Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano IX

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano IX

'É hora de recomeçar a luta': Versace faz desfile engajado em defesa das mulheres durante semana de moda

"Vivemos um momento perigoso e a moda, que tem uma grande audácia, tem a obrigação de falar sobre o contexto no qual está ambientada."

REPRODUÇÃO/INSTAGRAM

Após desfiles de grandes grifes italianas e internacionais como Gucci, Max Mara, Prada, Fendi, Emilio Pucci e Moschino, nesta sexta-feira (24), o terceiro dia da Semana de Moda de Milão, um dos maiores eventos fashion do mundo, foi marcado por feminismo e grandes declarações.

Um dos principais desfiles do dia foi o da Versace que foi todo inspirado pelo feminismo.

Segundo a diretora criativa da marca, Donatella Versace, agora é "o momento de recomeçar a luta" porque "vivemos em um momento perigoso: dos Estados Unidos à Europa, o nacionalismo parece o único caminho a se seguir e a moda, que tem uma grande audácia, tem a obrigação de falar sobre o contexto no qual está ambientada", afirmou a italiana.

De acordo com Donatella, essa luta contra o nacionalismo não está relacionada apenas à vitória de Donald Trump na Presidência dos Estados Unidos. No entanto, sobre isso, e mais especificamente sobre a marcha das mulheres que aconteceu um dia após a cerimônia de posse no mês passado, a estilista disse que só encontrou oito mulheres apoiando a causa em Milão, número muito pequeno para ela.

Por isso, nas peças da coleção de outono/inverno 2017/2018, a Versace trouxe palavras como amor, igualdade, força, poder, unidade e inclusão.

Já na passarela, as 52 modelos que desfilaram eram de todas as partes do mundo, "diferentes entre si, que acreditam em si mesmas e que se unem para fazer o bem", explicou a diretora.

Na noite desta sexta, as modelos usaram jaquetas com os ombros arredondados, calças com as linhas soltas, saias "duplas" com tule, blusas decoradas com babados imperfeitos e cortes assimétricos em um estilo romântico, mas prático por que "mesmo as mulheres mais fortes, aquelas que carregam o mundo nos ombros, tem dentro de si gentileza e compaixão", disse Donatella.

Para elas, "que tem tanto para dizer e tanto para fazer", as bolsas são enormes e macias, os tecidos são malhas metálicas e coloridas, os casacos são grandes, e o cabelo tem mechas coloridas e vivas.

Já outra grife que arrasou nesta sexta foi a Emporio Armani, que tentou criar uma coleção que, no futuro, seria reconhecida como o modo de se vestir característico de 2017. Segundo o diretor criativo da Maison, Giorgio Armani, "o mundo está dando passos gigantes, mas nós, da moda, estamos parados" e por isso "chegou o momento de mudar" já que atualmente "ou se faz alguma coisa nova ou você não existe".

De acordo com o italiano, nesse período em que estamos é necessário "encontrar um novo modo de se vestir que, daqui a 40 anos, olhando as fotos de hoje, se possa dizer: naquela época se vestia daquele jeito", o que, infelizmente, ainda não é o que acontece.

Para isso, o estilista decidiu criar peças para a coleção outono/inverno onde as pernas das modelos estão escondidas, uma escolha que pode ser "dramática" para alguns, mas que é justificada por Armani porque as mulheres de hoje querem "uma estética diferente" e porque estão recuperando a sua feminilidade.

Para essas mulheres então, a grife colocou nas passarelas calças e jaquetas com estampas como a de príncipe de gales, poá, chevron de revestidas de materiais impermeáveis como PVC, casacos acolchoados em cima de roupas de festa com grandes lantejoulas coloridas, blusas, vestidos e saias com estampas florais gráficas, vestidos compridos com franjas e fendas laterais, bolsas de mão, blazers com grandes botões, mangas compridas e cortes masculinos e calças de veludo com tênis ou galochas.

No entanto, talvez a maior novidade do desfile da Armani desta sexta foi as cores usadas nas peças. As primeiras saídas eram dominadas principalmente pela combinação clássica de preto e branco. Depois, foi acrescentado o vermelho vivo, e alguns toques de azul. No fim, para surpresa de quem acompanha a maison há tempos, veio um inédito rosa choque.

Além disso, após o desfile, Armani fez uma grande declaração: a de que as marcas Armani Jeans e Armani Collezioni não estarão mais presentes do desfile da Milan Fashion Week de primavera/verão 2018. Somente as linhas Ax, Giorgio Armani e Emporio Armani continuarão no fim do ano.

Nas passarelas de Milão desta sexta-feira também apresentaram suas últimas coleções marcas como Diesel Black Gold, Etro, Bluegirl, Tod's e Marco de Vincenzo.

http://www.huffpostbrasil.com/2017/02/25/com-exaltacao-ao-feminismo...

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - CLIQUE AQUI

Exibições: 26

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano IX para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano IX

© 2017   Criado por Textile Industry.

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço