Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Descrevo o método cuja aplicação tenho executado com êxito na Industria Têxtil

CUSTEIO INTEGRAL, GLOBAL, COMPLETO (FULL COSTING)

Corresponde à forma tradicional de custeio, em cujo centro está o pós-cálculo de custos, no qual se apropriam todos os custos sucedidos no período sobre os produtos.
Os custos sucedidos no período correspondem às quantidades de insumo/consumo reais, a preços reais.
É o Método de Custeio que apropria todos os custos indiretos fixos industriais aos produtos, em função do Nível de Atividade Real.
O Custo Ocioso da Capacidade não aproveitada fica incluído na avaliação do Custo de Produção. O nível de atividade da empresa sempre será fundamental e indispensável para situá-la no contexto.
Poderá apresentar resultados inesperados, sempre que o Nível de Atividade Real divergir substancialmente da capacidade normal e quando, simultaneamente, os Custos Indiretos Fixos são elevados, em confronto com os Custos Diretos e Indiretos Variáveis. Esta condição se torna cada vez mais comum, devido às modificações da estrutura tecnológica, em conseqüência da automação dos processos industriais. Contudo sempre será a apuração do custo real da empresa.
Todos os custos e despesas operacionais, diretos e indiretos, fixos e variáveis, de todas as funções, de produção, comercialização, e administração, (exceto tributos) são apropriados aos produtos.
Por conseqüência, em termos rigorosamente técnicos, os custos dos produtos apresentam validade para o grau de ocupação da empresa, no momento da apuração.
Se confrontados todos os Custos Operacionais com todas as Receitas Operacionais, o Esquema de Cálculo proposto pelo Custeio Integral permite determinar o que, na Contabilidade Geral, se denomina Lucro Operacional Líquido.
O método de custeio global, integral ou completo, sustenta que todos os gastos em que incorre a empresa para produzir e vender são cargas de custos de tal produção e venda e que, portanto, todas as cargas de custos devem incorporar - se ao custo final.
Em outras palavras, o custo final dos produtos absorve todos os custos operacionais normais e correntes da empresa, tanto de produção, quanto de comercialização, e administração.
As características essenciais do método de custeio proposto são:
1. Realizar uma análise das cargas de custos, classificando-as em diretas e indiretas.
2. Atribuir ao custo final dos produtos todas as cargas de custos operacionais do período, diretas e indiretas.
Os custos indiretos são atribuídos ao custo dos produtos através de um instrumento contábil de distribuição ou rateio, utilizando o Mapa de Localização de Custos, que classifica e aloca os custos indiretos inicialmente por Centros de Custos.
Os Custos Indiretos alocados nos Centros de Custos são ainda agrupados, para facilitar a apropriação destes, em Centros de Apoio e em Centros principais da Produção, Comercialização, e Administração. (exceto tributos)
Assim, por exemplo, para fins de custeio, apuração do resultado operacional bruto do período ou exercício e formação de preço, são considerados os Custos de Produção, incluindo os custos dos Centros de Apoio a eles distribuídos ou rateados e as despesas de comercialização, e administração. (exceto tributos)
As amortizações de investimento deverão ser tratadas de forma isolada.
Naturalmente depois de tudo isso, é possível definir os volumes de produção possíveis, assim como as despesas compatíveis para definição de tabelas de preço e posterior acompanhamento após cada apuração.

Erivaldo José Cavalcanti

erivaldo@gestaotextil.com

Exibições: 936

Responder esta

Respostas a este tópico

Ola Erivaldo,

Quem bom que você fez essa abordagem!

Seria interessante postar uma planilha com exemplos, isso ajudará não só no entendimento, quanto no debate de muitas questões como o limite de redução de preço para ações promocionais. Desativação de linhas de produtos é outro caso que é complexo quando se usa o custeio total.

Daria inclusive para simular situações de queda de mercado e capacidade de redução de gasto para equilibrio economico.

Já enfrentamos problemas no setor textil onde a queda de preços foi da ordem de 20% e o segmento só conseguiu enxugar 12% , com isso a margem foi duramente prejudicada em 8%. Muitas empresas na época quebraram.

Foi um dos momentos em que pude perceber que o conceito de custo fixo ficou muito mais claro para muitos gestores.

O custeio integral ( teoria) permite uma série de debates, porque muitos há pontos que são contestados e é importante trazê-los à luz do mercado.

 

Abraço

Ivan Postigo

Caro Ivan,

Existe planilha disponível no grupo Gerenciamento Dinâmico de Custos, conferir no link abaixo:

http://textileindustry.ning.com/group/gdcgerenciamentodinmicodecustos

Grato,

Erivaldo

 

Responder à discussão

RSS

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço