Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano X

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano X

Director do Museu da Moda de Paris estreia no Porto "Couture Essentielle", que faz uma viagem no tempo.

“Couture Essentielle”, de Olivier Saillard, tem estreia mundial no Porto. Esta performance alerta o “império da moda” que “pode fazer mais com menos” e “não precisa de mais roupas”.

“A ideia é mostrar que qualquer pessoa pode fazer qualquer coisa sozinha. Sinto nostalgia por quando as pessoas costuravam as suas próprias roupas. Não acredito na ideia de novidade na moda. Esta concepção é errada. A moda já não pode trazer nada de novo, esse é um falhanço da indústria. Não precisamos de roupas novas. Precisamos de fazer roupas. Isso é diferente de fazer moda”, explicou, em entrevista à Lusa, o autor que vai apresentar o trabalho na sexta-feira e no sábado.

Nesta primeira co-produção internacional do Teatro Municipal do Porto, o Palácio da Bolsa recebe um desfile “das mais efémeras roupas que podem existir” porque, no palco, quatro ex-modelos internacionais celebrizadas nos anos 1980 vão transformar em roupa pedaços de tecido, sem botões ou costuras, e assim passar em revista a história da moda.

“Pedi à minha assistente para contar todos os desfiles de moda em Paris, Milão, Roma, Nova Iorque e Milão. Em cada colecção, ou seja, duas vezes num ano, existem 400 desfiles de moda. Isto corresponde a mais de 14 mil peças de roupa. Não acredito que precisemos deste número de roupas em cada estação”, notou Olivier Saillard.

Para o autor, é possível "fazer algo com menos”. “Nestes números surrealistas, podemos considerar talvez 10 designers de moda que mostram algo novo, que indicam um trabalho, e estou a ser generoso”, observou.

Viajar no tempo

O convite para o autor de “Models Never Talk” levar ao Porto uma das suas performances partiu de Tiago Guedes, director do Teatro Municipal do Porto, e Olivier Saillard fez questão de preparar um trabalho novo, porque a sua não é uma “companhia de teatro normal”.

“Estamos mais próximos de uma casa de moda, que não quer repetir um desfile”, explicou.

Com a história da moda sempre na cabeça, Saillard começou a pensar “Couture Essentielle” a partir do longo vestido preto que, no século XIX, “era usado pelas modelos nas primeiras grandes casas de moda”, por razões “de higiene e simbólicas”.

“Um cliente famoso não podia ver um vestido em contacto com a pele das modelos”, explica.

Isso acabou no século XX e, na performance, as intérpretes Christine Bergstrom, Axelle Doué, Claudia Huidobro e Anne Rohart também o vão deixar no chão para “começar a trabalhar com os tecidos”.

Vão também encher-se de cor, ao contrário do que acontecia em "Models Never Talk", em que estavam vestidas de preto.

“Elas tentam improvisar para procurar formas e roupas, mas não temos botões, fechos, pontos ou costura. São as roupas mais efémeras que podemos encontrar no mais efémero desfile de moda”, descreve Saillard.

A intenção, descreve o criador, é também viajar até ao tempo em que “o verdadeiro início de um desfile se centrava nos tecidos”.

Um mundo estranho

“Estamos num mundo muito estranho. Estamos sempre a falar de moda, de criadores, etiquetas e marcas, mas nunca falamos dos tecidos, das cores. Para os mais importantes designers, esse é o verdadeiro início do trabalho”.

Saillard alerta que estas ex-modelos não eram apenas “modelos de passarela”, antes verdadeiras “colaboradoras de designers de moda” como Yves Saint Laurent ou Jean Paul Gaultier.

"Couture Essentielle" vive do movimento, porque é assim que deve ser quando se trabalha “com corpos vivos”, em vez de manequins de plástico.

A performance é, também, um “manifesto pela beleza natural”. A idade das modelos não interessa, “não é uma questão”, porque elas são “bonitas independentemente da idade”, explica o autor. “São naturais”, destaca.

O Porto é um “sítio interessante” para lançar este “SOS ao mundo da moda”: “Não é cidade de que se fale por causa da moda. Isso é tranquilo, fresco, calmo. Gosto da ideia de não estarmos demasiado dentro do império da moda”.

http://rr.sapo.pt/noticia/78506/performance_lanca_sos_ao_mundo_da_moda

Exibições: 13

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano X para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano X

© 2017   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço