Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano X

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano X

Comércio em crise: G1 percorre a Rua da Carioca e vê 1 loja fechada a cada 10 metros

Uma das ruas de comércio mais tradicionais do Rio de Janeiro é hoje o símbolo da crise econômica; levantamento mostra que 69 lojas fecham por dia no estado.

Por Cristina Boeckel e Felipe Grandin, G1 Rio



Rua tradicional de comércio no Rio tem uma loja fechada a cada 10 metros

Rua tradicional de comércio no Rio tem uma loja fechada a cada 10 metros

Uma das áreas de comércio mais tradicionais do Rio de Janeiro, a Rua da Carioca simboliza a situação crítica dos comerciantes fluminenses. Ao longo de seus 300 metros de extensão, pelo menos 28 lojas estão fechadas: uma a cada 10,7 metros. Em todo o estado, 69 lojas fecham por dia, segundo levantamento do Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDLRio) que levou em cosideração os números do comércio até maio.

A crise econômica se reflete nas vendas – que caem todos os meses há dois anos no Rio – e é agravada pela violência, que também afeta o comércio. O resultado é o fechamento de lojas, a redução de vagas e o aumento dos gastos com segurança. Neste domingo, 16 de julho, Dia do Comerciante, empresários e funcionários têm pouco o que comemorar. Comerciantes com décadas de experiência acreditam que é o pior momento que já viveram.

Considerado um pólo de venda de instrumentos musicais, a Carioca já chegou a reunir 12 lojas dedicadas à música. Atualmente são apenas cinco estabelecimentos.

“Éramos dez vendedores. Somos hoje cinco ou seis vendedores. Atende-se muito pouco. Pelo menos 40 pessoas você chegava a atender em um dia. E vendíamos para mais da metade das pessoas que atendíamos. Hoje, você puxa o resumo de vendas do dia e tem vendedores com três vendas. Sábado teve vendedor indo embora que não abriu nem boleto”, diz Nildo Félix, vendedor da Sonic Som.

A loja e outras da área se uniram para promover o comércio da região com a campanha “o som não pode parar”, que estampa as camisetas dos vendedores. A expectativa é levar o público especializado e os amantes da música de volta à região.

Mas mesmo com mais público, os comerciantes não têm garantia de melhores vendas. Muitos entram nas lojas, pesquisam, tiram dúvidas, mas não finalizam a compra.

“O Rio é historicamente um estado com muitos funcionários públicos. Se você tem uma família em que alguém está sem emprego, isso monopoliza muita gente para dar um apoio. Além da taxa de desemprego, há os que estão empregados, mas não recebem”, explicou Marcos José Oliveira, de 66 anos, da Casa Oliveira de Músicas, que foi fundada em 1948, com seu avô. Para ele, essa é a pior crise que já viu no setor.

Parte dos servidores do estado estado ainda não recebeu os salários de maio e junho e aguarda o pagamento do 13º do ano passado.

Mesmo para os profissionais empregados, a vida não está fácil. Os ganhos minguaram com a falta de clientes.

“Eu tenho duas filhas. A de cinco anos sempre teve plano de saúde. Também fiz para a minha filha de um ano quando ela nasceu. Mas há seis meses que estão sêm plano. Não dá para pagar”, destaca Nildo, que trabalha com a venda de instrumentos musicais há 15 anos.

Um dos endereços mais tradicionais e que fechou as portas há dois anos foi a Guitarra de Prata. A loja de instrumentos, que funcionava há 127 anos, também não aguentou a crise e foi obrigada a fechar a sua loja física. Atualmente, ela realiza vendas pela internet e tem um ponto de retirada de compras na Tijuca, na Zona Norte.

Endereços centenários são comuns na rua. O Bar Luiz, um dos mais antigos do Rio, é de 1887. O Cine Íris, fundado em 1909, é o cinema mais antigo em funcionamento na cidade e atualmente é dedicado a filmes pornográficos.

A própria história da Rua da Carioca ultrapassa os séculos. Fundada no apagar das luzes do século XVII, com o nome de Rua do Egito, passou a ser chamada de Rua do Piolho no século XVIII por causa do apelido de um morador e ganhou o nome que ostenta hoje em 1848, por ser o caminho que levava a população ao Largo da Carioca.

Lojas fechadas estão espalhadas ao longo de toda a extensão da Rua da Carioca. (Foto: Marcos Serra Lima/ G1)http://s2.glbimg.com/8wiWnWidrsbq1P5rGizvMqdG2hQ=/0x0:1395x789/2016x0/smart/filters:strip_icc()/i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2017/5/t/pWgd7dSyWeN1ABfTNGHg/lojas-fechadas.jpg 2x" srcset="http://s2.glbimg.com/INiCmm_SsZo2n1wOKMG8T76UEq8=/0x0:1395x789/1008x0/smart/filters:strip_icc()/i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2017/5/t/pWgd7dSyWeN1ABfTNGHg/lojas-fechadas.jpg 1x, http://s2.glbimg.com/8wiWnWidrsbq1P5rGizvMqdG2hQ=/0x0:1395x789/2016...()/i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2017/5/t/pWgd7dSyWeN1ABfTNGHg/lojas-fechadas.jpg 2x" />http://s2.glbimg.com/doTy2-iliYVZvby-_JnSrU6Xyx8=/0x0:1395x789/2524x0/smart/filters:strip_icc()/i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2017/5/t/pWgd7dSyWeN1ABfTNGHg/lojas-fechadas.jpg 2x" srcset="http://s2.glbimg.com/8bwOHwH_IhCjNYAQA-pnIKBBIXQ=/0x0:1395x789/1262x0/smart/filters:strip_icc()/i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2017/5/t/pWgd7dSyWeN1ABfTNGHg/lojas-fechadas.jpg 1x, http://s2.glbimg.com/doTy2-iliYVZvby-_JnSrU6Xyx8=/0x0:1395x789/2524...()/i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2017/5/t/pWgd7dSyWeN1ABfTNGHg/lojas-fechadas.jpg 2x" />http://s2.glbimg.com/ubxL_nq58diTaHZP4Sd7rrUN3JE=/0x0:1395x789/2688x0/smart/filters:strip_icc()/i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2017/5/t/pWgd7dSyWeN1ABfTNGHg/lojas-fechadas.jpg 2x" srcset="http://s2.glbimg.com/CAbyztMpl2_lSPp-xNxhZlub6UY=/0x0:1395x789/1344x0/smart/filters:strip_icc()/i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2017/5/t/pWgd7dSyWeN1ABfTNGHg/lojas-fechadas.jpg 1x, http://s2.glbimg.com/ubxL_nq58diTaHZP4Sd7rrUN3JE=/0x0:1395x789/2688...()/i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2017/5/t/pWgd7dSyWeN1ABfTNGHg/lojas-fechadas.jpg 2x" />http://s2.glbimg.com/UZ1c87pxigOq86zKcmRPXDsxj00=/0x0:1395x789/3200x0/smart/filters:strip_icc()/i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2017/5/t/pWgd7dSyWeN1ABfTNGHg/lojas-fechadas.jpg 2x" srcset="http://s2.glbimg.com/snZx5x2EbvKR9aZ7-ZvEcx2cEFk=/0x0:1395x789/1600x0/smart/filters:strip_icc()/i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2017/5/t/pWgd7dSyWeN1ABfTNGHg/lojas-fechadas.jpg 1x, http://s2.glbimg.com/UZ1c87pxigOq86zKcmRPXDsxj00=/0x0:1395x789/3200...()/i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2017/5/t/pWgd7dSyWeN1ABfTNGHg/lojas-fechadas.jpg 2x" />Lojas fechadas estão espalhadas ao longo de toda a extensão da Rua da Carioca. (Foto: Marcos Serra Lima/ G1)

Lojas fechadas estão espalhadas ao longo de toda a extensão da Rua da Carioca. (Foto: Marcos Serra Lima/ G1)

Problemas em todo o Rio

O problema visto na Rua da Carioca pode ser observado em outros lugares do Rio. De acordo com um estudo do CDLRio, com cerca de 500 estabelecimentos comerciais da capital fluminense, as vendas no comércio chegaram a recuar 7,9% nos cinco primeiros meses do ano, em comparação ao mesmo período do ano passado.

Vendas em queda no Rio
Vendas do comércio no Rio caíram todos os meses nos últimos dois anos, segundo o Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro
Vendas do mês x mês anterior0,40,4-3,1-3,1-2,6-2,6-5,1-5,1-4,2-4,2-3,2-3,2-3,9-3,9-11,6-11,6-8,5-8,5-6,1-6,1-7,4-7,4-5-5-3,6-3,6-7,1-7,1-6,8-6,8-9,9-9,9-5,8-5,8-4,9-4,9-3,3-3,3-9,5-9,5-7,9-7,9-8,1-8,1-7,7-7,7-5,2-5,2Jun 2015Jul 2015Ago 2015Set 2015Out 2015Nov 2015Dez 2015Jan 2016Fev 2016Mar 2016Abr 2016Mai 2016Jun 2016Jul 2016Ago 2016Set 2016Out 2016Nov 2016Dez 2016Jan 2017Fev 2017Mar 2017Abr 2017Mai 2017-12,5-10-7,5-5-2,502,5
Fonte: Termômetro de Vendas/CDLRio

De acordo com a entidade, 888 lojas fecharam na cidade em maio, 222% a mais do que no mesmo mês do ano passado. Em todo o estado, no mesmo período, 2.132 estabelecimentos comerciais encerraram as atividades – o equivalente a 69 por dia –. É uma alta de 112% em relação a maio do ano anterior.

“O Rio de Janeiro está vivendo um momento extremamente difícil e isso, consequentemente, afeta muito o comércio. O principal fator que nos afeta é a questão do desemprego, que é muito alto e quem não tem trabalho, não tem emprego, não pode comprar, não pode consumir”, destacou Aldo Gonçalves, presidente do CDLRio, lembrando que os problemas no pagamento dos servidores estaduais também atrapalham os negócios.

Violência custa R$ 1,2 bilhão

O aumento nos índices de violência e a desordem urbana também são apontados como fatores que prejudicam o comércio. Em maio, o Instituto de Segurança Pública registrou um aumento de 47,1% nos números de roubos de celular, de 14,6% nos roubos a transeunte e de 33,8% nos roubos a coletivos no estado.

Levantamento feito pela CDLRio mostra que apenas o comércio varejista da cidade do Rio gastou R$ 1,2 bilhão com segurança entre abril de 2016 e abril de 2017. A pesquisa foi realizada com 750 lojistas e inclui a contratação de vigilantes, equipamentos eletrônicos, grades, blindagens de portas e reforço de vitrines.

“A falta de segurança é um dos fatores que está afetando o comércio do Rio de Janeiro. Uma série de lojas estão sendo assaltadas. Uma cadeia de lojas teve 170 assaltos no ano passado. E vários arrombamentos”, explicou o presidente do CDLRio.

De acordo com Aldo Gonçalves, a crise no comércio é muito visível no Centro. Além da Rua da Carioca, é possível ver grande quantidade de estabelecimentos fechados ou que sofrem para se manter abertos em outros locais tradicionais como a Rua da Assembleia, a Rua Primeiro de Março e a Rua Sete de Setembro.

http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/comercio-em-crise-g1-per...


Exibições: 17

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano X para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano X

© 2017   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço