Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Após tragédia, Bangladesh aumenta salário mínimo e autoriza sindicalização

Em média, funcionários do setor têxtil recebem 38 dólares por mês; até papa Francisco fala em "trabalho escravo"

 

O número de mortos no desabamento em Bangladesh em 24 de abril já ultrapassou 1.100. O governo, agora, após apelos da comunidade internacional e de protestos dos trabalhadores por melhores condições de trabalho, decidiu aumentar o salário mínimo para os funcionários da indústria têxtil. Além disso, foi feita a promessa nesta segunda-feira (13/04) da autorização para criação de sindicatos sem que necessite da autorização dos donos das fábricas.

As medidas prometem melhorar as condições  de trabalho do setor, que é considerado  o mais mal pago do mundo:  em média,  os trabalhadores ganham 38 dólares (cerca de 60 reais) por mês. "A lei foi aprovada pelo governo, agora será revisada pelo Ministério de Leis e depois terá que ser aprovada pelo Parlamento", disse Tareq Zahirul, porta-voz do Ministério de Têxteis.

Bangladesh vai reunir uma comissão de representantes das fábricas, líderes sindicais e governo para decidir as novas diretrizes do setor da indústria têxtil. Essa é uma promessa feita pela primeira-ministra do país, Sheikh Hasina, poucos dias após a tragédia.

Segundo Tarek Zahirul, “a comissão terá três meses para deliberar sobre estas condições, mas o aumento do salário mínimo entrará em vigor com efeito retroativo desde 1 de Maio”. De acordo com informações da Agência Efe, a última vez que os salários foram reajustado foi em 2010, quando o salário mínimo mensal era de US$ 21. Agora os trabalhadores pedem US$ 102 mensais.

A indústria têxtil é fundamental para a economia do Bangladesh, representando 78% das exportações. O setor dá trabalho a quatro milhões de pessoas e atrai grandes companhias do Ocidente por oferecer uma das mãos-de-obra mais baratas do planeta.

A comunidade internacional em diversas oportunidade já voltou seus olhares às péssimas condições de trabalho em Bangladesh. Há registro de vários protestos no mundo inteiro contra o trabalho escravo (ou praticamente escravo) que muitos trabalhadores são submetidos no país.

Até mesmo o papa Francisco qualificou no começo deste mês como "trabalho escravo" a situação dos operários têxteis que morreram no desabamento e disse em pronunciamento público que empresários que pagam salários injustos e buscam o lucro desenfreado vão "contra Deus".

As empresas estrangeiras como El Corte Inglês, Benetton, Primark, Bon Marche e Joe Fresh admitiram que produziam peças nas oficinas  no prédio onde aconteceu o acidente.

Fonte : Opera Mundi

Exibições: 141

Responder esta

Respostas a este tópico

38 dólares é menos que o valor que a Dilma esta pagando para tirar as pessoas no Brasil da miséria,
As empresas admitiram que produziam lá , tem que pagar por isso,deixaram de produzir no Pais de origem,para produzir com salários miseráveis,ê culpado,sabia o que estava acontecendo.

Responder à discussão

RSS

© 2022   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço