Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Fonte:|revistapegn.globo.com|

Aos 85 anos, o empresário conta, com brilho nos olhos, como há 60 anos comanda um dos maiores grupos têxteis da América Latina, o Paramount Têxteis

Por Kátia Simões
Daniela Toviansky

O terno bem talhado, acompanhado de um charmoso lenço na lapela, é sua marca registrada há décadas, desde que, aos 19 anos, Fuad Mattar decidiu dedicar-se ao Lanifício Paramount, fundado por seu pai, Nassib José Mattar, em 1893, em São Paulo. Traje esporte, só nos fins de semana. Já perdeu a conta de quantos costumes mandou fazer sob medida. Tem certeza apenas de que há dez anos só veste Paramount Collezione, a lã fria Super 150 de padrão internacional produzida com exclusividade pela Paramount Têxteis, maior indústria do setor do Brasil e uma das maiores da América Latina. Aos 85 anos, dono de uma memória privilegiada, ele dá expediente diário e faz questão de ser o exemplo dos mais de 3 mil funcionários distribuídos em cinco fábricas. Sob a batuta desse incansável maestro, o grupo caminhou as últimas seis décadas. Hoje, produz 2,5 milhões de metros lineares de lã por ano e 16 mil toneladas de fios tintos. O faturamento estimado para 2009 é de R$ 234 milhões. “Sou movido a desafios. É assim que sei trabalhar”, diz, enquanto conta os segredos de uma vida dedicada à indústria têxtil.

ESPORTE É VIDA
“Pratico tênis há 74 anos. Atualmente, jogo quatro vezes por semana e faço dez horas semanais de exercícios físicos, entre aeróbica e musculação. O tênis é um jogo de precisão, ajuda a controlar as emoções, dá disciplina e instiga o desafio individual, ajuda na rotina da vida e dos negócios. Muitos dos meus traços de liderança eu aprendi a cultivar com o esporte.”

BOM EXEMPLO
“Acordo às 5h30, sem despertador. Trabalho em média 12 horas por dia. Há décadas tenho o hábito de circular pelas fábricas nos vários turnos para trocar ideias com os funcionários. Quando a empresa tem um líder à frente, que lhe transmite mais confiança, a equipe sabe a quem recorrer e por isso torna-se mais comprometida.”

UM PASSO À FRENTE
“Eu tenho os pés no presente e os olhos no futuro. Nunca tive medo de fazer diferente. Nos anos 40, a Paramount tinha produtos de qualidade, mas era pouco conhecida. Junto com a agência Almap, lançamos a campanha Organdi Paramount, com desfiles-shows, a miss Brasil como garota-propaganda e um jingle que passou a ser assoviado nas ruas. A inauguração da programação noturna da TV brasileira foi feita com um desfile nosso. Transformamos um produto que respondia por 3% da produção em carro-chefe da marca, com 80% das vendas. Essa campanha durou uns cinco anos e construiu boa parte dos nossos resultados.”

PADRÃO INTERNACIONAL
“Fazer o melhor foi sempre o nosso lema. No início, quando havia uma dezena de lanifícios em atividade no país, o objetivo era se diferenciar pela qualidade, mais do que pela novidade. Mais tarde, quando incorporamos essas empresas ao nosso guarda-chuva, procuramos preservar o que elas tinham de melhor. Cuidamos de cada detalhe, da compra da matéria-prima ao acabamento dos fios ou tecidos. Foi assim que atingimos padrão internacional em todas as linhas. Ainda hoje acompanho todo o processo de perto. Tenho uma vida dedicada à indústria têxtil, somei muito conhecimento ao longo desses mais de 60 anos de trabalho.”

LIÇÃO
“No mundo dos negócios não adianta combinar coisas. É preciso sacramentar tudo no papel. Essa foi uma lição que aprendi e que há anos faço com que seja praticada por toda a equipe.”

SOMAR PARA MULTIPLICAR
“A história da Paramount é de agregação. Nunca perdemos o controle acionário, sempre somamos outras empresas ao grupo. Todos os investimentos, porém, são exaustivamente projetados e analisados. Não me importo de dar um passo para a frente e outro para trás, quando necessário.”

TECNOLOGIA
“Não sou muito amigo do ‘ratinho’. O computador me dá um baile. Mas a empresa está sempre alinhada com a última palavra da tecnologia. Somos totalmente informatizados. No chão de fábrica fomos os primeiros a usar máquinas especiais para a produção de fios acrílicos e estamos entre poucos no mundo a trabalhar com uma “cozinha” de tingimento de fios comandada por um robô. São 23 tipos de corantes combinados e dosados via computador. O tempo de processamento caiu de quatro para duas horas.”

OUVIDO ATENTO
“O bom líder é aquele que sabe contagiar o grupo com suas ideias, mas principalmente sabe ouvir, porque ninguém é dono da verdade. A idade nos traz experiência e sabedoria, mas conviver com os jovens nos ensina a lembrar do passado e a projetar o futuro.”

HISTÓRIA CENTENÁRIA MARCADA POR TRAÇOS DE PIONEIRISMO
A Paramount foi a primeira indústria têxtil a lançar o Tergal e a única a produzir lã fria no Brasil e nas américas

Exibições: 83

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

© 2020   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço