Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Dentadura para eleitor ver. Ou: O que seria dos populistas sem a miséria?

Dona Nalvinha: para ela, Dilma é uma “mãe”. Fonte: Folha

Grigori Potemkin foi um oficial russo que construiu falsas fachadas para impressionar Catarina II durante uma visita a Crimeia. Os soviéticos e demais comunistas usaram a mesma estratégia para encantar os progressistas ocidentais, loucos de vontade de enxergar apenas coisas maravilhosas para alimentar sua utopia.

Dilma também gosta de casas de fachada para inflar seu programa Minha Casa, Minha Vida. Mas isso é pouco: a presidente cede até mesmo dentaduras de fachada para um sorriso mais bonito – ainda que artificial – de seus eleitores pobres:

Uma moradora do sertão da Bahia recebeu dentes novos um dia antes de gravar imagens com a presidente Dilma Rousseff, nesta quinta-feira (21), para a propaganda de sua campanha à reeleição.

A trabalhadora rural Marinalva Gomes Filha, 46, da zona rural de Paulo Afonso e beneficiária do programa Água para Todos, disse à Folha que a prótese, com dois dentes da frente, fora dada por Dilma.

“Tudo que tenho aqui foi Dilma que me deu”, disse Marinalva, conhecida como dona Nalvinha. Ela afirmou que a prótese dentária também estava entre os benefícios.

[...]

Além da prótese dentária, dona Nalvinha também teve um fogão à lenha ampliado na semana da chegada da presidente. Um muro foi construído ao lado do fogão, para protegê-lo contra o vento.

A construção do fogão, assim como duas cisternas instaladas em sua casa, fazem parte de um convênio firmado pelo governo federal e pelo governo petista da Bahia com a ONG Agendha. Dona Nalvinha é a única moradora do povoado de Batatinha que já ganhou fogão à lenha.

Os vizinhos Denise Lima da Silva, 23, e Arvaldo Gomes Filho, 40, disseram que receberam promessas da ONG, mas ainda não têm os fogões.

A visita à comunidade, que constava da agenda oficial da presidente, também teve a participação de Lula. Emocionada, dona Nalvinha afirmou que, para ela, Dilma é uma “mãe” e Lula, um “pai”. Serviu carne de bode aos dois.

Pois é. Em outros tempos, em outra ocasião e feito por outra gente, isso certamente seria chamado de exploração da miséria. Tal prática abjeta é típica dos coronéis nordestinos, que outrora o PT adorava atacar e que hoje são seus mais fiéis aliados. Nelson Rodrigues gostava de dizer que a “festiva” precisava da miséria desesperadamente, pois era seu ganha-pão. O que seria dessa gente sem a pobreza para explorar?

Uma moradora é a “escolhida”, ganha fogão novo, até dentes novos!, e tudo para inglês ver, ou melhor, para eleitor ver. Um engodo, um embuste, uma empulhação completa. Os demais vizinhos ficam a ver navios, enquanto Dona Nalvinha chama Dilma de “mãe”.

Não é a mamãe! Não é a mamãe! É apenas uma representante do populismo lulopetista em busca dos votos dos idiotas úteis à custa dos pobres e ignorantes. Não dá para rir disso. Nem mesmo com dentaduras novas…

PS: A ONG em questão tem a liderança de Valda Aroucha, que não esconde para quem trabalha de verdade em seu blog:

É realmente um espanto essa relação umbilical entre governo e ONGs, não é mesmo? As ONGs ignoram a letra N na sigla, e mais parecem organizações governamentais, a serviço de um partido, mas com dinheiro público, ou seja, nosso!

Rodrigo Constantino

Exibições: 48

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Comentário de Romildo de Paula Leite em 26 setembro 2014 às 17:36

Além da prótese dentária, dona Nalvinha também teve um fogão à lenha ampliado na semana da chegada da presidente. Um muro foi construído ao lado do fogão, para protegê-lo contra o vento.

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço