Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Industria Textil e do Vestuário - Textile Industry - Ano XIV

Thibault Camus, File/APGaultier reclamou do "ritmo frenético de coleções", que não dão "liberdade nem tempo para ideias e inovações"

A notícia caiu como uma bomba no mundo da moda: após 38 anos de criações, o célebre costureiro francês Jean-Paul Gaultier vai encerrar suas atividades de prêt-à-porter e de acessórios em razão de dificuldades financeiras.

Seu último desfile, inspirado em um de seus modelos emblemáticos, a blusa de marinheiro, será apresentado no dia 27 em Paris, data que para muitos na França vai marcar o "fim de uma época" da indústria da moda.

O estilista de 62 anos, que se tornou famoso com suas saias (estilo kilt escocês) para homens e o bustiê com seios em forma de cone usado pela cantora Madonna, continuará, no entanto, realizando coleções de alta-costura, importantes para manter o dinamismo das vendas dos perfumes da marca. Eles representam, com fragrâncias como Le Mâle, um negócio bem rentável e com receita estimada em € 250 milhões.

Já o prêt-à-porter da grife tem números bem diferentes. A receita caiu fortemente nos últimos anos: o faturamento dessa linha, totaliza hoje cerca de € 15 milhões, segundo fontes do setor.

O encerramento das atividades do prêt-à-porter ocorre apenas três anos após a grife de Gaultier ter sido comprada pelo grupo espanhol Puig - especializado em perfumes e dono de marcas como Paco Rabanne, Nina Ricci e Carolina Herrera - com faturamento de € 1,5 bilhão.

Gaultier já havia enfrentado problemas financeiros anteriormente e havia cedido 45% do capital ao grupo de luxo Hermès em meados dos anos 2000. O estilista também foi, durante seis anos, o diretor artístico do prêt-à-porter da Hermès. Em 2011, a Puig desembolsou cerca de € 100 milhões para adquirir a grife de Gaultier.

Mas o grupo espanhol ainda vai esperar dois anos para obter o negócio mais lucrativo da marca. O grupo japonês de cosméticos Shiseido detém a licença dos perfumes do estilista até 2016.

O costureiro evocou, para explicar o fim de seu prêt-à-porter, "restrições comerciais e um ritmo frenético de coleções, que não permitem ter liberdade nem tempo para ideias e inovações", disse Gaultier ao jornal "Le Figaro". De fato, não é nada fácil competir com o ritmo de varejistas "fast fashion" como Zara, H&M e Gap, que mudam suas vitrines várias vezes por mês.

Mas para muitos, o costureiro, apaixonado por moda, jamais teria tomado essa decisão e, na prática, o grupo Puig não queria simplesmente continuar perdendo dinheiro. Especialistas ressaltam que o costureiro, apesar de sua notoriedade internacional e grande criatividade, não conseguiu traduzir isso em lucros para a sua empresa.

"Gaultier não desenvolveu suficientemente as linhas de acessórios e perdeu esse espaço", diz Marie Noëlle Demay, editora-chefe da revista francesa "Marie Claire". "As grandes grifes de moda compensam suas atividades com esses artigos, como bolsas, que são o grande filão rentável. Hoje é muito difícil para uma grife sobreviver apenas com o vestuário", diz ela.

E mesmo na área de acessórios a concorrência é enorme. Que o diga a grife francesa Louis Vuitton, que adotou a estratégia de privilegiar modelos mais exclusivos e com materiais mais nobres (em vez da tela emborrachada com o famoso monograma) para driblar a forte desaceleração nas vendas, devida principalmente à clientela chinesa, que passou a querer produtos menos vistos por todos os lados. A medida, pelo visto, vem dando certo: as vendas da divisão de acessórios de couro do grupo LVMH cresceram 7% neste semestre.

Por enquanto, Gaultier ainda continuará surpreendendo em seus desfiles de alta-costura, com manequins exóticos e temas insólitos, como Drácula.

Não foi o que aconteceu com outro grande nome da moda francesa, Christian Lacroix, que deixou as passarelas em 2009 após sua marca, pertencente a um grupo americano de "duty free", ter entrado em liquidação judicial e encerrado a alta-costura e o prêt-à-porter. A grife Lacroix ainda existe, mas sem participação do estilista.

Estima-se que o grupo Puig aplicará nos próximos anos à grife de Gaultier a mesma estratégia adotada com a marca Paco Rabanne, cujas coleções de moda representam apenas cerca de 10% das vendas. O restante são perfumes e cosméticos.


© 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Por Daniela Fernandes | De São Paulo
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/empresas/3698888/gaultier-desiste-do-pret-p...

Exibições: 349

Responder esta

Respostas a este tópico

Tristes tempos esses

  "Gaultier não desenvolveu suficientemente as linhas de acessórios e perdeu esse espaço", diz Marie Noëlle Demay, editora-chefe da revista francesa "Marie Claire". "As grandes grifes de moda compensam suas atividades com esses artigos, como bolsas, que são o grande filão rentável.

Responder à discussão

RSS

© 2021   Criado por Textile Industry.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço