Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

A reciclagem de fibras está a convencer cada vez mais marcas, com muitas a apostarem em novos projetos para fecharem o ciclo da cadeia de aprovisionamento. É o caso da G-Star, Kuyichi e H&M, que têm a ambição de darem vida nova a vestuário velho. 

dummy
Fazer novo a partir de velho

O fechar do ciclo na cadeia de aprovisionamento de vestuário continua a marcar pontos, com mais marcas a começarem a lançar produtos que usam fibras recicladas.

Num evento organizado pelo grupo de sustentabilidade Made-By, representantes das marcas de denim G-Star e Kuyichi revelaram como estão a integrar algodão reciclado nos seus produtos. Atualmente, a G-Star recicla o denim usado pelos seus funcionários e de produtos defeituosos, enquanto a Kuyichi lançou no mês passado um sistema batizado Deposit Denim.

A trabalhar em parceria com a Texperium, o diretor de vendas internacionais da Kuyichi, Peter Schuitema, indicou que a empresa pretende incluir até 40% de fibras recicladas nos seus jeans. A fibra reciclada será fiada com algodão virgem orgânico para assegurar que o tecido é suficientemente resistente para ser usado como denim.

O desejo da Kuyichi de inovar remonta ao seu passado, já que foi criada em 2000 depois da organização não-governamental holandesa Solidaridad ter apoiado a produção de algodão orgânico no Peru. Na altura, nenhuma das grandes marcas estava interessada em comprar algodão orgânico, por isso decidiram lançar a Kuyichi. «A razão pela qual o fizemos foi para mostrar que é possível», explicou Schuitema.

Outra retalhista que está a apostar no ciclo fechado é a H&M, que lançou um projeto de reciclagem de vestuário em dezembro do ano passado. O especialista de ciclo de vida da empresa de moda, Erik Karlsson, revelou que recebeu 750 toneladas de vestuário desde fevereiro. Mas embora tenha ambições a longo prazo para o programa, «mudar o comportamento do consumidor é essencial, devolver vestuário é novo e irá demorar algum tempo», defendeu Karlsson.

Apesar de estar ainda numa fase inicial, Erik Karlsson explicou que o PET reciclado, da garrafa ao tecido, reduz a emissão de gases com efeito de estufa em 58%, o que mostra o «enorme potencial» para modelos de negócio de ciclo fechado. «Fechar o ciclo nos têxteis, fazer novo a partir de velho é a nossa ambição a longo prazo», sublinhou. O responsável da H&M explicou ainda que 95% do vestuário que vai para aterro poderia ter outras utilizações e que na Suécia, os consumidores deitam fora 15 kg de vestuário por pessoa por ano, com 8 kg a serem incinerados.

Nick Morley, diretor de sustentabilidade na consultora Oakdene Hollins, acredita que a indústria precisa de se focar em todas as formas de reciclagem, não apenas no ciclo fechado. «O ciclo fechado atraiu a imaginação, é mais fácil de explicar do que as associações que vendem produtos no terceiro mundo», considera.

Morley antecipa a que a concorrência às associações por vestuário velho e os programas de vestuário por dinheiro aumentem, o que significa que os consumidores vão tornar-se cada vez mais cuidadosos com a forma como deitam fora as suas roupas. Sugere mesmo que isso pode significar que 70% a 80% do vestuário será recolhido a longo prazo. «Vai tornar-se rapidamente muito valioso», concluiu Morley.
 http://www.portugaltextil.com/tabid/63/xmmid/407/xmid/42557/xmview/...

Exibições: 366

Responder esta

Respostas a este tópico

Reciclagem das fibras não só é possível como é absolutamente necessário. A H&M já compra tecidos com fibras recicladas há mais de 30 anos, era nessa altura uma empresa relativamente pequena e com alguma importância no norte da Europa. Nesse tempo ainda não havia a concorrência da industria têxtil chinesa e a H&M comprava os tecidos em Itália e Portugal e confeccionava-os em Portugal.

Responder à discussão

RSS

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço