Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIII

Coomapem recebe certificação orgânica pela produção de fibras no rio Solimões

Coomapem recebe certificação orgânica pela produção de fibras no rio SolimõesSetenta e um cooperados da Cooperativa Agropecuária Mista de Manacapuru (Coomapem) receberam nesta quarta-feira (25/5) a certificação orgânica para a juta e malva. Os certificados foram entregues em cerimônia especial alusiva à VII Semana Nacional dos Alimentos Orgânicos, no auditório Floriano Pacheco, na sede da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa).

O evento foi aberto pela titular da Suframa, Flávia Grosso, que falou da importância de a instituição participar do projeto de certificação orgânica para os produtos da Região.“Esse projeto vai fazer com que se propague o nome da Amazônia através de seus produtos”, declarou.

O presidente da Agência de Desenvolvimento Sustentável do Amazonas (ADS), Valdelino Cavalcante, disse que o Estado é o maior produtor de juta e malva do País. Segundo ele, o cooperativismo é um desafio cada vez mais presente para os produtores da região. “A OCB/AM propicia aos produtores a oportunidade de melhoria do trabalho através do cooperativismo”.

“Este é um momento importante, mas é apenas um passo, ainda temos que vencer o valor da negociação para estimular a certificação de outros produtos”, acrescentou o presidente da ADS.

O deputado estadual e presidente da Frente Parlamentar Cooperativista do Amazonas (Frencoop/AM), em seu discurso, ressaltou a importância das entidades agroindustriais envolvidas em gerar renda para as pessoas do interior do Estado. “A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Assembleia Legislativa do Amazonas está pronta para apoiar esse tipo de projeto de desenvolvimento”, assegurou.

O presidente da OCB-AM, Petrucio Magalhães Júnior, agradeceu as oportunidades oferecidas às cooperativas do Estado. “Os custos para a certificação de produtos regionais ainda são altos, por isso o apoio de instituições como a Suframa e a ADS nesse processo é muito importante”, revelou. O benefício da certificação vai agregar pelo menos 30% ao valor do produto.

Segundo Eliana Medeiro, presidente da Coomapem, a certificação vai aumentar as exportações. “Isso desperta no produtor a necessidade de melhoria da qualidade da sua produção”, afirmou.

Para ela, o momento mais difícil nesse processo de certificação foi adequar a produção e sensibilizar os cooperados na manutenção dos padrões exigidos pelas normas. Dos 254 cooperados da Coomapem, 71 foram certificados.

Ednilson Cruz, cooperado da Coomapem, que produz juta e malva certificadas, disse que sua produção média por ano é de 15 toneladas de fibra. “Trabalho em conjunto com minha família e esse certificado vai melhorar o preço do produto e sua qualidade”, disse, revelando ainda que também planta melancia, milho e mandioca, além de criar um pequeno rebanho de gado.

A previsão da produção de fibras pela Comapem para este ano é de mais de 2 mil toneladas. No ano passado,  a produção da cooperativa foi de 1.050 toneladas.

Além da juta e malva, o cacau nativo de Urucurituba (AM), Itacoatiara (AM) e Borba (AM) também foram certificados.

Fonte:|.cooperativismo.org.br|

Exibições: 102

Responder esta

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço