Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Setor têxtil busca acordo para conter exportações - VALOR ON LINE - de Pequin

As indústrias têxteis do Brasil e da China começaram ontem, em Pequim, a buscar alternativas em conjunto para conter a enxurrada de exportações chinesas para o mercado brasileiro e criar oportunidades de investimentos bilaterais no setor. O diálogo aberto entre o setor privado, com apoio dos governos, marca uma ruptura na posição até agora das indústrias: a do Brasil, sempre pedindo restrição à importação, e a da China, que cruzava os braços.

Em reunião de cinco horas na capital chinesa, a Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit) apontou aumento de 75% no volume de exportações de têxteis e vestuário chinês para o Brasil entre janeiro e abril, e avisou que esse surto precisa ser contido, porque ameaça a produção no país. "Não podemos absorver o que os Estados Unidos, Europa e Japão deixaram de importar, em plena crise econômica global e quando a palavra-chave é o emprego" afirmou o diretor-superintendente da Abit, Fernando Pimentel.

A mensagem implícita dada em Pequim foi que, se o ritmo das exportações continuarem, e não houver "entendimento em benefício mútuo", o Brasil terá de usar instrumentos de defesa comercial, como medidas antidumping.

A associação que representa 80% do setor têxtil chinês se dispôs a conversar e criar grupos de trabalho, agora em bases frequentes, mas tem descartado refazer um acordo para restringir "voluntariamente" as exportações para o Brasil, como aconteceu até o ano passado. Alega que tem um problema seríssimo. Das 26 milhões de pessoas que estavam empregadas no setor, já foram demitidas 6 milhões, o que causa tensão mesmo num gigante como a China.

Pimentel disse aos chineses que o Brasil está pronto a receber seus investimentos, notando que até agora eles foram mínimos, comparados ao que o Brasil já investiu na China em têxteis e calçados.

Os chineses retrucaram. Disseram que enviaram uma missão ao Brasil, em 2003, disposta a fazer investimentos, mas não tiveram respaldo do governo brasileiro. Agora dizem que pretendem voltar para explorar possibilidades e checar o que Brasília pode fazer para atrair investimentos.

Por seu lado, os dois governos vão criar um grupo de trabalho para combater operações ilegais, como subfaturamento, triangulação e desvio no comércio bilateral têxtil. "Devemos ficar atento ao desenvolvimento do comércio bilateral, para privilegiar soluções boas para os dois lados", afirmou o diretor de operações de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Luiz Fernando Antonio.

Pimental considerou "muito positiva" a busca de "um entendimento em benefício mútuo", mas reconheceu que a questão agora é ver na prática o resultado do diálogo entre o setor privado. (AM)

Exibições: 69

Comentar

Você precisa ser um membro de Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII para adicionar comentários!

Entrar em Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XII

Comentário de MARCIONE FERREIRA DINIZ em 22 maio 2009 às 23:17
ACREDITO EXCLUSIVAMENTE EM REGIME DE COTAS COM RIGIDOS CONTROLES.

NOSSO PAIS TEM QUE ESTABELECER E PERMITIR APENAS VOLUMES QUE NÃO ATRAPALHE O DESENVOLVIMENTO DE NOSSA INDUSTRIA, QUE NÃO GERE DESEMPREGO MAS QUE TAMBEM NÃO PERMITA GERAÇÃO DE ESPECULAÇÃO COM INFLAÇÃO E ACOMODAMENTO TECNOLOGICO.

© 2019   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço