quando o Mundial da Fifa era um certame paroquial comparado à superprodução de hoje, será preciso vencer nos aeroportos, nos hotéis, nos táxis, nas filas diante dos estádios e na segurança — em resumo, na organização — um jogo em que o placar já foi aberto e nos é amplamente desfavorável, com obras atrasadas, promessas que nunca saíram do papel, orçamentos estourados e desculpas estropiadas como a do ministro do Esporte, Aldo Rebelo, ao dizer que nunca viu a noiva chegar à igreja na hora marcada. Ocorre que, se o Brasil bom de bola pode ser escalado no papel de noiva, o país que se ofereceu para sediar a Copa é a própria igreja. Apesar dos percalços, e ainda que haja andaimes no altar, tudo transcorrerá, com alguma sorte, sem maiores problemas. Mesmo assim, o jogo não estará ganho. Será necessário demonstrar ao vivo, diante dos olhos do planeta, que o título de “país do futebol” não é um slogan vazio que uma parcela substancial da população, reunida do lado de fora da igreja com as mãos cheias de pedras em vez de saquinhos de arroz, encara com rancor e desdém, como se não passasse de um artifício publicitário destinado a enganar a massa.

QUEM VAI DRIBLAR OS BLACK BLOCS?
“Se eu tiver de assistir aos jogos ladeado por seguranças, não virei ao Brasil”, disse o ex-craque francês Michel Platini, presidente da Uefa. Sim, ele virá — e é muito provável que depare com manifestações como as de junho passado, durante a Copa das Confederações.
Gustavo Froner/Reuters

Afinal, o futebol brasileiro é algo parecido com aquele surrado clichê marxista, o “ópio do povo”, ou sua expressão cultural mais refinada? As duas coisas, claro. Se eliminarmos uma delas, ficará incompleto o país de Deyvid Arnaldo da Silva, 11 anos, nascido e criado em Itaquera, bairro da Zona Leste de São Paulo onde, numa corrida contra o relógio, está sendo construído o estádio em que Brasil e Croácia farão a partida de abertura da Copa. Caçula e único homem entre os quatro filhos de Josinaldo, um asfaltador pernambucano, e da faxineira Rosilda, Deyvid planeja redimir os sonhos futebolísticos frustrados do pai e virar jogador profissional. Para tanto, magrelo e mirrado, joga num campo de terra batida da Rua Professor Leonidio Alegreti, nas cercanias do Itaquerão, o estádio inacabado no qual a queda de um guindaste, em novembro, matou dois operários e arrebentou o cronograma da obra. Deyvid é pobre — quem paga a mensalidade da escolinha que ele frequenta é um tio —, mas sonha alto. Mesmo sem dinheiro para o ingresso, imagina que possa “dar um jeito de entrar no estádio” para ver seus ídolos de perto. Isso ainda é pouco. “Quero ser igual ao Messi, o melhor do mundo”, anuncia. Tudo muito improvável. Mas só quem não conhece o Brasil diria que é impossível.

A ESCOLA BRASILEIRA
Arthur Friedenreich, El Tigre; Leônidas da Silva, o Diamante Negro; Pelé, o Rei; Ronaldo, o Fenômeno; e o noviço Neymar, a maior esperança brasileira em 2014, ainda à espera de uma alcunha definitiva em substituição à depreciativa Filé de Borboleta que o técnico Vanderlei Luxemburgo tentou lhe pespegar.

Goste-se ou não, é essa complicada equação que dominará 2014. Descartar como mentirosa ou irrelevante qualquer das duas imagens do país — tanto a que a paixão esportiva exalta quanto a que a consciência cívica revela — seria desperdiçar uma oportunidade histórica. Não se viu o quadro completo na exortação que o publicitário Nizan Guanaes, da agência Africa, publicou na imprensa por ocasião do sorteio dos grupos da Copa, na primeira semana de dezembro: “Agora, danem-se o aeroporto, o motorista que não fala inglês, dane-se tudo. Agora, o que vai imperar é a paixão pelo futebol, e, como sabemos, o amor é cego”. Como se os aeroportos brasileiros precisassem de um empurrãozinho para se danar. Pela mesma razão, o escritor e jornalista inglês John Carlin pareceu ingênuo ao declarar sua incompreensão sobre a dinâmica da insatisfação social brasileira no recente artigo que escreveu para VEJA. “Como isso pode acontecer?”, espantou-se, acrescentando que, em sua opinião, “não pode haver lugar mais adequado para celebrar a maior festa de futebol do mundo”. O ex-craque francês Michel Platini, presidente da Uefa, entidade que controla o futebol europeu, reforçou o coro contra possíveis manifestações contrárias à Copa ao fazer em entrevista à Folha de S.Paulo uma ameaça em que ninguém acreditou: “Se eu tiver de assistir aos jogos ladeado por seguranças, por militares, não virei ao Brasil”.

Sim, Platini virá e, se for necessário, espera-se que encontre um esquema capaz de lhe garantir, e a todos os participantes, a segurança que a omissão das autoridades negou às vítimas da deprimente pancadaria entre torcedores do Atlético Paranaense e do Vasco da Gama em Joinville, no dia 8 de dezembro, na rodada de encerramento do Campeonato Brasileiro. Desvincular as palavras dos fatos é má política e já havia tornado a presidente Dilma Rousseff alvo de piadas quando, em abril do ano passado, ela tomou nossa autoimagem ufanista como expressão da verdade em seu discurso na inauguração da Arena Fonte Nova, em Salvador, afirmando que “somos um país conhecido por ser insuperável no campo, mas estamos mostrando que somos insuperáveis também fora de campo”. A alguns metros de distância, do lado de fora do estádio, uma gigantesca placa de sinalização bilíngue traduzia “saída” por entrace — um erro duplo, pois o correto é entrance e significa “entrada”. Repetindo Carlin: “Como isso pode acontecer?”.

CRAQUE E CABEÇA DE BAGRE
Quando uma expressão cultural se entranha a tal ponto na bagagem coletiva de um povo, como ocorreu com o futebol no Brasil, é preciso tratá-la com respeito. A pista sobre quem somos de fato, naquele espelho metafórico que a Copa erguerá diante de nós, pode muito bem estar à vista de todos no traço mais decantado de nosso estilo: o improviso, a recusa do planejamento, a solução encontrada de estalo. A mesma característica que faz do jogador de futebol um craque e do administrador, um cabeça de bagre.
Acervo Instituto Moreira Salles

A chance de equalizar o Brasil do sonho e o Brasil da realidade começa pelo reconhecimento de que o “país do futebol”, sendo um mito, está longe de ser uma mentira. Para sustentar o argumento político desvairado que ronda muitas conversas pré-Copa — que o esporte mais popular do mundo não passa de uma impostura controlada por uma entidade imperial, a Fifa, para que grandes empresas faturem alto à custa do torcedor ingênuo —, é preciso jogar no lixo a bonita história do futebol brasileiro, uma epopeia que coincide bem demais com a própria evolução política e social do país no século XX. Entre as narrativas de construção da identidade nacional, a que gira em torno da bola e embala os sonhos de meninos como Deyvid da Silva é a mais bem-sucedida, tanto junto ao público interno quanto no concerto das nações. Na galeria de heróis dessa saga podemos destacar os seguintes personagens, em ordem de aparecimento (cada um com seu apelido, como convém a criaturas mitológicas): Arthur Friedenreich, El Tigre; Leônidas da Silva, o Diamante Negro; Pelé, o Rei; Ronaldo, o Fenômeno; e o noviço Neymar, a maior esperança brasileira em 2014, ainda à espera de uma alcunha definitiva em substituição à depreciativa Filé de Borboleta que o técnico Vanderlei Luxemburgo tentou lhe pespegar. Todos negros ou mestiços, não fosse essa uma narrativa de ocupação de espaços por jogadores pobres e de como eles talharam na pedra bruta de um jogo europeu a feição cheia de surpresas e linhas sinuosas que o mundo reverencia como a “escola brasileira” — aquilo que o cineasta italiano Pier Paolo Pasolini, em artigo escrito em 1971 sob o impacto do tri, chamou de “futebol de poesia” em oposição ao “futebol de prosa” dos europeus.

“SOMOS INSUPERÁVEIS”
Dilma Rousseff disse em seu discurso na inauguração da Arena Fonte Nova, em Salvador (na foto, com o governador Jaques Wagner): “Somos um país conhecido por ser insuperável no campo, mas estamos mostrando que somos insuperáveis também fora de campo”. Verdade. A alguns metros de distância, do lado de fora do estádio, uma gigantesca placa de sinalização bilíngue traduzia “saída” por entrace — um erro duplo, pois o correto é entrance e significa “entrada”.
Roberto Stuckert Filho/PR/AFP e Jornal A Tarde

É inegável que os amantes do esporte espalhados pelo mundo tendem a mitificar a época de ouro da seleção brasileira, como se nossos grandes craques do passado fossem seres sobrenaturais que nunca erravam um passe, e contra esse ideal inatingível julgam com severidade excessiva os jogadores atuais. Também é óbvio que tal mito foi construído historicamente em jornadas vitoriosas que pela primeira vez levaram críticos insuspeitos, como o historiador inglês Eric Hobsbawm, a promover o futebol — só um jogo, ora — à categoria de expressão artística. Sim, estamos falando da principal contribuição estética que o Brasil deu ao mundo, segundo o próprio mundo, com a música popular garantindo honrosamente o vice-campeonato. Tudo isso pertence à esfera da lenda, mas vale lembrar a lição de Joseph Campbell, o grande mitólogo americano: “Os mitos dão pistas das potencialidades espirituais da vida humana”. Quando uma expressão cultural se entranha a tal ponto na bagagem coletiva de um povo, como ocorreu com o futebol no Brasil, é preciso tratá-la com respeito. A pista sobre quem somos de fato, naquele espelho metafórico que a Copa do Mundo erguerá diante de nós, pode muito bem estar à vista de todos no traço mais decantado de nosso estilo: o improviso, a recusa do planejamento, a solução encontrada de estalo. A mesma característica que faz do jogador de futebol um craque e do administrador, um cabeça de bagre. O Brasil é um só, afinal.

Colaborou Renata Lucchesi
* Sérgio Rodrigues, escritor e jornalista, colaborador do site de VEJA, autor do romance O Drible

http://veja.abril.com.br/010114/especial-copa-no-pais-do-futebol.shtml

Exibições: 59

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Comentário de Romildo de Paula Leite em 31 dezembro 2013 às 8:12

A mesma característica que faz do jogador de futebol um craque e do administrador, um cabeça de bagre. O Brasil é um só, afinal.

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço