Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Câmbio não bastou para elevar competitividade da indústria têxtil

A depreciação do real ao longo do último ano ainda não tem sido suficiente para aumentar a competitividade e estimular a produção do setor têxtil no Brasil, que ao longo de anos reclamou da invasão dos artigos chineses no País. Empresários do setor afirmam que o aumento de custos com mão de obra e matérias-primas dificulta a captura de benefícios pelas empresas, seja na exportação seja na substituição de importados.

Embora a demanda das redes de varejo para as confecções domésticas esteja crescendo na tentativa de reduzir os custos com os importados mais caros, os fabricantes nacionais ainda veem barreiras.

"O varejista chega querendo um preço equivalente àquele que ele pagava pelo produto asiático no passado e nós não chegamos nesse custo", diz Matheus Fagundes, vice-presidente da fabricante de lingerie 2Rios.

A indústria nacional tem sentido o impacto de alta de custos de produção, comenta o presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), Rafael Cervone. Um dos fatores que pesou, diz, foi o fim do benefício da desoneração de mão de obra como parte do pacote de ajuste fiscal implementado no ano passado. A alíquota que incide sobre as empresas do setor têxtil passou de 1% para 2,5% da receita.

No caso da substituição de importações, a capacidade de alguns segmentos em atender o varejo ficou limitada nos últimos anos. O superintendente de políticas industriais e econômicas da Abit, Renato Jardim, afirma que, durante o período em que o real se apreciou e em meio ao crescimento do consumo das famílias no início dos anos 2000, muitas redes varejistas "desmobilizaram" fornecedores nacionais. Assim, a demanda por produtos sazonais como jaquetas, por exemplo, passou a ser suprida apenas pelo mercado externo e os itens perderam espaço na produção brasileira, diz. "Foi desfeita uma relação que agora precisa ser desenvolvida de novo", comenta.

Ao mesmo tempo, o câmbio que encarece os importados também pesa sobre algumas matérias primas. Fagundes, da 2Rios, afirma que o custo de tecidos sintéticos acabou aumentando diante da instabilidade cambial. "O importador já não sabe onde o câmbio vai parar e embute essa incerteza nos preços", diz, afirmando que os preços de seus fornecedores subiram acima de 10% em 2015 e devem ser reajustados novamente neste início de ano.

Cervone destaca ainda que os preços dos tecidos sintéticos no Brasil não têm sido beneficiados pela queda do preço do petróleo no mercado internacional. "Enquanto para o mundo todo os derivados de petróleo estão mais baratos, aqui isso não é verdade, ou seja, esse é mais um fator que fere a nossa competitividade", diz.

Ainda assim, diz o presidente da Abit, a perspectiva para este ano não é de todo ruim. As grandes redes de varejo têm a expectativa de reduzir pelo menos uma parcela pequena de suas importações, o que já é um efeito relevante para o setor. "Já estamos começando o ano com uma perspectiva positiva que não existia em 2015", resume.

http://atarde.uol.com.br/economia/noticias/1745505-cambio-nao-basto...

Para participar de nossa Rede Têxtil e do Vestuário - CLIQUE AQUI

Exibições: 380

Responder esta

Respostas a este tópico

1 – “"O varejista chega querendo um preço equivalente àquele que ele pagava pelo produto asiático no passado e nós não chegamos nesse custo" – em Dólar? Há inúmeros Produtos Manufaturados que usam Componentes importados.

2 – “muitas redes varejistas "desmobilizaram" fornecedores nacionais.” "Foi desfeita uma relação que agora precisa ser desenvolvida de novo." Perfeito.

Julio Caetano

Não é novidade, podem procurar no grupo eu tenho dito isso há tempos.

A varejista quer duas coisas do fornecedor, margem e prazo de pagamento. Na margem, destroi o lucro do produtor (porque o custo é alto) e no prazo arrebenta com o capital de giro. 

Minha sugestão para o produtor é ele abrir um canal de e-commerce e passar a atuar B2C.  

Está certíssimo Felipe, e quando o produtor abre seu canal de e-commerce percebe que toda a sua margem estava indo para o varejista.

O que eu vejo a médio e longo prazo serão movimentos distintos, onde será regra quem produz vender em atacado e varejo, e aquele que era varejista também produzir para alimentar seus canais de venda.


Felipe Armel Dias da Silva disse:

Não é novidade, podem procurar no grupo eu tenho dito isso há tempos.

A varejista quer duas coisas do fornecedor, margem e prazo de pagamento. Na margem, destroi o lucro do produtor (porque o custo é alto) e no prazo arrebenta com o capital de giro. 

Minha sugestão para o produtor é ele abrir um canal de e-commerce e passar a atuar B2C.  

A indústria nacional não terá competitividade de forma alguma enquanto não for resolvido a questão do nosso famigerado "Custo Brasil". No ano de 2005, quando começamos o ano com um dollar ao câmbio de R$ 2,65 e terminamos, em dezembro, em R$ 2,18 (média anual de R$ 2,425), em se tratando do setor têxtil, fomos o segundo setor que mais exportou (perdemos somente para o agronegócio). Hoje, com dollar médio a R$ 3,80, não conseguimos ser competitivos no mercado externo, de maneira que penso que a desvalorização do real não é o problema preponderante na composição dos nossos custos.
Em 2006, entre muitas colocações minhas e de tantos outros amigos neste blog, dissemos que o governo havia dado um tiro no pé quando quis valorizar nossa moeda frente ao dollar (quis ter mania de grandeza, que é praxe desse governo que nunca ajudou a indústria nacional). Por outro lado, como também é de praxe, como já disseram os nossos amigos Felipe e Henrique, os varejistas nunca quiseram ter compromisso com a indústria nacional, muito pelo contrário, se eles quisessem, seriam os primeiros a defender a mesma não enviando nossos protótipos para serem fabricados na China, defendendo os empregos e, o que é mais importante, a renda e, consequentemente, o consumo.
Qual foi o resultado disso tudo: por interferência de um governo medíocre que, se não entende de política, como iria entender de economia (???); um governo que, os únicos recordes alcançados foram na arrecadação de impostos (sem contrapartida para a população brasileira nos itens básico essenciais para a sobrevivência) e escândalos de corrupções, fez com que a indústria e o varejo se distanciassem e causasse essa ruptura.
Enquanto não tivermos um governo que se preocupe com a reforma fiscal e tributária, que se preocupe com o investimento em infraestrutura (resolvendo o nosso problema de logística), que favoreça os pequenos empreendedores com abertura ao crédito e com juros competitivos, ....., enfim, que trate seriamente a questão do Custo Brasil, ficaremos sempre à mercê de ocorrências externas na economia mundial para recolhermos algumas migalhas.

Abraços e ótimo dia a todos!

Responder à discussão

RSS

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço